30 de abr de 2016

Vimshottari Dasa - uma análise “vapt vupt”

Quem estuda jyotisha sabe dos diversos níveis de profundidade que podem ser acessados numa carta. Você pode dar uma "olhadinha” (aquelas que os astrólogos odeiam) e já ver alguma coisa importante, ou fazer uma análise muito mais profunda, descobrindo detalhes que se somam às tendências da olhadinha mais rápida - o que requer tempo em cima do mapa, pra se descobrir os yogas e quando eles podem ocorrer, analisar todos os mapas divisionais, etc.

Ao contrário do que muitos astrólogos defendem, a olhadinha aqui pode dar certo sim. Se o astrólogo não a quiser fazer, é por questões éticas, financeiras ou porque está com preguiça mesmo (e ele tem todo o direito de ter preguiça com gente que não quer pagar pelo seu mapa).

Diante de todas as coisas a serem analisadas num Dasa, o estudante pode ficar inerte diante do mapa, sem saber por onde começar. Se você é como eu, tem preguiça, falta de tempo ou ambos, uma boa maneira de começar a olhar seus Dashas é pelo que chamo de "análise vapt vupt” ou, como Ernst Wilhelm chama, "Snapshot technique"

'Snapshot’ é uma foto tirada por uma câmera portátil. A gíria não faz muito sentido hoje, mas imagine a época de transição das câmeras profissionais enormes e de fotos demoradas para aquelas mais portáteis, que tiram fotos instantaneamente. Ou seja, uma técnica 'snapshot’ é uma técnica rápida, que te permite ter uma noção geral instantânea.

A análise vapt vupt não substitui aquela mais detalhada, de se ver mapas divisionais e trocentos outros detalhes. Ela não é sensível, ou seja, não consegue abarcar tudo que vai acontecer no Dasha do planeta. Mas ela é específica, portanto vai mostrar um fato ou uma tendência que vai ser a marca registrada daquele período. Por isso, ela é legal quando você quer fazer uma previsão pra alguém e não tem por onde começar.

O decanato do regente do dasha

Se o regente do dasha estiver nos primeiros dez graus do signo, os eventos mais importantes do dasha acontecem no primeiro terço do dasha; entre 10º e 19º, no segundo terço; entre 20º e 29º, no último terço do dasha. Se o dasha analisado for de Rahu ou Ketu, basta inverter a ordem. (Lembre-se de que eles andam pra trás).

O meu dasha da Lua começou em 2008, a Lua está em 2º de Touro no mapa natal. O evento mais significativo, portanto, ocorre no começo do dasha. Apenas um ano depois, eu já estava me casando.

Mas como a Lua prometia casamento? Leia a seguir e você entenderá.

A posição do regente do dasha no começo do mesmo.

image-34

No meu exemplo, a Lua prometia casamento como? Existe a resposta longa e a curta. Como estamos aprendendo a técnica vapt vupt, procuramos pela resposta curta, e ela existe.

A casa natal por onde o regente do Dasha passa no começo do mesmo dá o principal foco do dasha. O dasha da Lua começou no dia 10 de agosto de 2008, 12:35 PM (na foto, o mapa natal é o maior à esquerda. à direita, a posição dos planetas no começo do Dasha).

Note que, no mapa menorzinho, a Lua está no que é nono signo do meu mapa natal, que comumente representa casamento na jyotisha. Meu primeiro casamento ocorreu em abril de 2009, ainda no dasha/antardasha Lua/Lua! Quem estuda Vimshottari Dasha sabe que é pouco comum eventos acontecerem logo no primeiro antardasha do Maha Dasha (o período maior), mesmo que o planeta regente do dasha esteja no primeiro decanato do signo (eu esperaria que isso ocorresse em Lua/marte, um antardasha inicial que sucede Lua/Lua).

Análise do dispositor (++nos trânsitos++)

Outra coisa que você pode analisar nessa técnica vapt vupt é onde está o dispositor do regente do dasha no mapa de trânsitos do começo do dasha. Seu avastha (estado, condição) no signo onde ele estiver depõe a favor ou contra o evento indicado pelo regente do dasha.

