Pular para o conteúdo principal

Astrologia e Cisnes negros

De acordo com Nassim Taleb em seu livro, A Lógica do Cisne Negro, um cisne negro é um evento:

  • Impactante,
  • Altamente improvável,
  • De previsibilidade reversa

O cisne negro é aquele evento que, depois de ocorrido, vem um sabichão e explica o que o causou e como poderíamos tê-lo evitado. Essa é a tal previsibilidade reversa. Eu até entendo porque algumas pessoas não gostam de analisar eventos depois deles terem ocorrido, e Nassim é o expoente desse modo de pensar.

Depois que eclode uma guerra, ou que um atentado terrorista mata dez mil pessoas (you know what I mean), aparecem os Capitães Retrospectiva, super heróis que salvariam todas as vítimas pois descobriram o que deveria ter sido feito de modo a evitar tais eventos trágicos, "só que não": depois deles ocorrerem.

Convenhamos que, se soubessem da probabilidade de um onze de setembro daqueles, alguém deixaria que o mesmo ocorresse? O World Trade Center era o coração financeiro de Nova York, um dos prédios onde a elite financeira trabalhava. O sistema bancário é a indústria mais poderosa dos EUA, responsáveis por outro cisne negro, a crise de 2008. E, quando falamos de elites, sabemos que nenhum governo as desampararia. Tanto que Osama fez o que fez devido à leniência do governo americano com o Al Qaeda, pelos EUA abrigar milhões de dólares da família Bin Laden no território norte-americano em investimentos.

Por essas e outras que o Cisne negro acontece: ninguém está preparado para o mesmo.

Na astrologia, previsibilidade reversa acontece toda hora. Morre alguém famoso, se invade um país, cai um avião no mar e dá-lhe os astrólogos-retrospectiva a dizer que o evento ocorreu porque Urano estava em sesquiquadratura paran com Quíron e a linha do aspecto na astrocartografia passava em cima do oceano atlântico, onde o avião caiu.

Culpar os astrólogos natais por não prever cisnes negros mundiais é como culpar o dentista da sua avó por não ter diagnosticado seu câncer de bexiga. Os dentistas cuidam da saúde bucal, e os astrólogos natais costumam fazer previsões apenas para seus clientes (e para si mesmos). Eu culparia um astrólogo mundial por não ver os cisnes negros mundiais, mas estamos mal de astrologia mundial… Há muito que ser estudado, e pouco que seja divulgado e muitos poucos interessados em estudar o tema.

Mas e o cisne negro nadando no laguinho à frente da casa do consulente? Será que o astrólogo não o conseguiria prever?

Lembro que, se um evento consegue ser previsto por algumas pessoas, ele ainda não deixa de ser um cisne negro. Ele “dá uma rasteira” numa considerável parcela da humanidade, mas alguns profetas o denunciam só pra depois falarem “nós avisamos!". Tanto que o filme A grande aposta (the big short) fala da história verídica de uma meia dúzia de analistas econômicos que previram a crise de 2008 (e não puderam fazer nada para evitá-la, apenas lucraram imensamente com ela).

Se um astrólogo não consegue prever um evento, temos duas alternativas:

  • O astrólogo não é bom ou é um impostor
  • Ele não é ruim, mas usa de técnicas que não conseguiram prever o evento.
  • O evento é mesmo um cisne negro e nem o astrólogo mais preparado do mundo o teria previsto.

A primeira opção é comum. Tem muita gente ruim e/ou embusteira e, com a internet, qualquer neófito pode passar ares de praticante emérito.

A segunda opção precisa ser levada em conta, mas é comumente negligenciada. Algumas técnicas preditivas são melhores para finalidades específicas, mas isso não é discutido na astrologia ocidental, enquanto é lugar comum na astrologia indiana. Tanto que os indianos usam yogini dasha para detectar problemas médicos, enquanto o vimshottari dasha é usado para previsões em geral (sobre qualquer área da vida, não apenas saúde física).

Quanto à terceira opção, ela encerra em si um enigma. Se você for um astrólogo honesto e aplicado, e um dia não conseguir prever um evento: vai pensar que é um cisne negro do consulente ou que foi um erro de interpretação ou de técnica, evitável por outro astrólogo mais experiente e mais atento? Vai culpar as técnicas usadas naquele mapa?

Não tenho uma resposta clara para essa questão. Na minha experiência pessoal, esse é o momento em que o astrólogo introduz novas técnicas no seu arsenal: quando ele percebe que o candidato a cisne negro não passava de um patinho feio porque poderia ser previsto por outra técnica, diferente das suas.

Por outro lado, é bem difícil um astrólogo reconhecer que se deparou com um cisne negro. Somos orgulhosos do nosso saber, e achamos que o mapa é capaz de mostrar tudo acerca do indivíduo, mas há duas outras razões além dessa:

  • o viés psicológico: aquela sugestionabilidade psicológica presente em qualquer psique, contra a qual o astrólogo também não é sempre imune: vai fazer com que ele veja o evento em qualquer sinal celeste insignificante (o que é corroborado pela crença exposta acima, de que o mapa mostra tudo que pode acontecer ao indivíduo)
  • a infinidade de técnicas astrológicas, que torna muito fácil encontrar uma explicação para os eventos depois deles ocorrerem.

Além do mais, como o cisne negro é um evento que pode ser previsto por alguns, mas ignorado pela maioria, e é impossível saber se ele seria previsto pela maioria dos astrólogos, pois geralmente apenas um analisa o mapa do consulente.

Imagine a improbabilidade dessa cena: um congresso de astrólogos para estudar apenas o mapa de uma pessoa. Imagine que apenas um dos astrólogos prevê que a pessoa vai se casar, enquanto 99% dos outros diz o contrário. No ano seguinte, a pessoa se casa. Eis o nosso cisne negro na astrologia natal! Alguns grupos de astrologia na internet esboçaram essa situação, mas com um número reduzido de participantes.

Por outro lado, é muito mais comum vários astrólogos estudarem um ou mais países importantes na geopolítica mundial (como os EUA), mas ainda poucos publicam suas análises.

Conclusão: por não ser comum uma multidão de astrólogos analisarem um único mapa natal, a percepção da ocorrência de cisnes negros ainda se restringe à astrologia mundial e, ainda assim, é muito incipiente, pelo baixo número de astrólogos interessados.

Como ainda estamos "mal das pernas” em astrologia mundana, seria preciso anos e anos de evolução desse saber para termos um número considerável de astrólogos versado nessas técnicas, e com uma produção astrológica suficiente e publicamente documentada, para sabermos que eles não foram capazes de prever grandes eventos.

Por enquanto, os eventos acontecem sem a previsão (certa ou errada) de astrólogos porque simplesmente não há interessados suficientes em astrologia mundial!

Ou seja, talvez você nunca tenha visto um cisne negro, mas provavelmente muito cisne negro já te viu.

No próximo artigo: você sabia que um dos primeiros sabichões metidos a prever o passado foi um astrólogo?

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…