Pular para o conteúdo principal

Signos Sattva e o facebook

Quando você ver sua timeline recheada de frases de efeito, pode crer que você tem muitos amigos Sattvas na sua timeline.

Os signos Sattva são aqueles regidos por Júpiter, sol e Lua: Câncer, Leão, Sagitário e Peixes. Pessoas com muitos planetas nesses signos são motivados por ideais que elas julgam nobres. São mais dramáticos e muitas vezes tidos como pedantes, principalmente Leão.

Antes de irmos a fundo nos Sattvas, vamos ver de onde essa terminologia se origina. Existem três tipos de motivações, que os indianos chamam de gunas. Durante muito tempo, os gunas foram interpretados de maneira errada e simplista. Os gunas são três:

  • Sattva: Signos de Júpiter, Sol e Lua.
  • Rajas: Signos de Vênus, Áries e Gêmeos
  • Tamas: Signos de Saturno, Escorpião e Virgem

Sempre se pensou nos signos tamásicos como maus e os signos sattva como bons, mas não é nada disso. Abordando o tema de modo bastante infantil e maniqueísta (só para simplificar momentaneamente): qualquer pessoa pode ser boa ou ruim, independentemente dos signos ocupados pelos planetas no seu mapa. A classificação acima apenas reflete a motivação dos signos para agir.

  • Sattva tem uma motivação calcada em ideais/moral
  • Rajas tem uma motivação calcada na vontade.
  • Tamas tem uma motivação calcado em prevenir o que pode acontecer de pior

Assim, três pessoas diferentes podem realizar a mesma tarefa, com motivações diferentes:

  • os sattvas vão fazer pensando num ideal;
  • os Rajásicos vão fazer pensando que estão com vontade de fazer aquilo;
  • Os Tamásicos vão fazer pensando que aquilo pode prevenir/fazer algum mal;

Se você ainda tiver dúvidas se os sattvas são bonzinhos e os tamas são maus, é necessário mais uns exemplos.

Pessoas consideradas más podem ter planetas nos signos Sattvas. A diferença é que essas pessoas, quando fazem mal, alegam estar cumprindo uma sentença, baseado nalgum ideal que elas sigam. Dá pra ver que os Sattvas que fizeram mal a muita gente podem ser verdadeiros lunáticos. Temos um exemplo que ocorreu, há mais de três décadas, que foi o suicídio coletivo do lider religioso Jim Jones e dos seus seguidores, num acampamento no Suriname.

Ser um pastor/padre não significa automaticamente que a pessoa seja sattva mas, em muitos casos, os sattvas procuram profissões onde possam praticar seus ideais. Jim poderia ser considerado um belo exemplo de Sattva, por ser um líder religioso que vai aos extremos pelo que acredita.

Professores de História costumam ser Sattvas. Muitos deles estão mais nas salas de aulas para transmitirem ideologias aos alunos do que propriamente ensinar a disciplina. Se o professor for, ao mesmo tempo, Sattva e kshatriya (guerreiros, significados pelo Sol e Marte) e temos um verdadeiro cavaleiro templário do comunismo dentro das salas de aula.

O facebook é um exemplo de rede social onde Sattvas abundam. Eles postam frases de efeito, gostam de mostrar ideais belos. Muitos deles são vegetarianos, porque os ideais deles conseguem impregnar até mesmo seus hábitos nutricionais. Alguns enchem tanto o saco que a melhor coisa a se fazer é ir nas suas opções de visualização e excluí-los da sua timeline. Excluí-los e bloqueá-los não é necessário, eles não tem culpa de serem malas sem alça, coitados.

É meio difícil saber pelo mapa natal o guna da pessoa. Ernst Wilhelm tem uma técnica que acho meio complicada, mas você pode começar a reparar nas pessoas e advinhar facilmente sem o mapa natal.

Astrólogos geralmente são sattvas ou tamas. Os primeiros tem uma abordagem extremamente positiva. Ver desgraça no mapa, pra eles, é quase proibido e, quando vêem, dão nela uma boa enfeitada, com eufemismos como "processo radical de transformação", etc. Tamásicos se interessam pela astrologia para estarem prontos para o caso de alguma coisa ruim acontecer. Geralmente se interessam muito por astrologia preditiva. É meio difícil ver rajásicos na astrologia, porque eles tem um impulso de estudá-la e depois, quando o impulso acaba, caem fora.

Comentários

  1. Realmente, pela maneira como esse assunto é ensinado nos manuais de Jyotisha, só podemos ver a diferença Tammas-Sattva de forma bem maniqueísta. Na tradução do Parashara feita por Santhanam, ele diz que Tammas é uma disposição dos demônios, enquanto o sattva é visto nos devas. O Narasimha Rao, no Vedic Astrology Textbook, diz que o tammo gun faz as pessoas viverem em escuridão, malícia e depravação. Gostaria de saber como o Wilhelm faz pra ver o guna predominante. No meu caso, devido às grandes influências de Marte e de Saturno no meu mapa, presumo que eu seja tammasik.

    ResponderExcluir
  2. Essas interpretações foram de acordo com o mapa védico ou ocidental? Tem que ser feito no mapa védico, né ? Por favor me ajuda , to confusa!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …