Pular para o conteúdo principal

Dashas de Jaimini: como não usar

Eu fiquei um pouco receoso de escrever um tema desse para meus leitores, porque tende a ser muito específico e pode se tornar uma leitura pouco clara para a maioria. Decidi levá-la a cabo depois de pensar que essa pode ser a primeira vivência que alguns leitores podem ter com a astrologia de origem indiana , chamada de Jyotisha. Ver na prática como ela funciona, através do exemplo que será dado abaixo, pode elucidar instantaneamente vários conceitos, que demandariam várias postagens sucessivas.

Em se tratando de prever o futuro, a astrologia indiana nos presenteia com uma centena de opções. Estou falando sério: deve haver tantas técnicas preditivas na Jyotisha quanto há religiões na Índia. Apenas estudando um autor já podemos ter noção do número de técnicas. Jaimini, por exemplo, nos deu 12 dashas em sua obra.

Essa enormidade de técnicas preditivas pode ser um confortável travesseiro de justificativas para o astrólogo explicar tudo depois dos fatos. Por outro lado, se usado adequadamente, pode ser uma das melhores ferramentas preditivas na face da Terra.

Se você tem 12 dashas e os usar da maneira mais flexível possível, qualquer evento que aconteceu ao nativo pode ser explicado depois de ocorrido. O desafio é prever, e não "pós-ver"... Portanto, antes de começar, vamos agradar os leitores céticos e dizer como não se deve usar esses dashas. Você pode ainda não saber como calculá-los nem como interpretá-los mas, se já souber o que não se deve fazer, iniciará sua prática num sólido alicerce.

O que são Rasi Dashas?

Na maioria dos Dashas indianos, se dá intervalos de tempo para que os planetas administrem: a vida toda do nativo é dividida em períodos (Dashas) de Marte, Vênus, etc. No caso das técnicas de Jaimini, ao invés de planetas, se usa Signos - chamados na índia de Rasis. Portanto, toda vez que um dasha usar signos, ele é chamado de Rasi Dasha.

Por exemplo: de 2001 a 2008, usando o Dasha Chara Navamsa, minha vida foi representada por Leão. A partir de 2008 até hoje, Virgem assume. Mas não existe apenas o tal do Chara Navamsa. Existem mais 11 Rasi Dashas além dele.

Mesmo com todos esse dashas, muita coisa importante não acontece nas nossas vidas. Durante anos, voltamos do trabalho pra casa e vamos da casa ao trabalho, sem nada demais acontecer. Mas o trabalho apenas é uma dimensão da vida da pessoa, lembre-se disso. E esses dashas oferecem a possibilidade de perceber não somente mudanças significativas (quando dois ou mais deles dizem a mesma coisa), mas sutis flutuações nalguma área da vida (quando apenas um dos dashas indicar o evento).

Você pode trabalhar na mesma firma por vinte anos, e quem olhar de fora pensa que nada mudará neste período. Entretanto, cada ano pode ter mudanças na estrutura da empresa que o fazem agir e sentir coisas diferentes, ou intensificações das mesmas, mudanças de setor, de atividades, etc.

Os dashas são capazes de mostrar tanto as pequenas flutuações quanto as grandes mudanças, mas primeiramente precisamos aprender a separar o joio do trigo dentro deles, senão ficaremos completamente perdidos na hora de interpretar, com tantos símbolos e mapas que podem ser usados simultaneamente. Não sei se você sabe mas, além do mapa natal, a Jyotisha lança mão de mais 16 mapas derivados!

Ainda bem que há restrições - a regra de ouro

A regra de ouro para se interpretar Rasi Dashas é a seguinte:

Eventos relevantes dos Rasi Dashas são dados apenas pelo que estiver dentro do signo atual do dasha, e não pelos aspectos ou por onde se encontrar o regente do signo. 

Por exemplo: se o Chara Navamsa Dasha atualmente for Sagitário para o nativo, e se Sagitário for o signo da casa 10 no mapa natal, podemos deduzir que a carreira será um tema importante nesse momento. Os planetas que aspectam Sagitário apenas dirão como isso é fácil ou não. Qualquer coisa que influencie esse signo estando fora dele não é capaz de introduzir temas.

Ainda no exemplo de Sagitário: Se a casa 10 estiver dentro do signo, então a carreira será importante nesse período. Se Júpiter aspectar Sagitário, melhor ainda, porque ele é, ao mesmo tempo, Júpiter e o regente do signo e, segundo Jaimini, toda vez que o regente do signo, Mercúrio ou Júpiter aspectá-los, isso é sinal de que as coisas dentro do signo vão muito bem e são proeminentes na vida da pessoa no período estudado.

Agora, se Júpiter rege também a casa 1 no mapa natal e ao mesmo tempo aspectar Sagitário, eu não posso dizer que as coisas da casa 1 serão importantes, porque aspectos não introduzem novos temas.

Depois dessa introdução, fica claro que os 12 dashas não são ferramentas inúteis para astrólogos de blogue justificarem qualquer coisa depois de acontecer. Mesmo usando todos os 12, se aplicarmos esse critério rígido - o de usar apenas o que está dentro do signo - pode haver épocas da vida da pessoa em que nada de novo acontece.

Vejamos um exemplo

Como eu disse lá em cima, eu vivo no momento o chara Navamsha dasha de Virgem. Vamos analisar apenas esse dasha, e você vai ficar surpreso com a quantidade de informação relevante que apenas uma técnica pode dar - imagine as 12 juntas!

