Pular para o conteúdo principal

Muhurta - a escolha da hora certa pelos astros

Eu nunca me liguei muito em astrologia eletiva, talvez porque seja difícil esperar do céu o cenário ideal.

Na astrologia ocidental, a escolha da hora certa para um evento depende quase que unicamente da configuração dos planetas que regem o evento na hora em que ele começa, bem como a Lua. Não se dá muita importância à períodos de tempo regidos por planetas, como horas e dias da semana, apesar deles serem citados. No fim das contas, o que vale é como os planetas estão no mapa do evento.

Os planetas tem poucas chances de aparecerem no céu sob circunstâncias ideais. Isso faz com que sobrem um ou dois momentos ideais para começar um evento e um bando de momentos medíocres ou péssimos, possibilitando o milagre da multiplicação da mediocridade, bem do jeito que a vida acontece ao nosso redor. Afinal de contas, se chovesse diamantes, não seriam jóias preciosas...

Portanto, na astrologia eletiva, sempre há espaço para decepções e, mesmo sendo pequenas, acabam confundindo o astrólogo se o evento der errado. Todo esse cenário de tristeza me fez afastar da Eletiva e adentrar mais os meandros da Astrologia Natal, estudo que julgava mais promissor...

...Até que conheci a Astrologia Indiana, que me motivou um pouco mais a estudar esse ramo tão interessante. Eles chamam de "muhurta" (momento).

Na astrologia indiana, ao contrário da medieval, se dá extrema importância a intervalos de tempo regidos por planetas e à constelação na qual a Lua se encontra no momento do evento - sendo essa constelação a maneira indiana de se dividir os céus - os 27 asterismos, também chamados de Nakshatras.
Na Eletiva indiana, a qualidade do tempo importa mais sobre a qualidade dos astros do momento do evento, embora esta parte não seja negligenciada.
Para um tema tããão amplo como esse, um post é deveras insuficiente. Mas vou mostrar o que é mais importante, o que ainda não será suficiente, pois não tenho condições mentais de escrever o mínimo requerido nem mesmo para o mais importante. Esse post, como vc já percebeu, é uma introdução para você ter idéia de como o método funciona (eu recomendo a leitura de "Classical Muhurta, de Ernst Wilhelm, que pode ser comprado em pdf aqui.)
  • Os dias da semana (Vara) são regidos por planetas.
  • Da mesma forma, as horas (Hora),
  • Os nakshatras também são regidos por planetas, mas a eles se dão efeitos específicos, provavelmente correlacionados à mitologia do símbolo da constelação e a outros fatores astrológicos.
  • Finalizando, temos os Tithis, que são os dias lunares, o ciclo Solilunar dividido por trinta, gerando cerca de 12,5° por dia de elongação da Lua em relação ao Sol. A esses, também se dão eventos e qualidades específicas.
Uma vez sabendo as diferentes maneiras de se dividir o tempo, resta somente encontrar combinações que sejam consideradas auspiciosas. Por exemplo, um Tithi bom para casamento acontecendo ao mesmo tempo de um dia da semana bom para casamento e ao mesmo tempo a Lua passando por uma constelação boa para casamento gera uma combinação muito fortuita para a realização da cerimônia... E olha que até agora eu sequer analisei o mapa da hora do casamento!

Assim é a Muhurta... Como foi visto acima, os indianos dão muita importância a uma boa combinação chamada em abreviação de VTN (Vara + Tithi + Nakshatra). Um bom VTN propicia um evento auspicioso, sem contratempos.

Aproveitando o ensejo, abaixo eu mostro os melhores horários para quem mora no Rio de Janeiro e adjacências para se comprar qualquer coisa - de uma celular até uma casa. Claro que você não vai querer comprar uma paçoca nessas horas: aproveite as horas abaixo se nessa semana você quiser comprar algo que seja para durar. Se estiver certo, você fará uma boa compra, talvez a um bom preço e o produto não terá nenhum defeito de fabricação e uma boa durabilidade:
  • 20/06/2011 10:20-10:28
  • 22/06/2011 19:23-19:41
  • 23/06/2011 19:33 - 20:20
  • 23/06/2011 20:35 - 21:33
Se você tiver alguma dúvida e quiser uma muhurta específica, mande seus dados (data, hora e local de nascimento) para meu e-mail (rtveronese@gmail.com). Eu não vou fazer previsões sobre seu mapa, só fazer uma eletiva para você começar alguma coisa, ok? E não me peça prazos porque sou uma pessoa muito ocupada! (risos)

Rodolfo.

Comentários

  1. Ah, é? Vou mandar mesmo. Sou sua leitora mais assídua, quero só ver se vc responde mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …