Pular para o conteúdo principal

Últimas notícias

O blog está parado por uns tempos porque estou estudando o curso de Astrologia Jaimini, do Ernst Wilhelm. Jaimini foi um sábio (rishi) indiano que criou uma escola de astrologia genial, ao mesmo tempo simples e reveladora do indivíduo cujo mapa se analisa, tanto no plano físico quanto espiritual.

Para os falantes da língua portuguesa, é difícil falar de Astrologia Indiana numa estrutura como um blogue. O estilo superficial da blogosfera geralmente requer do leitor uma iniciação no conhecimento exposto para que ele entenda do que se fala, ao menos os termos usados. Ao contrário da astrologia ocidental - muito difundida por aqui - a maioria dos leitores ignoram os conceitos mais fundamentais de Astrologia Indiana - simplesmente porque estes não são tão difundidos quanto à astrologia ocidental. Eles não são mais difíceis nem mais fáceis: simplesmente diferentes.

A astrologia medival tem muito mais coisas em comum com a astrologia moderna, então é fácil escrever sobre ela num blogue: eu me aproveito do conhecimento prévio do leitor de astrologia moderna para explicar conceitos medievais e clássicos, pois a maioria dos conceitos tem o mesmo nome que se encontra nos livros modernos - dessa forma, é mais fácil explicar e reformular uma idéia contida num nome conhecido do que introduzir novos termos e conceitos.

Se usar a expressão "quadratura", a chance de um leitor brasileiro já iniciado em astrologia saber o que é isso é bem maior do que entender a que me refiro quando cito o termo "atmakaraka", da astrologia jaimini. E o pior: enquanto se pode ver na internet facilmente o que uma quadratura significa, a mesma facilidade não é possível com termos Jaimini.

A interseção entre a astrologia indiana e a ocidental é grande, mas não é suficiente para que eu comece a fazer artigos partindo do princípio que o leitor entenda tudo que seja citado. Os planetas são os mesmos, as casas e os signos idem, mas o que se faz deles, bem como os aspectos, são vistos de formas completamente diferentes. Eu diria que desafiam nosso modo ocidental de analisar o mapa e de usar aspectos.

Assim sendo, postar artigos superficiais aqui está ficando cada vez mais difícil à medida em que me aventuro pela Astrologia Indiana. Para remediar isso, estou trabalhando num vagaroso projeto que visa construir um site no qual o leitor possa recorrer para aprender os conceitos mais básicos da astrologia indiana e ocidental. Esse site já existe, porém está em construção: o meu domínio próprio astrosphera.com,

O site ainda está longe de me satisfazer em muitos critérios, inclusive no conteúdo. Já há um capítulo introdutório sobre aspectos e testemunho, mas confesso que ele deixa a desejar para mim. Portanto não encare isso como o lançamento do site. Só estou mostrando que ele está em construção, ok?





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

Como interpretar uma revolução solar - segunda edição

Eu tenho meus problemas em editar artigos antigos porque eles refletem meu pensamento num dado tempo e espaço, e considero um sacrilégio apagar essa memória. Como eu tenho novas ideias sobre como interpretar revoluções solares, achei conveniente criar um novo artigo com o mesmo nome, se diferenciando apenas com o subtítulo “última edição" Revolução solar são trânsitos sofisticados sobre o mapa natal Simples assim. Eu me cansei de interpretar revoluções solares isoladamente e dar com os burros n’água. Interpretar revoluções solares baseando-se nas posições de casa e de planetas natais é a solução para deixar tudo claro como cristal. Vamos começar com a minha revolução de 2016: O ano de 2016 teve dois principais acontecimentos: eu viajei para a Itália pela primeira vez e meu filho nasceu. Se usarmos somente a revolução solar, fica fácil ver que o filho nasce, pela presença do regente do ascendente da RS, lua, no quinto signo, escorpião, em sextil a júpiter e em trígono com vênus. …