Pular para o conteúdo principal

técnicas preditivas condicionais

Acho que uma das coisas mais interessantes da Astrologia indiana são as técnicas que dependem de certas condições para que sejam aplicadas no mapa em questão. Se o seu mapa não tiver os critérios determinados, simplesmente elas não se aplicam. Só que os critérios não são tão rigorosos e certamente pelo menos uma ou duas técnicas condicionais podem ser usadas, a depender do mapa analisado.
As técnicas condicionais servem para complementar as informações obtidas pelas técnicas que são usadas para todos os mapas.
As principais técnicas usadas em todos os mapas são o Vimshottari Dasha, Narayana Dasha e Yogini Dasha, dentre outras. Todas as pessoas podem ter seus mapas analisados por essas técnicas, porém, se o mapa da pessoa preencher um ou mais critérios, além dessas técnicas a pessoa pode contar com o uso dos Dashas condicionais.

Por exemplo: no meu mapa, duas técnicas condicionais podem ser usadas (tenho usado o zodíaco tropical mesmo para astrologia indiana):
Para sabermos quais técnicas devemos usar, é necessário o sistema de signos inteiros, no qual um signo inteiro será uma casa. Assim, o Ascendente será todo o signo de Áries porque a cúspide da 1 cai nesse signo. As outras casas serão signos contados a partir de Áries e não dependem de cúspides.

No meu mapa, dois dashas condicionais podem ser usados: Dwisaptisama Dasha e Shastisama Dasha. Abaixo, vocês podem ver os critérios de aplicabilidade:
  • Shastisama Dasha: O Sol deve estar no Signo Ascendente. Tenho o Sol e Ascendente em Áries.
  • Dwisaptisama Dasha: O critério é ter o Regente do Ascendente no sétimo signo ou o regente do sétimo signo no Ascendente. No meu caso, o Regente do Ascendente é marte e ele se encontra no sétimo signo a partir do Ascendente, Libra.
Documentados por Parashara em uma das versões aceitas do Brihat Parashara Hora Sastra, existem 9 Dashas condicionais. No meu mapa, apenas dois se aplicam, embora isso seja mais que suficiente em termos de volume de trabalho para se prever alguma coisa...

O limite do Astrólogo é o tempo que ele tem de trabalhar sobre um mapa. A menos que você tenha dedicação exclusiva a um cliente (coisa que não existe desde as monarquias medievais...), não usará todas as técnicas preditivas possíveis, apenas as que você tem mais confiança e experiência.

E a maneira de se interpretar essas técnicas é exatamente igual ao modo de se interpretar o Vimshottari Dasha: o planeta que rege o período terá seus assuntos ativados pelas casas que rege em qualquer um dos mapas do indivíduo, sejam eles os mapas divisionais ou o mapa natal. O regente do subperíodo será o realizador do regente do período e deve ter suas casas contadas a partir da Casa onde está o regente do período.

Por exemplo: usando Shastisama Dasha, o meu casamento se deu na entrada do Dasha de Vênus. Isto mesmo: no subperíodo de Vênus dentro do período principal de Vênus, que pode ser abreviado como Vênus/Vênus. Vênus é significadora essencial (karaka) de casamento em qualquer mapa e no meu caso indicou o matrimônio com clareza e proximidade de datas. O início do dasha de Vênus ocorreu em 4 de abril de 2009 e o meu casamento aconteceu em 11 de abril!

Podemos ver a mesma coisa pelo Vimshottari Dasha, que pode ser usado em qualquer mapa. No meu caso, no dasha Lua/Marte o Casamento ocorreu, sendo a Lua regente da Casa 11 (ganhos e aquisições) da Navamsa (minha Navamsa - o mapa de Casamento - tem Ascendente Virgem usando o zodíaco tropical), enquanto marte era regente da Casa 11 a partir da Lua. Soma-se a isso que Marte é dispositor de Vênus.

A Casa 11 indica os ganhos do mapa e, assim sendo, a 11 na Navamsa representa ganho de casamento. Marte está exaltado e com isso havia a promessa de casamento dentro do seu período, pois o planeta regente do subperíodo precisa ser forte para promover os significados do regente do período, sendo que as casas deles devem ser contadas não somente a partir do Ascendente, mas também a partir do planeta regente principal. Esse é o principal segredo da interpretação de qualquer Dasha.

Se podemos ver o casamento no Vimshottari Dasha, para que usarmos outra técnica? A resposta é simples: confirmação. O período Lua/Marte mostrava uma chance de casamento. Diante dessa dúvida, analisamos os dashas condicionais para buscarmos confirmação. À época prévia ao casamento, a certeza do evento acontecer seria maior caso se usasse, somado ao Vimshottari Dasha, o Shastisama Dasha.
Depois de um certo tempo, você perceberá que uma técnica preditiva apenas é incapaz de revelar todos os eventos da vida de uma pessoa.
A vida da pessoa é como se fosse uma trilha de fios. Às vezes, pode ser apenas um fio, mas geralmente podem ser dois ou mais correndo em paralelo: por exemplo: Ao mesmo tempo em que uma pessoa cursa uma faculdade, ela pode se casar e seu pai pode falecer. Delinear todos esses eventos tendo como base apenas uma técnica requer um nível de conhecimento astrológico e evolução espiritual que está além do alcance da maioria dos mortais.

Se usarmos apenas uma técnica, não saberemos tudo que se passa, pois geralmente uma técnica preditiva nos revela apenas um desses fios.
Usando os dashas condicionais, além de poder confirmar o que vemos nas técnicas gerais, há a oportunidade de descobrirmos outros fios da vida de uma pessoa.
Não serão todos, é claro, pois a onisciência é um atributo divino.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…