Pular para o conteúdo principal

Nabhasa Yogas: Coincidências entre o Oriente e o Ocidente

Existem muitas coincidências entre a Astrologia Indiana e a Ocidental. Não são suficientes para concluirmos que a falta de amor entre os povos separa as duas
vertentes, o que seria resolvido instaurando um fascismo astrológico. Até porque se pode lucrar intelectualmente muito com a diversidade. Gostaria de compartilhar uma dessas coincidências, que se situam na introdução das duas astrologias.

Uma das primeiras coisas que o estudante aprende nos livros é contar o número de planetas nos elementos e nas modalidades (cardinal fixo e mutável). Isso é mais importante do que se pensa. O problema é que não aprendemos a sintetizar habilmente esse conhecimento.

O ideal seria que, no processo estruturado de síntese, conhecimentos inespecíficos do mapa servissem de alicerce para julgamentos mais complexos. Não é isso que acontece. Infelizmente, muitas vezes a mente caótica do astrólogo faz com que seu 'edifício astrológico da interpretação' falte uma coluna de sustentação ou duas, um verdadeiro "balança mas não cai" interpretativo. muitos julgamentos são tecidos com total insegurança, baseados em apenas uma ou duas configurações.


As modalidades dos Signos: Móvel, Fixa e Dual (ou, cardinal, Fixa e mutável)

Uma das primeiras coisas na interpretação - nas quais as subsequentes deveriam se pautar com segurança - é saber qual a modalidade mais forte na vida da pessoa. Para tanto, contamos quantas vezes os planetas 'portadores de luz' (os sete planetas tradicionais, da Lua a Saturno) aparecem em signos Cardinais (Áries, Câncer, Libra e Capricórnio), Fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) ou mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes). A modalidade que tiver mais planetas será a predominante na vida da pessoa.

Signos Cardinais (também chamados de "móveis") proeminentes: A pessoa tem uma vida muito instável. Os empreendimentos em geral tendem a ter seu tempo limitado pela vontade da pessoa de se mover e iniciar coisas novas. Se o mapa representar sucesso, não será devido à persistência da pessoa, mas sim à sua capacidade de abrir novas frentes - o pioneirismo. Por gostarem de movimento, essas pessoas podem fazer sucesso no exterior. Pessoas com proeminência nesses signos tendem a se mostrar obscuras e fracassadas em empreendimentos que exijam persistência e rotina.

Signos Fixos proeminentes - A pessoa tem a vida muito estável, sólida, fixa. Conseguem ser persistentes no que fazem, possuem energia para continuar uma atividade até o fim. Tem facilidade em repetir diariamente as mesmas atividades. Tem idéias pouco maleáveis e não se adaptam facilmente a novas circunstâncias. Quando faz uma mudança, geralmente ela é radical, definitiva e pode até chocar seus contatos imediatos. São considerados rudes porque não negociam seus ideais e princípios.

Os autores dizem que tendem ao sucesso, e isso é fácil de entender: na maioria dos casos, o sucesso depende unicamente de persistência, e isso os signos fixos têm de sobra. Mas fama é um fator extremamente individual e ter a maioria dos planetas em signos fixos nem sempre é suficiente.

A depender do que a pessoa faz, ter signos fixos proeminentes pode não indicar sucesso, mas somente fama. Para entender isso, basta imaginar a figura de um mendigo com signos fixos proeminentes no seu mapa: todos os dias ele fica no mesmo lugar, na mesma posição, e com isso ele se torna reconhecido por muitas pessoas que por ali passam. Não podemos dizer propriamente que há sucesso, mas sua fama é incontestável...

Signos mutáveis (também chamados de "duais") proeminentes - muitos consideram a melhor ênfase, porque reúne as naturezas extremadas das duas modalidades acima, e com isso há um estado de equilíbrio. Quando as circunstâncias requerem, essas pessoas mudam suas vidas, são adaptáveis, maleáveis; simultaneamente, podem realizar por anos a mesma atividade, se ela for favorável. Por serem flexíveis, são mais gentis no trato com o próximo. Podem ter uma ou duas idéias inflexíveis e mudar as outras conforme suas experiências.