Usando uma janela com 12 dos 16 vargas possíveis, vamos ver apenas o que está acontecendo dentro do signo de Virgem. Se você não sabe qual dos quadradinhos abaixo é Virgem, a dica é: todos os quadradinhos do canto inferior direito de cada um dos 16 mapas.

Cada um dos quadrados maiores - delimitados pela linha laranja mais grossa - é um Varga. Dentro de cada Varga, há 12 quadradinhos menores, os Signos.

Não serão todos os mapas divisionais (Vargas) acima que mostrarão eventos importantes. Apenas aqueles que abrigarem em Virgem planetas que representam o nativo - Sol, Atmakaraka, Regente do Ascendente do Varga - devem ser importantes. Os outros você pode desprezar com segurança.

Para não tornar muito extensa a postagem, vamos analisar o dasha apenas os seis primeiros. O mapa 1 (que seria o mapa natal, chamado de Rasi) não está na lista, mas poderia.

No mapa 2 (Hora, o primeiro da lista da direita pra esquerda e de cima pra baixo), Virgem contém Mercúrio, que é o meu Atmakaraka. Portanto, no período de Virgem, as coisas significadas por Hora são importantes - responsabilidades de um modo geral. Como Mercúrio está dentro do signo e ao mesmo tempo está domiciliado e exaltado, e sem aspectos de maléficos, se trata de um momento muito bom para eu cuidar das minhas responsabilidades. Nenhum planeta aspecta Virgem nesse mapa.

No mapa 3 (Drekkana, o segundo da lista) não há nenhum planeta que me represente em Virgem. Com isso, não há nada de importante nesse período. Como a Drekkana representa irmãos e cooperação, não posso esperar muitas dessas coisas. De fato, meu irmão ficou no Rio de Janeiro e nos falamos menos do que gostaríamos.

No mapa 4 (Chaturthamsa), Mercúrio está novamente dentro de Virgem, com excelente condição zodiacal. Esse mapa é importante para questões financeiras e de prosperidade, que vão muito bem nesse período, obrigado. E nenhum planeta aspecta virgem pra estragar/ajudar a festa...

O mapa 7 (Saptamsa) Não contém nenhum planeta pessoal, e portanto podemos considerar que o período de Virgem não trará mudanças significativas para esse mapa, que representa filhos e relacionamentos sexuais. Nada de crianças até Virgem acabar (2015), a menos que um ou mais dos outros 11 dashas sinalizem o contrário (quanto mais, melhor).

O mapa 9 (Navamsa) vem logo em seguida, é o mapa que representa casamento e dharma, e vê-se que há a presença de Júpiter, o dispositor do Atmakaraka no mapa natal. Portanto, esse tema será importante nesse período - Virgem começou em 2008, eu me casei em 2009, me separei em 2011 e estou morando com minha noiva em 2013, de casamento planejado.

O mapa 10 (Dasamsa) representa carreira e os grandes feitos da pessoa. Nesse mapa, Virgem contém mais uma vez Júpiter, o dispositor do Atmakaraka natal (lembre-se, meu mercúrio natal está em Peixes, signo de Júpiter) e a cúspide da casa 4 (indicada pelo número azul dentro do quadrado), além de Rahu. Foi um período importante para carreira, que mereceria um estudo a parte pela sua complexidade.

Conclusão

Se você não entendeu alguma coisa desse post, escreva nos comentários sua dúvida. A Jyotisha pode ser muito complicada, mas praticamente todas as dúvidas mais elementares podem ser resolvidas apenas dando uma rápida busca no Google. Digo isto porque infelizmente não podemos explicar aqui todos os conceitos. Se você não entendeu quase nada do que escrevi, é melhor anotar suas perguntas, procurar na internet e depois voltar aqui para reler o post.

Mais uma vez, esse post não tem a intenção de ensinar a interpretar Rasi dashas. Ele serve apenas para mostrar como não se deve usá-los. Perceba que eu usei apenas aquilo que estava dentro do signo de Virgem em todos os mapas divisionais. Usar Rasi dashas assim aumentará sensivelmente sua eficiência em prever eventos.

Eu sou muito mais grato aos astrólogos que me ensinaram o que não se fazer numa técnica ao invés daqueles que não põem limites em nada do que ensinam. Precisamos ter restrições no modo como interpretamos para que possamos ter foco na hora de interpretar.

Comentários

  1. Como configurar o Jagannatha Hora pra calcular o Rasi Dasa? Tem jeito? Usando o seu mapa para teste, comparando com o que vc disse,
    eu selecionei o Chara Dasa (Parasara), escolhi a Navamsa, depois, escolhi a Lua pra ser o "seed". Deu que vc está no Dasa de Virgem desde 2009 e vai até 2017.
    Estou usando o zodíaco tropical, e ano solar sideral verdadeiro ("true sidereal solar years").

    (Márcio)

    ResponderExcluir
  2. o jaganatha hora usa regras diferentes das que eu uso, e acho que não dá pra reproduzir esse dasha no programa. no próximo post vou colocar aqui como se calculam o cara navamsa dasa

    ResponderExcluir
  3. Preocupação válida, como no ensino de inglês, separar leitor por nível e interesses, os mais adiantas, se enfardonam e abadona a aula, os neófitos se traumatizam, como resolver isso em blogues? Gregos e Troianos?

    ResponderExcluir
  4. "no próximo post vou colocar aqui como se calculam o cara navamsa dasa

    terça-feira, setembro 30, 2014 4:07:00 PM"

    tb aguardando...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…