Pular para o conteúdo principal

amizade, casa 2 e casa 11

Não quero que o leitor leve muito a sério o texto a seguir. Ele é uma especulação e, como tal, é sujeita ao teste da prática astrológica. De qualquer forma, foi uma reflexão na qual tenho me fixado nos últimos dias.

Quem estuda jyotisha e astrologia medieval ao mesmo tempo pode encontrar ocasiões nas quais vai se confundir, dadas as atribuições diferentes que cada escola dá à mesma casa. É o caso do tema 'amizade'. Enquanto a Astrologia medieval atribui a casa 11 à amizade, a jyotisha a relaciona à casa 2 (alguns autores à 4).

Muita gente não acha bom estudar o mapa sob duas perspectivas simultaneamente, mas a meu ver isso pode ser feito, desde que haja cuidado. Não se trata de simplificar uma escola em detrimento da outra ou de se misturar as técnicas. Cada uma tem um corpo teórico fechado e auto-suficiente que não deve ser deturpado, mas o exercício de ambas (ou de pelo menos algumas nuances de uma delas sendo levadas em conta na abordagem da outra) pode enriquecer a interpretação do astrólogo. A cada dia mais que eu estudo ambas, porém, tenho a forte suposição de que muitas das contradições teóricas sejam apenas aparentes.

Tenho sentido que o significado das casas seja mais flexível do que se supõe. De fato, algumas casas tem seus significados definidos: para os indianos, a mãe seria indicada pela casa 4 e nada mudará isso. Com outros significados, porém, objetos que algumas casas representam podem variar. O que seria inalterado, porém é o modo como se chegam a eles.

Tomemos por exemplo a Casa 11. Para os árabes e astrólogos medievais europeus, ela indicaria amizade e lucros oriundos das ações. Ernst Wilhelm, astrólogo jyotisha norte-americano, abre um precedente para que ela indique amizade também na jyotisha, desde que seja a amizade oriunda das nossas ações (casa 10), logo, colegas de trabalho. A maioria dos autores indianos não abre o mesmo precedente e se refere à casa 2 (ao invés da 11) como família e amigos íntimos. E a minha opinião, no presente, tende a ser mais flexível a respeito.

A meu ver, tanto a casa 2 quanto a Casa 11 podem indicar amizades. A diferença reside no modo que se obteve tais amizades, ou no modo como se lida com elas. Não estou com isso querendo subjetivar a astrologia como fazem alguns autores modernos, como o leitor perceberá nos parágrafos a seguir.

A casa 10 não representa somente o seu trabalho, mas tudo que você faz e lança no mundo como suas obras. Por suceder a 10, a Casa 11 são os frutos das suas ações. Esses frutos incluem amizades, desde que essas amizades sejam resultantes do que você faz no mundo para construir sua fama. Por exemplo: você cria um blogue de astrologia (uma ação - Casa 10) e uma pessoa começa a se corresponder contigo e, com o tempo, se tornam amigos (fruto da 10 - Casa 11). Ou então, como a casa 11 representa aspirações, as amizades nela podem surgir por você ter uma meta em comum com seu amigo. É o que acontece nos movimentos estudantis e nos conjuntos musicais.

A dinâmica de amizade da casa 2 tende a ser diferente. Você é responsável por tudo aquilo que tomou posse. A Casa 2, portanto representa tudo aquilo sobre o qual você tem responsabilidade. É o dinheiro que você já tem e acumulou, são suas responsabilidades com sua casa e família. Autores medievais reforçam a responsabilidade da casa quando alguns se referem a ela como representante dos servos que trabalham na sua casa (vide o trabalho de Benjamin Dykes). Por fazer parte do 'trígono material' (artha trikona) referido pelos indianos, é uma casa que envolve deveres e convívio diário.