Como saber qual é o seu excesso?

Para saber o seu excesso de modalidade, é necessário saber quais são os signos móveis, fixos e duais. Eles foram citados no início do artigo. Em seguida, veja qual modalidade tem o maior número de planetas. Simples assim.

A modalidade que abrigar o maior número de planetas é a vencedora. Os planetas que devem ser usados são os sete tradicionais (Sol, Lua, Marte, Vênus, Júpiter, Saturno, Mercúrio).

Como há três signos e sete planetas, uma distribuição comum é encontrar empate 3:3:1. Por exemplo, três planetas em signos móveis, três planetas em signos fixos e um em signo mutável. Nesse caso, como proceder?
Em caso de empate, há regras específicas para prevermos os resultados.
1 - Duais empatando com móveis = a pessoa é móvel.
2 - Duais empatando com fixos = a pessoa é fixa.
3 - Móvel empatando com Fixo = em tese, a pessoa seria dual, mas não é. Ela tende a ser dividida: certas facetas da sua vida ela tende a insistir na mesma postura, mesmo que não traga lucro para ela. Noutras, mudará muito, simplesmente pelo prazer da mudança.
Agora precisamos entender os resultados acima.

Talvez você ainda esteja analisando os dois primeiros resultados e esteja um pouco intrigado com a resposta. Toda vez que há empate entre signos duais e um dos outros dois, a pessoa tende a ter proeminência do outro, e não do dual. Para entender isso, é preciso entender o signo dual como possuidor de duas naturezas, dividindo-o por dois. Uma analogia pode ser útil.

Se signos móveis fossem laranjas e signos fixos limões, signos duais seriam laranjas e limões, e não uma terceira fruta, mistura de laranja com limão. Se uma pessoa tem três planetas em signos móveis, e três em signos duais, ela teria 3 laranjas + (3 laranjas + 3 Limões), e assim, ela teria 6 laranjas e 3 limões. Ficou mais simples?

Quando a pessoa tem empate entre signos fixos e signos móveis, ela deveria ser mutável, mas na prática, não. Nesse caso de empate fixo+móvel, eles diferirão dos signos duais na medida em que nalgumas áreas da vida eles terão compulsão por movimento, mesmo que a situação lhe seja conveniente. Em outras áreas, eles insistirão nos seus comportamentos e desejos, mesmo que eles lhe tragam prejuízo.



Entendendo o nome do artigo.

Na astrologia indiana, o procedimento de se contar planetas nas modalidades citadas se chama Ashraya Yogas. Ashraya significa "o local de repouso dos planetas" e isso remete aos signos e suas qualidades (no caso, a modalidade). A palavra "yoga" significa união, e indica aquilo que
prende a pessoa aos frutos dos seus karmas (ações).

Portanto, toda vez que o termo "yoga" é citado em jyotisha, implica algum resultado na vida da pessoa, que pode se manifestar em qualquer plano de existência - isso depende do escopo do yoga. Existem yogas que repercutem na vida psíquica da pessoa apenas, e outros de abrangência maior, assim como os mais específicos para questões materiais.

Os Ashraya Yogas se situam dentro de um grupo maior de 4 tipos de yogas. Esse grupo é citado por vários autores - dentre eles, Parasara e Varahamihira. O grupo se chama "Nabhasa Yogas", e o termo Nabhasa significa "celestial". Esse nome nos dá pistas para o modo de se usar essas combinações.

Os yogas celestiais teriam essa denominação porque só seriam observáveis no céu do nascimento da pessoa, e portanto nenhum planeta que não emita luz deve ser incluído nessas combinações. Portanto, os nodos lunares (Rahu e Ketu), Sahams (partes árabes, por mais importantes que sejam) bem como o Ascendente e cúspides de Casas angulares estão fora.

Outra conclusão da aplicação do nome "nabhasa" seria não usá-los em "mapa divisionais" (como por exemplo a Navamsa) porque esses mapas não existem enquanto entidades físicas: eles não são visíveis no céu, são abstrações do que realmente acontece. O mapa chamado de Rasi (para os ocidentais, simplesmente é o mapa natal) é o que acontece nos céus no exato momento em que a pessoa tem sua primeira respiração e somente nele se deve usar tais yogas.


