Pular para o conteúdo principal

Dignidades (parte 4) Planetas em exaltação

Chegamos ao que seria o último episódio da série de dignidades.

Nosso trajeto foi: primeiro, avaliamos a essência dos planetas, sua pureza, com os conceitos de detrimento e domicílio. Em seguida, falamos do fundo do poço, que é a debilidade da queda. Hoje, vamos falar da exaltação.

Sair da queda para a exaltação é como se saíssemos do vale para chegarmos ao pináculo, ao cume de uma montanha. Poucos conseguem, mas a exaltação é exatamente o contrário da queda: num contexto social, indica uma pessoa que possua qualidades muito elevadas do planeta e da casa que ele rege.

O planeta sempre representará alguma faceta da existência humana. Pegue essa faceta e pense na melhor e mais elevada expressão dele, e você terá a exaltação.

Agora, mais uma vez vamos ter de desmistificar a exaltação, da mesma forma que foi feita com o domicílio, e acrescentar um dado triste: embora seja muito fácil para mim ver os atributos negativos do meu planeta em queda (mercúrio), é muito mais difícil ver os atributos positivos dos meus planetas em exaltação. E olha que eu tenho três deles!

Será que não ver o lado bom da minha vida seja baixa estima? Talvez. Entretanto, cada vez mais noto que os planetas, se estiverem bem, a pessoa os sente menos. É como a engrenagem de um motor: só se nota que ela existe quando gera um problema, que faz o motor inteiro capengar.

Em dois dos planetas exaltados que eu tenho, pode haver algum problema que os impede de se manifestarem da melhor forma possível. Isso é uma longa história. Dizem que dois planetas inimigos, ambos em exaltação e em oposição, se anulam. Se for esse o caso, então meu Sol e meu Saturno não tem nada de bom. Os dois são inimigos, estão exaltados e em oposição por signo. Se a idéia anterior for correta, não sentiria na minha vida as melhores qualidades de ambos, nem do Sol, nem de Saturno. Faz algum sentido. Mas será que isso cancelaria o significado de estarem exaltados? Para responder essa questão, é preciso analisar um pouco minha vida.

Eu tenho Saturno na Casa 7 exaltado, indicando mulheres e parcerias de posição social superior. Quando se diz isso, parece que minha atual mulher e minhas ex são filhas da nata da sociedade e moram nos locais mais ricos do Brasil, mas não é bem assim. Quando se diz "posição social superior", falta interrogar: superior a quem? Esse tipo de definição só há de funcionar quando o referencial for a própria vida do nativo: A posição elevada delas não é a maior da sociedade, mas consegue ser maior que a minha*.  Tais  mulheres são de famílias ricas, ou com mais propriedades que a minha, mas não são extremamente ricas. Então a exaltação pode indicar alguma elevação, mas do ponto de vista do nativo.

Outro grande deslize que pode ser dado é supor que ter um planeta em exaltação imediatamente ajudará o nativo. Para saber se essa posição ajuda ou não o dono do mapa, não basta apenas estar exaltado: é preciso ver a conexão desse planeta exaltado ao resto do mapa. A depender dos aspectos e regências, esse planeta exaltado pode atrapalhar ao invés de ajudar. Se o planeta faz trígono ou sextil ao regente do ascendente, ou se ele tiver uma forte relação com o lote da fortuna (regência ou aspecto ao lote ou ao seu regente), talvez ajude sim. Caso contrário, o planeta em exaltação só ajuda a ele mesmo!

Outra coisa importante a ser notada na exaltação é que a causa da elevação social do planeta se dá devido às suas qualidades. Saturno exaltado indica uma mulher de uma família com uma capacidade muito grande de abnegação e que, devido a isso, conseguiu seus patrimônios - ou seu prestígio. Se fosse mercúrio, o status seria pela especulação e manipulação de dinheiro, por Júpiter, pela espiritualidade, golpes de sorte, academicismo, etc. "Faça o dever de casa" dos planetas e interpretar será fácil.


_________
*coloquei esse asterisco no texto para desenvolver uma divagação que pode ser fruto de um artigo no futuro, ou não. Como medir a intensidade da elevação social dos planetas exaltados? Será que devemos usar outras ferramentas dentro da Astrologia Medieval para isso? Estou farejando pistas e me parece que a Doriphoria (que eu traduzo como "escolta"), a orientalidade dos planetas e as estrelas fixas sejam a chave. Assim, por exemplo, se o meu Saturno tivesse uma escolta de planetas ao seu redor, estivesse oriental, em movimento direto e conjunto a uma estrela fixa de natureza benéfica, talvez ele indicasse uma mulher vinda de família muito mais rica.

Comentários

  1. Pois sim Dr. Rodolfo, vendo que em termos de faces a "irregularidade" dos planetas exaltados estão em órbes maiores aos graus elípticos.
    Então minha pergunta é... Existe realmente o fato de um saturno na 7domiciliado em Capricórnio "rejuvenescer" em um estado anterior ao do planeta exaltado em si? Está preocupação em constância seria relevante em termos atuais?
    Obrigago.

    ResponderExcluir
  2. O que são "graus elípticos"?

    ResponderExcluir
  3. Oh Márcio, perdão. Quis dizer... ECLÍPTICOS.
    Grato.

    ResponderExcluir
  4. @Anônimo

    Não entendi muito bem sua questão. Vou tentar responder com aquilo que sei de planetas exaltados/domiciliados.

    Um planeta exaltado ou domiciliado não rejuvenesce por estar assim. O rejuvenescimento é associado ao planeta estar ocidental/oriental, principalmente em horária. Em outras palavras: apesar de livros de astrologia horária dizerem que planetas ocidentais indicam pessoas envelhecidas e orientais jovens, eu não sei se posso generalizar isso para astrologia natal.

    Fale-me mais sobre o que você quis dizer com o termo "irregularidade" porque eu não entendi.

    Quanto a graus eclípticos, sim, os planetas possuem um grau máximo de exaltação. Isso indica o ponto máximo onde ele estaria exaltado, e é muito usado na Astrologia Jyotisha para cálculos de força (Shad Bala) e de bondade ou maldade que um karaka pode produzir (Ishta/Kashta) em seu dasha.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…