Nesse, caso, a Lua no trânsito está em Sagitário, regido por Júpiter. No mapa do trânsito, Júpiter está debilitado em Capricórnio. Portanto, o casamento tem debilidades, que se mostrarão insuportáveis no antardasha do dispositor. O antardasha Lua/Júpiter começa no dia 11 de julho de 2011, e a separação ocorre no mês seguinte...

Otras cositas más

Não é porque uma técnica é vapt vupt que ela não tenha seus detalhes. A questão é o quão intrincados esses o são. Claro que não são detalhes muito difíceis de serem percebidos, e todos são meio óbvios para quem estuda astrologia há algum tempo.

Aspecto ou conjunção no mapa natal do trânsito

Fique esperto para ver se o regente do dasha não está conjunto ou recebe um aspecto forte de um maléfico no mapa do começo do dasha, pois isso pode marcar o período profundamente para pior. Conjunções são sempre piores que aspectos, e os aspectos são medidos numericamente, usando a regra de Parasara (use um programa de jyotisha para isso antes de enlouquecer).

Esses aspectos/conjunções podem ser vistos no mapa natal (ou seja, fazer uma espécie de sinastria entre o mapa natal e o planeta regente do dasha no mapa do trânsito) ou apenas no mapa do trânsito. A diferença é que os aspectos do mapa natal costumam afetar o dasha como um todo, e os aspectos do trânsito afetam o evento representado pela posição do regente do dasha quando este começa. Como estamos vendo uma técnica vapt vupt de eventos gerais, eu me preocuparia nesse momento em ver apenas planetas em conjunção ou aspecto no mapa do trânsito do começo do dasha, e deixaria a análise dos aspectos para algo mais aprofundado (e você não sabe o quanto isso pode se aprofundar mais…)

Condição (Avastha) do regente do dasha no começo do mesmo

Mais uma obviedade pra quem estuda astrologia: o signo onde está o regente do dasha no começo do mesmo é importante para ver se o evento que ele representa é lucrativo ou danoso ao nativo.

Se o planeta estiver exaltado, domiciliado, em signo amigo ou na sua mulatrikona, eventos bons acontecem, até mesmo se a casa indicar temas ruins. Por exemplo, um dasha que comece com o regente do mesmo na 12 natal e domiciliado indica que o foco de todo o dasha será dívidas mas, como ele está domiciliado, as mesmas serão lucrativas para o nativo (talking about financiamentos de imóveis que se valorizam duas ou três vezes seu valor de compra na hora do nativo vendê-los, por exemplo).

Se, por outro lado, o regente do dasha estiver em signo de planeta inimigo ou debilitado nos trânsitos, e/ou nas casas 6, 8 e 12, então falamos de um dasha que trará muitos prejuízos. Multiplique isso se o regente do dasha estiver em conjunção a Saturno e/ou a Rahu nos trânsitos: aí você pode sentar, chorar e rezar.

Conclusão

Talvez você esteja se perguntando: já que essa técnica depende pesadamente do momento celeste em que começa o dasha, que serventia há de se analisar o mapa natal?

Primeiramente, o mapa natal NUNCA é deixado de lado. Aqui, ele é usado para ver a posição dos planetas no trânsito.

E não se engane: essa é uma técnica rápida, que permite mostrar um evento que marque o dasha da pessoa. Técnicas mais pesadas existem, e todas elas envolvem uma análise obsessivamente detalhada do mapa natal e, devido a esse grau de detalhe tão minucioso, podem mostrar TUDO que foi dito por essa técnica e MUITO MAIS.

Ah, e se você achou tudo isso muita coisa pra uma análise introdutória, estude mais para entendê-la porque, se você quer realmente aprender astrologia séria, as outras análises são muito mais detalhadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato e Créditos

rtveronese@gmail.com Para dúvidas, reclamações, críticas e consultas.