Pular para o conteúdo principal

Como interpretar uma revolução solar

Apesar de gostar de desafios, há que se admitir que eles são um pouco frustrantes se não notarmos progresso. Assim era a minha postura em relação ao aprendizado das revoluções solares. Entretanto, estou fazendo um curso de Varshaphala (como as revoluções são conhecidas na Índia) e fiquei um pouco mais empolgado em estudar essa técnica.

As revoluções solares podem ser estudadas de várias formas, mas aquela pela qual você começará tem de ser simples e didática. Se já é difícil interpretar um mapa, quiçá dois ao mesmo tempo, de modo comparativo... É por isso que me desanima muito o modo pelo qual Morin e todos os astrólogos que se inspiram nele estudam as revoluções.

Morin é um gênio, e sou um NADA para desmerecer a obra dele, só que o tipo de análise que ele sugere não é adequada a iniciantes ou a astrólogos com transtorno de déficit de atenção, ou a astrólogos que não possuam QI de um gênio. Por isso que abandonei momentaneamente seu modo de analisar revoluções e prefiro algo mais ao meu alcance.

A primeira inovação que uma pessoa frustrada com Revoluções pode adotar - e será um passo incrível a meu ver - é JULGAR A REVOLUÇÃO ISOLADAMENTE E ESQUECER O MAPA NATAL. Isso mesmo. Com essa medida, eu entro em contradição com tudo que escrevi nesse blogue desde o início...

Eu sempre defendi que a revolução deve ser analisada tomando-se como base o mapa natal. Fato. Mas também o modo como eu analiso as revoluções hoje me permite agir diferentemente. Antes, eu não sabia um terço do que sei hoje sobre revoluções e portanto eu nunca mais analisarei a revolução isoladamente da mesma forma que há dois ou três anos atrás. Em outras palavras: hoje eu tenho elementos que me permitem analisar a revolução isoladamente. Uma dessas coisas são maneiras de se saber quais planetas são mais importantes e indicam os temas mais importantes do ano.

A revolução tem planetas que são mais importantes do que outros. Não podemos simplesmente analisá-la toda e dizer que tudo vai acontecer e que tudo será importante, porque não será. Existem três planetas muito importantes:

  • O regente do ano: esse é difícil de encontrar sem a ajuda do computador. Trata-se de um planeta mais forte eleito dentre cinco candidatos e que precisa aspectar o ascendente da revolução.
  • O regente da profecção (munthahá): os indianos chamam a profecção de muntha, mas na verdade o nome correto é munthahá, que - vejam só - é o mesmo nome pelo qual os árabes chamam a técnica... A profecção é simples: o Ascendente percorre, imaginariamente, 30° a cada ano. Se o meu ascendente natal é em 17° Áries, o meu segundo ano de vida terá como profecção o Ascendente em 17° Touro. O regente da munthahá é um planeta muito importante.
  • Regente do Ascendente da Revolução - outro planeta importantíssimo também e que dispensa comentários.
Existem outros planetas importantes também, porém esses são suficientes por hora.

Sabendo quais são esses planetas, deve-se notar as casas onde eles caem. Por exemplo: se o planeta estiver na casa 2, o ano pode trazer questões ligadas a família, responsabilidades, amigos, todos significados indianos da casa 2, além de dinheiro, bens que a pessoa guarde. Para muitas pessoas, essa análise será suficiente. Mas ela possui uma falha, para os mais obsessivos...

A falha é a seguinte: a casa 2 rege vários assuntos. Como saber quais deles serão mais importantes? O ano pode ter questões ligadas a amigos, porém nenhuma questão financeira importante, sendo ambos os temas relacionados à casa 2. Como diferenciar? É aí que entram as PARTES ÁRABES...

Os indianos também usam as partes árabes, só que eles chamam de um nome próximo ao nome original em árabe: Saham (o nome original é Sahim). O modo de calcular dos indianos é diferente também e por isso eu recomendo que não usem lotes achados no Solar Fire com técnicas indianas, porque os lotes do SF são calculados da maneira ocidental...

Usando as Sahams, nós temos uma certeza maior do que o ano espera. Se o regente do ano cair na casa 7, ele pode se referir tanto a parcerias sexuais quanto a negócios. É pelo estudo das Sahams que teremos certeza do que o ano se refere mais. Assim, se a Saham dos negócios estiver mais ativada do que a Saham do Casamento, isso nos permite dizer com uma certeza maior de que o ano terá questões referentes a negócios, e não a Casamento.

Esse é um artigo introdutório e recomendo com entusiasmo que o leitor faça o curso de Ernst Wilhelm para dominar essa técnica, que pode ser mais útil do que muitos astrólogos experientes podem supor. Se der tempo, colocarei mais um artigo com outras dicas.

Comentários

  1. Uma coisa que aprendi na marra foi a importância do regente do ano. No fim, ele acaba ditando muito do que a revolução vai dizer.

    É uma lição perdida lá no meio do On Solar Revolutions do Abu Ma'shar, mas que me ajudou bastante a delinear minha RS de 2010 com certa precisão.

    O curioso é que o Morin tb ensina isso. Se o signo ascendendo na revolução contiver algum planeta na carta natal, é bom ficar atento a esse planeta, pois é ele que acaba sendo ativado. Caso contrário, observa-se o regente do AC.

    ResponderExcluir
  2. sem dúvida. não é que morin esteja errado, eu só estou o deixando de lado momentaneamente devido a complexidade de toda sua técnica.

    ResponderExcluir
  3. Interessei pela técnica indiana. Estou estudando inglês pra poder ler os livros que ninguém traduz pro português ou espanhol. Mas até lá podia dar uma explanada melhor sobre como encontrar o Saham. Isso é muito interessante.

    ResponderExcluir
  4. Oi Lilian, as Sahans possuem a mesma equação que as partes árabes do ocidente, mas com um poré: se o ascendente estiver entre os dois pontos usados, deve-se adicionar 30° ao resultado final.

    Por exemplo: Se o Ascendente estiver em 0°Capricórnio (270°), o Sol em 0°Sagitário (240°) e a Lua em 0° Aquário (300°) e quisermos usar o lote da fortuna indiano diurno (chamado de Punya Saham), nós devemos fazer o mesmo cálculo que é feito no ocidente (Ascendente + Lua - Sol), só que, ao resultado final, adicionarámos 30° a mais. Então no ocidente, o lote acima ficaria em

    270° + 300° - 240° = 330° = 0° Peixes

    O Lote indiano ficaria em: 330° + 30° = 360° = 0° Áries.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…