Pular para o conteúdo principal

Porque não falei dos protestos aqui?

A resposta é simples: porque não estudo astrologia mundial.

A analogia a seguir se aplica a mim também, mesmo não me achando sábio o bastante: um grande sábio só é chamado assim porque desbravou e dominou alguma área do conhecimento, mas ele pode ser completamente inepto nas outras.

Um grande detentor de conhecimento tem como seus limites o próprio conhecimento que detém e as elucubrações que pode com ele fazer. Um geólogo não pode falar quase nada de astronomia, exceto aquilo que lhe diz respeito, como a composição mineral de um planeta. E, mesmo assim, ele vai ter de sair um pouquinho da sua zona de conforto e ler materiais que fazem interseções com outras áreas.

Tudo isso para falar o seguinte: se eu nunca me dediquei a astrologia mundial (que pode ser visto no parco número de artigos desse blogue sobre o tema), como poderia eu, em cima da hora, prever alguma coisa nesse sentido? Seria um tanto arrogante. Felizmente, sou muito apagadinho pra receber qualquer tipo de crítica desse tipo. Sim, me incomoda não estar no meio dos astrólogos que estão no momento a bradar gritos de "eu avisei" e suas sinonímias.

Astrologia mundial é um interesse de astrólogos mais maduros, que saem do seu umbigo e começam a olhar ao redor. Talvez daqui a dez anos eu me interesse mais por isso.

Por hora, minhas congratulações aos colegas mais maduros, com consciência social, independente da visão política, que deixaram de olhar para o indivíduo e há muito tempo desbravam o coletivo... Carlos Holanda, por exemplo, na Astrologia contemporânea. Yuzuru, na astrologia mais clássica.

Sem ironias, mas me irrita muito os imbróglios teóricos que temos de resolver para aplicarmos astrologia mundial medieval... Devemos usar posições médias (que não existem) de Júpiter e Saturno ou as reais? Porque haveria de ser diferente de astrologia natal? São coisas que já expliquei aqui e que o leitor pode pesquisar, ou me perguntar no Formspring. Sem contar que se trata da área onde é mais latente a sensação de se esconder conhecimento... Steven Birchfield é um dos que mais sabem a respeito, não fala uma vírgula e sequer vende esse conhecimento na forma de cursos.

Abu Ma'Shar disse, citado por Sadam, seu discípulo (não o Housseim...) que um homem que compartilha seu conhecimento a outros é como um jarro que, outrora cheio, se esvazia, tornando-se inútil. Muita gente pensa assim. Sou exortado frequentemente a pensar assim. Mas ainda acho melhor divulgar o que sei, porque não são segredos: estão em livros de distribuição fácil pela net. Talvez quando eu descobrir um verdadeiro segredo, eu pense de uma forma diferente. Ou não.


Comentários

  1. Eu adoro astrologia mundana, mais que a pessoal. Mas concordo que as técnicas clássicas para a mundana parecem vagas demais, parece que há lacunas demais.

    Mesmo com seus poréns eu acho o mapa de nascimento de uma nação bastante útil (o yuzuru acha uma balela). E como não usar Urano, netuno e plutão para estudar cada geração e seus dilemas.

    ResponderExcluir
  2. O problema dos planetas transaturninos, para mim, reside apenas no seu uso dentro de um contexto tradicional. Não faz sentido usá-los do modo tradicional, com regências e outras coisas cujo raciocínio de construção nos é desconhecido hoje. Mas eu não desaprovo o uso deles por quem não pratica astrologia medieval, ciente de que produzem resultados. Eu apenas confio que a astrologia medieval é completa e não necessita de acréscimos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

Como interpretar uma revolução solar - segunda edição

Eu tenho meus problemas em editar artigos antigos porque eles refletem meu pensamento num dado tempo e espaço, e considero um sacrilégio apagar essa memória. Como eu tenho novas ideias sobre como interpretar revoluções solares, achei conveniente criar um novo artigo com o mesmo nome, se diferenciando apenas com o subtítulo “última edição" Revolução solar são trânsitos sofisticados sobre o mapa natal Simples assim. Eu me cansei de interpretar revoluções solares isoladamente e dar com os burros n’água. Interpretar revoluções solares baseando-se nas posições de casa e de planetas natais é a solução para deixar tudo claro como cristal. Vamos começar com a minha revolução de 2016: O ano de 2016 teve dois principais acontecimentos: eu viajei para a Itália pela primeira vez e meu filho nasceu. Se usarmos somente a revolução solar, fica fácil ver que o filho nasce, pela presença do regente do ascendente da RS, lua, no quinto signo, escorpião, em sextil a júpiter e em trígono com vênus. …