Pular para o conteúdo principal

O retorno do podcast

http://astrosphera.podomatic.com/

Clique no link acima para ter acesso ao meu novo podcast.

Ainda há apenas dois pequenos episódios, um introdutório e outro sobre o excelente blogue do Anthony de astrologia clássica. A tendência, porém, é fazer muito mais, porque gosto de falar.

Se você me acompanha há mais de dois anos, deve se lembrar de que esse blogue já teve um podcast. Ele acabou quando o G-cast - o servidor gratuito de hospedagem - fechou, sem dizer muita coisa a respeito.

O lado ruim de se ter diversas mídias para trabalhar é que, no meu caso, sempre volto à mídia predileta e negligencio as outras. Com o tempo, eu deixei de lado o podcast porque já tinha espaço aqui para falar. Mas o podcast pode ser muito útil para duas coisas: a primeira, focar num outro tipo de conteúdo no qual o blogue não costuma entrar. A segunda, muita gente prefere ouvir a ler.

Na maioria dos programas, o podcast tenderá a se diferenciar do blogue. Pretendo dizer o que ando estudando e as minhas reflexões como estudante de astrologia. O podcast será um espaço mais livre que o blogue para meus erros e indecisões. Enquanto no blogue eu costumo colocar opiniões mais embasadas dos conceitos astrológicos, o podcast será uma espécie de diário da minha experiência enquanto leitor e estudante de astrologia, incluindo minhas dúvidas e respostas mais comuns a elas. Nada impede, contudo, que o conteúdo do podcast eventualmente se aproxime do conteúdo deste blogue.

Como você pode ouvir o podcast?

Para ouvir o podcast, há no momento duas maneiras:

  1. Ir até o link acima (que coloco aqui de novo), que é a página inicial do podcast, que mostra todos os podcasts já feitos. 
  2. Clicar na etiqueta do iTunes (na barra lateral do blogue, imediatamente à direita desse texto) para baixar o podcast direto no iTunes e levá-lo consigo em qualquer mp3player. Obviamente, você precisa ter o software da Apple para isso (mas ele é gratuito e roda em macOS ou Windows)

Futuramente, pretendo dar ao leitor a facilidade de ouvir o podcast na própria página do blogue, mas o player embutido anda com problemas que ainda não consegui resolver. Além disso, falta eu me inscrever na lista de podcasts do iTunes - assim você pode baixar o podcast diretamente no software.


Comentários

  1. Olá. Primeiramente parabéns pelo excelente trabalho. Estou lendo cada tópico do seu blog e é viciante.

    Tenho uma dúvida e gostaria de ouvir uma resposta sua: quando mercúrio está no grau 29 de um signo (por exemplo, grau 29 de virgem), posso considerar q a pessoa terá característica dos dois signos (virgem e libra, como no exemplo)? Vi q alguns astrólogos interpretam assim e gostaria de saber sua opinião. Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Sahl diz que um planeta que esteja no último grau do signo já tem a força que teria no signo seguinte, porque é como se ele estivesse num umbral e já colocasse um dos pés para fora de casa.

    serapio diz que planetas nos 3 últimos ou nos e primeiros graus dos signos influenciam o signo seguinte e o anterior.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …