Pular para o conteúdo principal

Que diabos é ἐπιτόπως?

Uma tradução pode tornar raso um texto originalmente profundo. Quase sempre, isso se deve ao nível de entendimento do tradutor sobre o material. Longe dessa ser uma crítica abusada a quem se esforça para traduzir textos gregos do primeiro século d.C.: o entendimento do tradutor muda com sua experiência, sendo inevitável a revisitação e reedição de trechos outrora traduzidos.
Antepenúltimo parágrafo do primeiro capítulo da Antologia de Valens, sobre a natureza dos planetas.

Robert Schmidt traduziu o texto acima da seguinte maneira:

“When the benefics (agathopoiói - ἀγαθοποιοὶ) are well (kalos - καλῶς) and suitably (epitópos - ἐπιτόπως) situated (kêimenoi - κείμενοι), they produce their special effects (tá idia apotelúsi - τά ιδια ἀποτελοῦσι) in accordance with their own nature and the nature of the Zoidion with the additional mixture of the testimony or copresence of each star; but when they fall amiss, they are indicative of the opposite effects. Similarly, if the malefics have dealings when they are suitably placed and in sect, even they are dispensers of good things, and they are indicative of higher positions and advancements; but ir they are unprofitably placed. they produce dismissals and accusations.”
A tradução da tradução, para o português:

“Quando os benéficos estiverem bem e adequadamente situados, eles produzem seus efeitos especiais de acordo com sua própria natureza e a natureza do signo, com a mistura adicional do testemunho ou da copresença de cada estrela; mas quando eles (os benéficos) caírem mal, são indicativos dos efeitos opostos. De modo similar, se os maléficos tiverem negócios quando estiverem adequadamente situados e no séquito, mesmo eles serão dispensadores de coisas boas, e serão indicadores de altas posições e progressos; mas se eles estiverem prejudicialmente posicionados, produzirão demissões e acusações.”

Se você procurar uma tradução no léxico para o termo ἐπιτόπως, perceberá que o autor dá um significado inespecífico para o mesmo, chamando-o de “bem localizado” ou “adequado”.

Longe de ser um relaxamento do autor do léxico: o grande problema é que esse termo só existe em Valens! Não há uma única instância noutra obra em que se teria um contexto no qual se sugerisse uma outra significação. Pela análise dos contextos, Valens coloca esse termo como antônimo para ατόπως (atópos), esse sim um termo com vários exemplos na literatura e, por conseguinte, com várias traduções no léxico.

Na primeira instância em que foi empregado, ἐπιτόπως parece redundante. Ele surge logo antes de καλῶς κείμενοι (kalos keimenoi - bem posicionado). Então soaria como uma ênfase na boa posição do planeta. Mas a segunda instância em que ἐπιτόπως surge demonstra claramente que ele representa algo diferente de καλῶς κείμενοι:

“(...)de modo similar, se os maléficos tiverem negócios enquanto estiverem adequadamente situados e no séquito(...)”

Astrologicamente, “ter negócios” (χρηματίζοντες - Chrematízontes) é um sinônimo de ser “bem posicionado”. ἐπιτόπως aparece logo depois.

Embora a primeira aparição do termo ἐπιτόπως sugira uma redundância, na segunda vez o contexto é diferente. Enfatiza-se a ocorrência concomitante de duas condições: ter negócios e estar adequadamente situado (ἐπιτόπως). A repetição do termo parece proposital, sugerindo uma significação diferente de chrematizontes/kalos keimenos. Sem contar que uma redundância no mesmo parágrafo não pode ocorrer duas vezes, ainda mais em linguagem escrita. Pelo princípio da Navalha de Occram, a hipótese mais simples é a mais aceitável.

Portanto, ἐπιτόπως significaria uma coisa diferente de estar em signo/casa lucrativa, embora, pelo contexto acima, ocorresse concomitantemente a ela.

Do pouco que já sabemos, podemos especular. Como χρηματίζοντες e ἐπιτόπως expressam duas condições astrológicas diferentes, então seria possível dentro de um mapa astrológico cenários onde as duas, apenas uma, ou nenhuma delas se mostrariam concomitantemente.

Durante muito tempo, Robert Schmidt considerava ἐπιτόπως como “estar nos seus próprios signos”, a saber, domiciliado ou exaltado. Porém o termo empregado por Valens e outros autores para essa condição costuma ser diferente. Infelizmente, Robert não cita qual seria o termo, e meu aprendizado de grego ainda me é muito rudimentar.

As investigações conduzidas por Robert Schmidt até agora sugerem que o termo grego significaria um espaço dentro do signo, a ser contado a partir da cúspide da casa até seu final. Baseado em Firmicus Maternus, a mecânica de casas empregada para se conhecer tal intervalo seria a de “Casas iguais” (Equal houses), na qual as cúspides de todas as casas recairiam no mesmo grau da cúspide do Ascendente.

Portanto, estar ἐπιτόπως indicaria que o planeta exerceria sua natureza, ao invés de afetar a casa em que ocupa. Essa distinção parece nebulosa até percebermos na literatura várias instâncias de interpretação nas quais a posição do planeta pouco ou nada significa em relação à casa ocupada, mas sim aos significados planetários essenciais.

A condição contrária a estar ἐπιτόπως indicaria que o planeta afetaria os significados da casa ocupada, ao invés de exercer seus significados, conforme o trecho supracitado de Valens.

Para apresentar tais conclusões, seria necessário apresentar mais trechos da literatura que as corroborem. Apenas quis apresentar um pout pourri da complicação que é ser um tradutor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …