Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2011

Sobre a frequência de acerto das técnicas

Quando se começa a praticar astrologia, erros de previsão recorrentes de uma mesma técnica podem fazer o estudante desanimar e procurar outras técnicas que funcionem melhor, mas nesse movimento o estudante pode perder uma técnica preciosa. É que nenhuma técnica funciona 100% das vezes e em 100% dos mapas.
Não há razões claras para justificar a afirmação acima. Poderíamos pensar que a técnica funcionou por duas ou três razões: Foi praticada erroneamente, seja por erro/desatenção do astrólogo, seja pela falta de detalhes do texto que a descreve;Foi praticada corretamente, mas existem exceções às quais o texto que a descreve não se refere;Foi praticada de um modo completamente correto, mas misteriosamente não funcionou (isso pode ser mais comum do que você imagina).Quem é profissional de astrologia pratica diariamente em mapas de clientes, e cria para si uma porcentagem de acertos para cada técnica que experimenta. Essa porcentagem tende a ser mais acurada quanto maior for a amostragem de …

amizade, casa 2 e casa 11

Não quero que o leitor leve muito a sério o texto a seguir. Ele é uma especulação e, como tal, é sujeita ao teste da prática astrológica. De qualquer forma, foi uma reflexão na qual tenho me fixado nos últimos dias.
Quem estuda jyotisha e astrologia medieval ao mesmo tempo pode encontrar ocasiões nas quais vai se confundir, dadas as atribuições diferentes que cada escola dá à mesma casa. É o caso do tema 'amizade'. Enquanto a Astrologia medieval atribui a casa 11 à amizade, a jyotisha a relaciona à casa 2 (alguns autores à 4).
Muita gente não acha bom estudar o mapa sob duas perspectivas simultaneamente, mas a meu ver isso pode ser feito, desde que haja cuidado. Não se trata de simplificar uma escola em detrimento da outra ou de se misturar as técnicas. Cada uma tem um corpo teórico fechado e auto-suficiente que não deve ser deturpado, mas o exercício de ambas (ou de pelo menos algumas nuances de uma delas sendo levadas em conta na abordagem da outra) pode enriquecer a interpre…

Planetas em detrimento e em queda

O leitor pode encontrar no blogue da Margherita Fiorello outro bom artigo sobre esse conceito. O conceito de planeta em detrimento foi popularizado por Morin de Villefranche e seus seguidores. Antes desse autor, porém, não há muita literatura que ensinaria como aplicá-lo.
Abu Ma'Shar, na sua 'Abreviação da Introdução à Astrologia', não cita o conceito. O único autor que faz uma alusão indireta a ele seria Sahl bin Bisr, na sua obra 'os 50 julgamentos'. Ali vemos o seguinte: 'Se o regente do Ascendente estiver no sétimo signo/casa, o consulente temerá o propósito da questão' Indiretamente, Sahl faz menção ao conceito quando descreve a presença do regente do Ascendente na Casa 7. Fundamentalmente, o planeta em detrimento nada mais é do que a presença de qualquer planeta no sétimo signo a partir de um dos seus domicílios. Fora esta citação, quase nada se fala dos planetas em detrimento.
Durante a idade média no ocidente, bem como na Astrologia indiana até hoje, o c…

os gozos (ou jubilos) dos planetas

O yuzuru recentemente postou uma pesquisa sobre o conceito de júbilos planetários, e felizmente eu tenho algumas considerações sobre o assunto, surgidas após o meu estudo de astrologia indiana. Digo felizmente porque, antes de conhecer a versão indiana do conceito, ele era mais um dos inúmeros conceitos para os quais não se encontrava uma aplicabilidade clara.
Um planeta se encontra em seu júbilo quando estiver numa casa específica. Abaixo, cita-se os júbilos para cada planeta: Saturno na 12Júpiter na 11Marte na 6Sol na 9Vênus na 5Mercúrio na 1Lua na 3 Muitas pessoas já encontraram razões para entender o porquê de cada planeta ter seu júbilo em determinada casa, e serei repetitivo para esclarecer aos neófitos.
Na verdade, as razões abaixo não devem ser as razões originais que motivaram a construção desse conhecimento. Astrologia é assim: a criação do modelo astrológico é cercada de mistério e com isso não se tem noção do raciocínio por trás da criação dos conceitos, como os domicílios, et…