Pular para o conteúdo principal

uma horária de objetos perdidos.

O título denuncia. Eu perdi, ao mesmo tempo, um fone de ouvido e um ipod. Mas na hora em que abri a horária, estava muito preocupado com o fone e fiz o título da mesma apenas o citando, mas não importa: horárias não são validadas pela pergunta escrita, mas sim pela que você mentaliza.

Julgando a horária pelas regras usuais, temos o seguinte: marte está angular, rege o ascendente e receberá uma quadratura do sol e um trígono de Vênus, que o recebe em libra.

Não sei ao certo, só de analisar a figura, qual dos dois aspectos - marte-sol ou marte-vênus - será perfeito primeiramente. Mas a coisa que mais me chamou atenção foi o sextil Lua-Sol.

Por quê? Bem, a Lua é rápida e será o primeiro aspecto levado à perfeição. Não preciso nem consultar as efemérides para saber isso. A Lua significa também o consulente, embora, pelas regras usuais, eu deva preferir marte, que rege o Ascendente e está angular.

Ao mesmo tempo do sextil lua-sol, há uma quadratura lua-vênus. Ambos são levados à perfeição simultaneamente. A quadratura é meio complicada: a Lua está na queda de Vênus. Quando isso acontece, o planeta em cuja queda está o aplicante tende a destruir a questão.

Todas essas coisas ocorrendo ao mesmo tempo, e a coisa que mais me chamou atenção foi o sextil. Nele, a lua em Virgem recebe o sol em Câncer, uma bela recepção. Baseando-me apenas nisso, concluí que teria o fone de volta no dia seguinte. E foi o que ocorreu. Recebi o fone de volta aproximadamente às nove e meia da manhã, pedindo à enfermeira se poderia abrir o armário dos "achados e perdidos".

Trata-se de uma horária potencialmente difícil de ser julgada. Posso dizer que tive sorte em apostar que teria o fone de volta, porque não considerei uma série de testemunhos que complicam a questão. Mas o sol angular está tão explícito que sua Gestalt praticamente rouba a atenção do observador.

Nessa figura, o Sol não tem um testemunho muito claro para objetos. Ele rege a casa cinco, que tem apenas a ver com prazer e diversões.

Como não tenho muito costume de levantar horárias para objetos, fiz uma pequena reflexão, que desejo compartilhar com os leitores. Será que devemos considerar como co-significadores dos objetos as casas que teriam a ver com suas utilidades? Se a pessoa tem um objeto que lhe proporciona entretenimento (como fones de ouvido ou ipods), será que deveria analisar o regente da casa 5 e ver se ele faz aspecto com o significador do querente? É apenas uma indagação minha.

Mas até mesmo o sinal que me deu certeza (o sextil sol-lua) pode ser questionado. A Lua é almuten da casa 2, que significa objetos. O Sol é almuten do ascendente, que me significa. Por esse viés, o sextil indicaria que eu consigo o objeto - entretanto, usar almutens para horárias não é um expediente muito comum. Praticamente 99% dos exemplos de horárias que ficaram para a posteridade não usam exaltações como co-regentes das casas.

 

Da localização dos objetos perdidos

Nessa parte, podemos usar o mapa como uma bússola, e definir a localização dos objetos no espaço.

O fone e o ipod estavam num armário, numa sala que tem uma pia, mas não estava perto de nenhuma fonte de água. O hospital onde trabalho fica a nordeste do local da pergunta. Entretanto, quando julguei a figura, considerei que o sol em câncer fosse o significador do objeto perdido e julguei que os desaparecidos estariam a norte ou próximo ao norte. Como tudo na astrologia, seria uma estimativa grosseira e não deveria ser levado ao pé da letra. Foi assim que deduzi dos objetos estarem no hospital, ainda que este se localize a nordeste. Mesmo usando um significador altamente questionável - o sol - eu acertei a questão.

Há uns cinco anos eu fiz um estudo sobre a localização da minha carteira de identidade, onde a direção por casa se mostrou mais eficaz que a direção por signo. Aqui, fica um pouco difícil discernir qual seria o papel de cada um, porque os signos estão alinhados com as casas de mesma direção. Para um ascendente Áries, Câncer está na casa 4, mas ambas representam a direção norte.

Se fôssemos precisos, qual seria o melhor indicador da direção do objeto? Vênus está na casa 3, muito próximo ao norte, mas tendendo ao leste. E - lo and behold - Vênus rege a casa 2, que significa objetos...

Conclusões

  1. O regente da casa 2 está indicando melhor a localização do objeto perdido, como consta na literatura clássica. Nada a transgredir dos nossos antecessores...
  2. O Sol nesse mapa fornece um testemunho adicional, embora não tenha nada a ver com a pergunta. Simplesmente porque ele é o próximo aspecto da lua, e indica os eventos futuros. Então o sol angular e recebido pela lua é um bom prognóstico, embora muito inespecífico, de que as coisas vão acabar bem.
  3. Acredito que a resposta seja positiva devido a Vênus se aplicar a marte em trígono e em perfeita recepção. Ainda que o aspecto tenha orbe de 9 graus de distância entre ambos, isso apenas indica que nove unidades de tempo após a pergunta ter sido feita, eu teria o objeto perdido em mãos.
  4. Acertar a horária (e inclusive a localização) com um significador errado... Isto lhe soa familiar? Pra mim, explica o porque de termos dezenas de astrologias por aí sendo aplicadas com um sucesso relativo.
  5.  É por essas e outras que temos muita pouca vida para aprender tantos segredos, o que pode ser representado pelo dito em latim ars longa, vita brevis.... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …