8 de set de 2011

os gozos (ou jubilos) dos planetas

O yuzuru recentemente postou uma pesquisa sobre o conceito de júbilos planetários, e felizmente eu tenho algumas considerações sobre o assunto, surgidas após o meu estudo de astrologia indiana. Digo felizmente porque, antes de conhecer a versão indiana do conceito, ele era mais um dos inúmeros conceitos para os quais não se encontrava uma aplicabilidade clara.

Um planeta se encontra em seu júbilo quando estiver numa casa específica. Abaixo, cita-se os júbilos para cada planeta:
  • Saturno na 12
  • Júpiter na 11
  • Marte na 6
  • Sol na 9
  • Vênus na 5
  • Mercúrio na 1
  • Lua na 3
Muitas pessoas já encontraram razões para entender o porquê de cada planeta ter seu júbilo em determinada casa, e serei repetitivo para esclarecer aos neófitos.

Na verdade, as razões abaixo não devem ser as razões originais que motivaram a construção desse conhecimento. Astrologia é assim: a criação do modelo astrológico é cercada de mistério e com isso não se tem noção do raciocínio por trás da criação dos conceitos, como os domicílios, etc. Não há nada documentado, só vestígios. Portanto, o que vem a seguir pode ser útil como um guia mnemônico para memorizar os gozos dos planetas e entendê-los.

Yuzuru recentemente postou um esquema que pode ser o raciocínio original por trás dos júbilos, mas como todas as outras justificativas especula-se que ela seja a original (provavelmente baseada nos conhecimentos do project hindsight) e portanto voltamos à estaca zero.

Vamos às minhas razões para os gozos:

Saturno se regozija na casa 12 porque ela é uma casa que representa dívidas, sono e questões às quais temos de nos render. Os maléficos sempre se regozijam em casas que indicam problemas insolúveis ou coisas que necessitem de trabalho e crescimento, da mesma forma que marte se regozija na 6, uma casa upachaya (ou seja, que melhora com o tempo). Soma-se a isso que a Casa 6 representa inimigos, contra os quais a postura marcial muitas vezes é necessária. Marte é o planeta que representa lógica (e não mercúrio) e sua presença na 6 indica a lógica a serviço da resolução de problemas do dia-a-dia.

Vênus, um planeta que tem a ver com relacionamentos, vitalidade e amor tem seu gozo na Casa 5 porque a mesma trata de assuntos muito similares aos karakattvas (significados essenciais) venusianos. Soma-se a isso que a Casa 5 tem uma relação com estudos e genialidade e Vênus também possui a mesma relação na Astrologia Indiana (ela é chamada por jaimini de antevasina, palavra em sânscrito que representa estudante).

Júpiter se regozija na 11 porque é um planeta ligado a ganhos e bênçãos, um significado comum à 11. A Casa 11 é o acúmulo, a casa 2 a partir da Casa 10, uma casa de karma - ações - e portanto são os ganhos das grandes ações. Aqui vê-se que os outros significados da 11 não possuem relação direta com júpiter, indicando uma cisão entre a astrologia indiana e a ocidental: para os indianos, a 11 é uma casa upachaya e, portanto, cruel, pois seus ganhos são conquistados após esforço. Essa visão trabalhosa da 11 não está presente na astrologia ocidental.

Mercúrio se regozija na 1 porque esta casa é dividida ao meio pelo horizonte (na astrologia tradicional, as cúspides não são necessariamente o início das casas. O primeiro grau do signo da cúspide geralmente é o início). A casa 1 está dividida entre a luz e as trevas, e segundo alguns autores, é do agrado de mercúrio transitar entre dois mundos, visão essa que não é originalmente astrológica, mas que explica bem a natureza mercurial. Prefiro pensar que a casa 1 representa o nativo e seu intelecto e mercúrio coaduna com tais significados.

Sol e Lua se regozijam no eixo 3-9, e para entendermos isso é preciso recorrer a muitos outros significados das casas até mesmo na astrologia grega. O eixo 3-9 indicava deuses e religião e os luminares tem grande relação com a espiritualidade. A casa 9 indicaria religiões de estado e a 3 religiões pagãs (na prática não percebo essa distinção). Bruxaria wicca, por exemplo, tem grande relação com a Lua e poderia ser representada pela casa 3. Cristianismo e islamismo, por serem religiões nas quais o princípio masculino é mais forte, além de serem religiões de estado em muitos países, seriam melhor indicadas pela casa 9. A casa 3 indica movimento e viagens e a Lua é o planeta mais rápido. Afora tais significações, confesso que colocar os luminares nessas casas é um pouco 'forçação de barra', mas é assim há mais de dois mil anos e tem funcionado bem.

Agora que sabemos as razões por trás dos júbilos, resta saber para que eles servem. Talvez essa seja a coisa mais importante do artigo, porque até agora tudo que foi escrito são apenas especulações. Entretanto, os conceitos astrológicos clamam por praticidade.

Como o nome diz, os planetas se sentem super empolgados nessas casas. Um planeta em seu júbilo é como juntar um nadador treinado a uma piscina, um corredor a uma pista, uma criança a um playground. É como dar uma pistola a um atirador. O planeta tem significados que possuem grande relação com a casa e ele fica feliz em exercê-los sem contradições. É como juntar a fome com a vontade de comer.

Outra maneira de entendermos os júbilos é imaginar ao contrário. Coloque uma freira num bordel, uma criança na fila do banco, um policial no jardim de infância (há um filme sobre isso!). Os personagens acima exercerão seus papéis, embora não muito à vontade. A freira evangelizará e poderá até estar feliz em cumprir sua missão, mas convenhamos que as pessoas não vão a um bordel para ouvir a palavra de Deus...

De um modo mais prático, o planeta em seu júbilo indica épocas na vida da pessoa na qual ela estará radiante, excitada para resolver as questões indicadas pelos temas do planeta que goza. É um conceito mais fácil de ser visto em Revoluções Solares, e é aqui onde os indianos o usam.

É fascinante como podemos aprender astrologia medieval ocidental dentro da astrologia indiana! Os indianos incorporaram muitos conceitos do ocidente e deram a ele o nome de Astrologia Tajika (tajika significa 'persa'). Os gozos dos planetas são chamados de harsha e a eles se atribuem pontuação para se saber qual dos planetas é o mais poderoso no ano para ser o eleito a varshapati, o regente do ano.

Esquecendo a matematização dos indianos, podemos usar o conceito de gozo para sabermos épocas do ano ou questões que serão excitantes, que darão ao nativo empolgação e energia. O período do ano regido pelo planeta em seu gozo será tudo, menos entediante, seja para o bem ou para o mal.
A palavra chave para o conceito é 'excitabilidade'. Essa sensação é neutra. Tanto os momentos bons e ruins podem vir com uma boa dose dela, e por isso o conceito de 'gozo' é uma coisa separada, que não tem nada a ver com os outros conceitos astrológicos.
Não existe contradição entre os diferentes conceitos astrológicos porque cada um deles se refere a uma coisa específica. Juntando todos eles, podemos descrever uma situação complexa que acontece na Terra, uma vez que este é o objetivo da Astrologia. Os conceitos astrológicos são muitos, tal qual as nuances das diversas situações pelas quais as pessoas passam neste planeta.

A excitabilidade não vem sempre acompanhada de felicidade. Uma pessoa pode estar triste e ao mesmo tempo excitada. Pacientes com transtorno bipolar de humor costumam se referir a uma 'tristeza agitada' ou uma 'alegria triste', onde eles estão agitados e fazendo várias coisas com rapidez, animadíssimos, porém sentindo uma angústia terrível dentro do peito. Nessas circunstâncias, não podemos dizer que eles estejam alegres ou felizes, mas excitados. Este é um exemplo útil para dissecarmos as diversas nuances da alma.
A expressão feliz ou infeliz de um planeta é indicada pelo conceito de dignidade planetária. O gozo mede a excitabilidade do mesmo. É importante diferenciar essa sensação de outros sentimentos e experiências, como a felicidade.
Perceba que 'felicidade' não é uma palavra apropriada para descrever os gozos, porque Saturno e marte são maléficos e gozam na 12 e 6 e no entanto as épocas que eles regem podem não ter nada de feliz.

Podemos ver claramente o conceito de gozo na expressão de saturno na casa 12. Tenho visto algumas pessoas com Saturno na 12 com insônia. A casa 12 representa o sono (uma das coisas às quais nos entregamos e relaxamos, da mesma forma que a 12 representa bares e prostíbulos...). Ter Saturno nessa casa indica uma grande excitabilidade, num contexto no qual o relaxamento é fundamental. Uma nativa que conheço acaba levando todos os seus problemas para a cama e tenta resolvê-los antes de dormir. Nem sempre isso é possível mas, mesmo quando o é, o resultado é uma grande insônia...

3 comentários:

  1. Muito bom. [2 membros].

    Meu Saturno, aparentemente, habita a Casa 9, onde também mora o Sol (em Júbilo). Rege a Casa 12, e aqui estou, acordadíssima, me perguntando se o que acabo de dizer de fato tem a ver com o que acabo de ler, enquanto separo outros textos para a minha pastinha Astrologia, subpasta: aprofundando os estudos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Marte como lógica, faz sentido se pensarmos naquele pensar dicotômico, que necessariamente leva a uma decisão, à uma opção e a uma ação. O pensar de um general, ou de um cirurgião.

    (E aí, lembramos das piadinhas sobre o raciocínio clínico de diversas especialidades, geralmente com o cirurgião como participante final)

    ResponderExcluir

Contato e Créditos

rtveronese@gmail.com Para dúvidas, reclamações, críticas e consultas.