Pular para o conteúdo principal

karaka: o significador

A palavra 'karaka' significa 'aquele que faz'. Essa definição ressalta o caráter efetivo desse conceito. O 'karaka' não é qualquer um não!


'Karaka' simplesmente é o nome da função dada a qualquer planeta
no momento em que ele representa um assunto específico, independente de casa que ele rege e se posiciona.

Uma pergunta que deve elucidar melhor o conceito de 'karaka': em que assunto você pensa quando o planeta Vênus vem à sua mente? Certamente você dirá: sexo, relacionamentos, etc. Pois bem, Vênus é karaka para Casamento, seja em mapas de mulheres ou de homens. Geralmente, o assunto que vier à sua cabeça quando citarem o nome do planeta é o karakattwa (significação essencial) dele.

Mas não é sempre tão óbvio assim... Para alguns assuntos, é muito fácil associar um planeta. Pense em guerras e marte será imediatamente evocado... mas e assuntos como 'irmãos', 'imóveis', 'carros'? Nada?

O desafio para aplicar os karakas é aceitá-los, pois nem sempre será possível entender as razões que associam um planeta a determinada significação, sendo que essas coisas nunca mudam. Vênus representa 'carros' e marte 'imóveis', enquanto Rahu (nodo norte) representa remédios e venenos. A razão para essas associações nem sempre são claras, mas, desde que elas funcionem, então podemos ficar serenos na nossa prática do dia-a-dia.

E elas funcionam, mas é preciso memorização.


Não são apenas algumas coisas que são regidas por planetas, mas TUDO que está debaixo dos céus pode ser represento por algum planeta como karaka.


Na idade média, o contato dos árabes com os indianos rendeu preciosidades da astrologia, e uma delas é o livro 'O Livro da Instrução dos Elementos da Arte da Astrologia", reputado ao eminente Al-Biruni. Esse livro é repleto de listas com o que seriam os karakas para vários tipos de objetos, animais, profissões, minerais, etc.

Há alguma similaridade entre Al-Biruni e os indianos, mas eu prefiro aderir somente aos clássicos da Astrologia indiana, como Parasara e Jaimini. Pode haver em Al-Biruni alguma corrupção do que os indianos realmente queriam dizer.

Abaixo, eu coloco algumas casas e karakas:


  • Marte: karaka para guerras (casa 8), irmãos (casa 3), exercício físico (casa 3), cirurgias (casa 8).

  • Mercúrio: karaka para amigos (casa 2), discurso (casa 2), cognição (casa 3), jogos (casa 3), parentes (casa 4), conhecimento oculto como astrologia (casa 8)

  • Júpiter: dinheiro (casa 2), crianças (casa 5), avô paterno (casa 12), marido (casa 7), guru/professor (casa 9).
Agora você precisa aprender uma maneira de praticar isso.

Como usar o conceito de karaka?
Quando você notar um planeta representando alguma coisa boa ou problema, ela será causada por uma ou mais coisas das quais o planeta for karaka.

Por exemplo, Júpiter é karaka para astrólogos. Se uma pessoa tiver um júpiter muito aflito e/ou com baixa dignidade, ela pode ter maus conselhos de astrólogos e estes poderão prejudicar mais que auxiliá-la.

Existe uma outra maneira de lidar com karakas, ensinada por Rhetorius, astrólogo bizantino que aparentemente nada tem a ver com os indianos. A casa que você estiver analisando terá a causa dos problemas e/ou coisas boas dela oriundas dos assuntos para os quais seu regente for karaka.

Por exemplo: Se a casa 7 contiver um maléfico em signo de Vênus (como Saturno em Libra), os problemas na casa 7 são devidos ao casamento, ou à compatibilidade sexual do casal, assuntos dos quais Vênus é karaka. O casal também tem de ficar atento a coisas que nada tem a ver com sexo, mas que também são regidos por Vênus, como carros: uma briga feia pode ocorrer devido ao automóvel do casal! O mesmo raciocínio tem de ser feito se a casa contiver um benéfico.

Eu também estou atento a outras possibilidades de uso dos karakas. Talvez a função de um planeta enquanto karaka apareça também quando ele reger a casa da qual for karaka.

Por exemplo, um mercúrio regendo a casa 3 faz com que o nativo seja muito interessado em jogos como videogames, pois mercúrio significa jogos, assim como a casa 3. Se, por outro lado, marte reger a casa 3, ele será fortemente interessado em exercícios físicos.

O uso dessa técnica, porém, é restrita: apenas dá uma disposição inicial que tem de ser confirmada pelo mapa natal. Afinal de contas, não é somente os ascendentes aquário e virgem que teriam interesse por exercícios físicos: esses ascendentes possuem signos de marte (áries e escorpião) na casa 3, que rege exercícios físicos.

De qualquer forma, o planeta que for forte em qualquer mapa tem uma grande chance de que seus significados (karakattwas) sejam muito fortes na vida da pessoa, independentemente da casa que ele reger. Um júpiter forte e angular faz a pessoa ter grande interesse espiritual, buscando gurus e astrólogos com frequência. As orientações dos astrólogos tendem a ser excelentes.

Eu tenho mais de um exemplo pessoal... Quando comecei a estudar astrologia, eu atendi um amigo que tinha Júpiter em Câncer exaltado na casa 1 (super forte). Era inexperiente e usava as técnicas de um modo desajeitado e confuso, mas ao usar uma das técnicas descrevi o relacionamento atual dele sem saber de nada e previ que terminaria. A descrição foi muito próxima do modo como ele percebia o namoro e ele se sentiu aconselhado, satisfeito e encorajado a terminar o relacionamento, que já estava mal das pernas.

Mesmo que o astrólogo seja ruim, prever para alguém com um júpiter bem posicionado faz o astrólogo se sentir iluminado por um minuto e fazer uma previsão genial. Se você puder escolher seus clientes, analise o Júpiter deles criteriosamente!

Comentários

  1. Como sempre Rodolfo, muito informativo. Texto bem escrito, lógica bem estabelecida, argumentação bem pautada nos mestres. Se eu fosse professor e pegasse uma redação dessa, a nota seria 10.

    Mas no mais rodolfo, eu sempre quis saber quem foram os autores que definiram esses karakas das casas (sol karaka da 9, saturno 8 e 12, por ai vai), foram Parasara e jamini? Se sim, podia me falar se foram nos "livros" mais famosos deles?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…