Pular para o conteúdo principal

Astrologia, fé e razão.

Há algumas dúvidas quanto à simbologia dos planetas, e portanto vou dar alguns exemplos para que os leitores entendam. Antes disso, porém, uma discussão sobre o modo como lidamos com a nossa ignorância pode ser profícua.

Um planeta representa coisas conforme a sua natureza sempre, porém, existem dois tipos de coisas na prática:
  1. Aquelas coisas que são óbvias para nós que o planeta represente, porque elas tem a ver com o modo pelo qual o compreendemos.
  2. Coisas que o planeta representa mas que não temos a mínima idéia das razões subjacentes.
Algumas coisas que o planeta indica são fáceis de entendermos. Por exemplo, marte na jyotisha representa o movimento porque ele é um planeta ligado ao elemento fogo. O calor agita as moléculas e as movimenta, em contraste com o frio. Até aí nada demais.

Só que a segunda categoria de coisas são demasiadamente confusas para entendermos. E o pior é que elas funcionam na prática! como entender isso?

Por exemplo, dentre as classificações de Parasara, ele atribui a marte a significação da mãe. Além da Lua, Marte em alguns mapas pode mostrar como é a mãe do nativo, principalmente se marte for mais forte que a Lua.

Pense bem: a priori, para nós, ocidentais, marte não tem nada a ver com a mãe. Só que, como tudo na vida, é muito fácil deduzirmos associações entre marte e a mãe a posteriori.

Por exemplo: tem gente que vai dizer que marte representa "a mãe no seu papel protetor do filho, e por isso ele tem tudo a ver com o arquétipo materno". Esse belo exercício de associação pode ser estendido a qualquer planeta, e por isso eu acho um pouco estéril ficarmos tentando justificar as coisas sempre.

Eu poderia dizer que Júpiter representa a mãe porque ele é o 'orientador' do filho, mas isso será falso. Júpiter não representa a mãe, mesmo que ela seja uma pessoa muito espiritualizada. Se ela for assim, será por outras razões. (A exceção para tudo isso acontecerá obviamente quando Júpiter reger a casa 4, mas isso não vem ao caso no momento...)

É por isso que a Astrologia tem um componente de fé também. Existem muitas coisas dentro da Astrologia que exercemos mas cujas razões desconhecemos ou ainda não as entendemos inteiramente. É no exercício dessa fé, porém, que continuamos a aplicá-las.

Portanto, quando você perceber uma coisa que não entende, experimente aplicá-la e ver se ela funciona. É claro que você precisa escolher bem a autoridade na qual se baseia, pois a nossa fé não precisa ser cega. Não é qualquer charlatão que deve ser seguido porque tem a fala autoritária e um rebanho de histéricos. Pesquise as referências. Conheça o background dos astrólogos. A tradição astrológica pode ser um excelente lastro.

Vou terminar esse post dizendo que estou muito insatisfeito com a falta de conhecimento que os falantes da língua portuguesa tem da jyotisha e que penso seriamente em maneiras de torná-la mais acessível. Já indiquei aqui o site do Ernst Wilhelm, mas tem muita gente que reclama de não dominar o inglês e portanto vai 'boiar' sumariamente nas aulas em mp3 que ele vende. Acho que uma solução definitiva seria criar aulas em vídeos em português com tudo que aprendi com Ernst, mas isso requerirá tempo e paciência dos leitores.

Até lá, vamos nos falando via fórum e email. Tirem suas dúvidas no fórum. Eu não postarei sempre lá porque acho meio chata a formatação, mas sempre que você postar uma dúvida lá eu serei avisado por email.

Comentários

  1. Obrigada pela resposta.
    Já compreendi.
    Eu estava com dúvida se a significação essencial dos planetas seria diferente da que os planetas têm na astrologia ocidental.

    Já estive a ler alguns artigos no site do Ernst Wilhelm. Com o inglês não tenho problema. O mais complicado é quando se tem outras prioridades e não se pode investir em material para aprender astrologia.

    A ideia das aulas em vídeo é muito boa.
    Se concretizar essa ideia, nós esperamos (pelo menos falo por mim). O que interessa é que o material de aprendizagem exista.

    Sofia

    ResponderExcluir
  2. Nos últimos dias, já declarei em excesso minha alegria por encontrar esses estudos.

    Conte comigo para repassar as informações e recomendar os textos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…