Diante do que a casa 2 representa, só me resta concluir que a maioria dos meus amigos não são representados por ela. A maioria foram conseguidos por intermédio das minhas ações e não me sinto responsável por eles num sentido material. Estamos juntos como amigos por termos um objetivo em comum. Eu mesmo tenho uma banda de mpb/rock e volta e meia nos reunimos para ensaiar, fazer shows, etc. Infelizmente, são amigos que eu gostaria de ver mais do que meu tempo permite. Por essa mesma razão, são amigos que não frequentam minha casa como eu gostaria de que frequentassem, mas nem por isso eu deixo de considerá-los meus grandes amigos. Há também os amigos obtidos na internet, pelas redes sociais. Com alguns deles, eu falo mais do que meus amigos de presença física, e os leitor observará isso também na sua vida, pois cada vez as relações não se sujeitam a limitações espaciais.

A minha experiência reforça que a 11 tem uma significação forte para as amizades que mais tenho. Meu Ascendente da Revolução Solar de 2006 caiu em cima da minha Vênus natal na 11, o que representou a reunião da banda (após um ano de afastamento) com a gravação em estúdio de algumas músicas, coisa que nunca tinha ocorrido antes. Com a reunião e o trabalho, vem junto um retorno à convivência.

Diante de tudo que foi exposto, o leitor percebe que eu estou muito mais inclinado a considerar amizades como tema da Casa 11, mas não é bem assim. Amizades que surjam não como fruto de suas ações, ou independentes de terem um objetivo em comum com o nativo poderiam ser representadas pela Casa 2. Seria uma afinidade inexplicável, uma grande cumplicidade, uma convivência mais íntima e a despreocupação em ter metas conjuntas. Seria a amizade dos vínculos familiares, embora não seja restrita ao vínculo sanguíneo.

Ainda há muito que ser escrito nesse artigo, e portanto se trata de uma introdução sujeita a revisões.


Comentários

  1. Bem interessante essa perspectiva e na prática constatamos que ela é bem válida. Eu analisei alguns mapas do meu arquivo e percebi o envolvimento da casa 2 nas amizades. Aspectos dos mapas que antes eram imperceptíveis para mim.

    ResponderExcluir
  2. interessante.... andei me aventurando em Jyotisha e encotrei incontáveis dificuldades, a começar pela Casa 11 ser considerada maléfica. Mas independente disso, gostei da associação amigos-casa 2. Achei curioso que a casa 2 é a 11 da 4, já que você citou amigos da família e amigos dentro de casa. mas isso seria mais uma veze lançar um olhar ocidental, já que para os indianos os amigos da familia seriam da casa 5, 2 a partir da 4. isso se a derivação for uma prática comum lá, informação que nao possuo. aliás, possuo muito pouca informação sobre Jyotisha. de qualquer jeito, valeu.

    ResponderExcluir
  3. Rodolfo, uma coisa que existe na ocidental e faz paralelo com a indiana é a noção de "aliado". Segundo a ocidental, um advogado seria representado pela II. Ou até mesmo um médico que o atende tb o poderia ser (por ser um aliado seu, dependente de recurso, para favorecê-lo).

    Não seria essa a noção indiana de "amizade", uma noção mais prática e menos floreada, que fala sobre aqueles que nos favorecem de fato, materialmente e por um preço, e não sobre àqueles com que temos afinidades ou escolhemos conviver, mas não são, necessariamente, aliados que nos favorecem? Talvez a diferença aí seja na definição cultural do termo...

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o Paulo Felipe, em mapas analisados percebi na casa 11 amigos com caráter mais social e na 2 amigos com valor de aliados. Essas alianças mostram amizades que precisam de manutenção devido ao seu custo, pois são como recursos disponíveis, passíveis de empréstimos, ofertas, ou até mesmo cargos de confiança, próximos a vida do nativo. Seria então as amizades de casa 2 uma foram de aliança que dá suporte para a casa 1(asc). São relações onde tanto o consulente pode se aproveitar como ser aproveitado (casa maléfica), pois imaginem aquele seu amigo quase-irmão que semnpre te apoiou lhe pedindo uma grana emprestada pra resolver uns pepinos, creio que a maioria emprestaria sem hesitar. Vejo nessa casa os recursos que tanto podem ser explorados pelo consulente assim como consumí-lo. Pois entendo que ninguém gosta de perder aliados, tendo em vista as oportunidades que eles podem render, assim como o valor que atribuimos as pessoas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…