A semelhança com a Astrologia Ocidental.

Dentro dos Nabhasa Yogas, os Ashraya Yogas são ensinados quase do mesmo modo da maneira ocidental de contar planetas nas modalidades. A diferença é que no ocidente se costuma incluir o Ascendente e retirar planetas muito lentos da contagem. Isso contraria alguns preceitos indianos: o Ascendente representa o corpo físico, passível e inerte, sujeito aos planetas: são estes que dão movimento à vida e representam comportamento. Uma pessoa só é definida quando tem uma atitude, mesmo se essa atitude for a decisão de se manter estático.

Se um estudante começar a estudar jyotisha pelos Nabhasa Yogas já conhecendo Astrologia Ocidental, vai achar que está chovendo no molhado, tamanha a similaridade; mas muitas vezes as similaridades são tão superficiais quanto uma poça d'água... É por isso que acho melhor o estudante começar por outras coisas e depois partir pros Nabhasa yogas, SE ele já estudou astrologia moderna ocidental antes.

Por outro lado, deixar de aprendê-los pode não ser a atitude mais sábia, porque muitos clientes procuram astrólogos mais interessados em leituras astrológicas de comportamento e, para isso, os Nabhasa Yogas são perfeitos. Eles são o alicerce da interpretação e todos os outros julgamentos complexos e específicos serão neles baseados.

Nesse artigo, nós só falamos dos Ashraya Yogas, mas existem mais de 30 Nabhasa yogas além desse que, usados em conjunto, promovem uma descrição sintetizada do comportamento da pessoa e de como isso influirá no seu destino, mas em termos gerais.




Um exemplo dramático.

O nativo possui Sol, Lua, Vênus e marte em Áries, Saturno e Júpiter em Libra, Mercúrio em Peixes. Com isso, há um total de SEIS planetas em signos móveis (Áries e Libra) e apenas UM em signo dual (Peixes). Há claramente um excesso de planetas em signos cardinais, no eixo Áries-Libra.

Momentos nos quais o céu fica com muitos planetas numa mesma modalidade, como no caso acima, não são comuns. A maioria das pessoas tem predominância de uma modalidade, mas geralmente será uma predominância pequena, quase um empate. Quando a ênfase for grande (mais de quatro planetas), a modalidade fica evidente para quem convive com ela. De característica, passa a ser um problema incômodo, e tende a se encaixar nas descrições exageradas dos livros clássicos de astrologia. Em alguns casos, tende a ser confundida com uma compulsão.

Esse homem iniciou seus estudos na faculdade de medicina, mas não conseguia terminá-los, pensando que a carreira literária lhe seria melhor. Largou a faculdade mais de uma vez, seja devido a relacionamentos intensos com mulheres ou por considerar a vida literária, iniciando um emprego para ter independência financeira e escrever, no qual ficou por pouco tempo.

Ao invés de começar algo relacionado à literatura, se casou e foi morar num outro município, no qual se envolveu numa atividade cultural com sua esposa - atividade essa com a qual nunca tinha se envolvido anteriormente. Desconheço se ele continuou a faculdade ou não. Independente disso, torço para que ele esteja feliz a seu modo.

Se uma pessoa como essa se sentir frustrada porque não conseguiu terminar nada além do segundo grau, dizer a ela que há indicações claras de que seu destino é extremamente móvel pode ser reconfortante. Talvez a pressão para se enquadrar numa vida rotineira possa se abrandar.

Longe de estimular um posicionamento passivo perante a vida, algumas coisas precisam ser primeiramente aceitas para em seguida serem trabalhadas dentro do seu melhor potencial. Sua condição pode ser explicada por outros vieses além da Astrologia, mas é notável o quanto esse saber sintetizou algo que ele sempre percebe e por muitas vezes não compreende. Talvez a solução para esse homem seja legitimar o movimento em sua vida.

Comentários

  1. Pois e: assim que nasci minha estrada entortou, mas vou ate o fim...

    ResponderExcluir
  2. viu, persisti ate que consegui exatamente aquilo que eu queria... quem tem excesso de fixos sabe pescar...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…