Pular para o conteúdo principal

calcule as horas planetárias na sua cidade

As horas planetárias são um assunto muito interessante. Pena não dispor de uma vasta bibliografia como a astrologia natal.
Ela serve para se começar eventos e para perceber porque eventos rotineiros acontecem de forma mais fácil ou mais difícil que o usual.
Muitas pessoas querem ver acontecer na hora do planeta eventos que tenham o mesmo significado dele, como um médico atender um idoso na hora de Saturno. Entretanto, tais coincidências são mais raras.
O que é mais fácil de acontecer é o planeta facilitar ou dificultar, a depender do seu significado benéfico ou maléfico, as atividades que ocorram na sua hora.
Assim sendo, na hora de Saturno, um médico poderia atender também pessoas jovens, mas o atendimento seria difícil, seja por revelar alguma precariedade do local de trabalho, seja porque o paciente não colabora com detalhes na anamnese.
Há duas correntes sobre o uso das horas planetárias. A primeira é a mais difundida, que consiste em contar as horas a partir do nascimento e pôr do sol local.
A outra corrente, muito pequena, são as das pessoas que contam as horas planetárias a partir do nascer do sol de Yamakoti, um lugar que teria existido no meio do Oceano Pacífico. Nesse caso, as horas são mundiais: a partir do nascer do sol de Yamakoti, se contaria a primeira hora do dia.
A escolha de Yamakoti é baseada no Surya Siddhanta, um livro indiano clássico de cálculo astronômico. Segundo esse texto, o começo do mundo teria sido enquanto o sol nascia em Yamakoti.
Quem quer aplicar as horas planetárias na prática, há um excelente programa chamado Chronos, que as calcula e a coloca na barra inferior do Windows.
E se você quiser usar Yamakoti como referência ao invés do seu horizonte local, basta acrescentar 00N00 latitude e 165E46 longitude no programa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …