Pular para o conteúdo principal

Julgando horárias para si mesmo

O maior cliente das horárias que faço sou eu mesmo. Tenho um grande banco de dados com todas as minhas perguntas, o que me permite analisar as teorias astrológicas que funcionam e as que não funcionam pelo estudo retrospectivo dos mapas que levantei.

Essa é a melhor consequência de se praticar horária: quando você souber o desfecho da pergunta, saberá a verdade da astrologia e desmentirá qualquer regra furada criada em dois mil anos de tradição.

O grande problema de se fazer horárias para si é a ansiedade. Enquanto a questão não se resolver, talvez você fará a mesma pergunta mais de uma vez. E aí que você pode se deparar com um funcionamento fascinante do céu: quase todas as vezes em que eu levantei um mapa novamente para uma questão já levantada antes, o segundo mapa geralmente deu a mesma resposta. Só que nem sempre foi assim... e controvérsias surgiram...

Masha'Allah dizia que não é bom que o astrólogo faça mapas para si mesmos, mas eu acredito que isso tenha uma razão mais lógica. Na época de Masha'Allah, o astrólogo tinha o céu do momento memorizado na sua cabeça. Essa memorização trazia o perigo do astrólogo manipular o melhor momento de se fazer uma pergunta para se obter o melhor resultado, estragando o fator 'aleatoriedade' que garante o sucesso de qualquer oráculo. Eu nunca levei essa regra a sério porque tenho uma amnésia celeste constante e sempre tenho de ver o céu do momento em programas de computador...

E quando houver controvérsia, qual deles será o correto? O primeiro ou o segundo mapa? Esta é uma questão cansativa e, a meu ver, desnecessária. Tanto na primeira quanto na segunda, se você não usou um horário fundamentado, a chance do mapa dar errado é maior.

Atenção: As regras abaixo são aplicáveis apenas às horárias que você julgará para si. Para horárias solicitadas por clientes, mantém-se a regra tradicional do horário em que o astrólogo toma conhecimento da pergunta.

O instante da pergunta precisa ser bem fundamentado e a melhor maneira de você escolhê-lo, se fizer uma pergunta que você mesmo responderá, é anotar o horário em que o problema surgiu de um modo mais concreto.

Por exemplo: se você estiver se divorciando e precisar alugar um apartamento, certamente vai colocar como o instante da pergunta o momento em que ela surgiu na sua mente. Essa abordagem pode funcionar muito mas, se você quer algo mais palpável, experimente a data e a hora em que a questão surgiu por você e o ex-parceiro numa discussão, ou a hora do primeiro contato com a corretora.

Um outro exemplo é quando você está com vontade de comprar um carro. Vai pensar nisso a cada minuto se for um apaixonado por carros, então perderá completamente o referencial de um horário fidedigno. A melhor coisa seria o horário em que vai à concessionária de veículos ver um carro em potencial. Essa abordagem é melhor porque há uma atitude palpável, que é a ida à concessionária e o contato com o vendedor. Além disso, pode especificar a pergunta ao carro que está vendo no momento, a menos que sua pergunta seja "um dia terei um carro?" - coisa aliás que não recomendo. Para perguntas inespecíficas assim, é melhor estudar o mapa natal...

Nessa técnica, é importante que a aleatoriedade esteja sempre presente. horários rotineiros ou agendados tem uma chance muito maior de não representarem fidedignamente a questão.

Muitas pessoas lhe pressionarão a julgar o horário em que eles fizeram a pergunta a si mesmos, mas essa abordagem é errada a meu ver. Isso surgiu no orkut brasileiro, não corresponde à prática tradicional e caso o cliente insistir no horário dele, você pode sugerir que ele mesmo interprete a horária...


Comentários

  1. Me pergunto por quais técnicas que não funcionaram pela tua experiência pessoal, já que mencionou ;-)

    Dentro da "aleatoriedade", não é também tanto ou até mais aleatório, o momento que tenha tempo para se sentar e levantar a carta ?

    ResponderExcluir
  2. Oi Rodolfo,

    Sempre leio seu blog. Acho que quase desde 2005/2006. Parabéns.

    O questionamento sobre julgar horárias para si acho bem pertinente. Até pouco tempo tinha essa dificuldade e o "orkut brasileiro" me atrapalhou bastante no início.

    Após apanhar bastante, hoje faço o seguinte: só levanto a carta quando tenho tempo para lê-la em frente a um computador. Ou seja, somente quando posso me concentrar na leitura do mapa horário, fazer consultas a livros, etc. Mesmo que a questão tenha surgido semana passada.

    Na emergência, utilizo um programa astrológico no meu celular Android. Mesmo assim, só levanto o mapa se tiver um momento de calma para ler e tiver certeza que casas posso atribuir os elementos da questão.

    Evito também memorizar o posicionamento dos astros no céu, justamente para manter a aleatoriedade.

    Estas são os meus direcionamentos atualmente. Tem funcionado super bem.

    Abraço
    Giuseppe

    ResponderExcluir
  3. @Lívio: aprendi coisas muito simples e muito importantes na horária, como o funcionamento de planetas retrógrados. A tradição astrológica tem ruídos de comunicação e pelo estudo das horárias nós separamos o joio do trigo. Nessa experiência, porém, tenho percebido que a tradição mais correta está em três autores: Abu Ma'Shar, Masha'Allah e Sahl bin Bishr. O resto é deturpação ou repetições do que está acima, mesclado com confusões.

    Se você me perguntar o que deu errado, eu diria que confesso não me lembrar do que deu errado, mas sim do que deu muito certo até hoje, que é a técnica de Masha'Allah. Essa técnica é simples e ignora a priori regências de casas. Se o significador do ascendente se aplica a um benéfico a questão tem uma resolução positiva. Caso seja um maléfico, a questão só se resolve se ele reger a casa de interesse mas, mesmo assim logo após o início ela é destruída.

    Sobre a segunda pergunta: o problema de se abrir a horária no horário em que se está livre dá margem a redução da aleatoriedade. Se você sempre estiver livre depois das sete da noite o sol estará sempre abaixo do horizonte e vc terá sempre os mesmos planetas regendo o ascendente em determinada época do ano. É preciso deixar o céu livre para agir criativamente na simbolização da sua questão.

    ResponderExcluir
  4. @Giuseppe: o seu procedimento é um pouco comum para mim, pois sempre temos mais idéias de lançar horárias quando estamos a frente do computador.

    minha sugestão para se analisar o horário do evento concreto serve apenas para tornar a horária mais fácil de ser julgada. A minha experiência mostra que horárias do momento em que ocorre a consciência do problema que impele a pergunta são muito mais fáceis de serem lidas do que horárias feitas para o momento em que você estiver livre ou puder sentar para interpretá-la.

    Agora eu tenho o Jyotish Tools no meu celular android, que faz horárias usando as coordenadas do GPS do local onde estou, instantaneamente... Não tenho mais desculpas, rs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …