Pular para o conteúdo principal

Bhavat Bhavam: o segredo das casas.

"Bhavat Bhavam" é Sânscrito. Pode ser traduzido como 'a casa da casa'.

A regra é simples:

Para saber qual casa é bhavat bhavam da outra, pegue uma casa qualquer e conte a partir dela seu número.

Assim, por exemplo: a casa 4. Se contarmos o mesmo número de casas a partir dela, chegamos à casa 7 - a quarta casa a partir da 4.

Exemplos de Bhavat Bhavam:
  • Casa 3 - é a 2ª a partir da 2.
  • Casa 5 - é a 3ª a partir da 3 e a 9ª a partir da 9.
  • Casa 7 - é a 4ª a partir da 4 e, ao mesmo tempo, a 10ª a partir da 10.
  • Casa 9 - é a 5ª a partir da 5
  • Casa 11 - é a 6ª a partir da 6. Ao mesmo tempo, é a 12ª da 12.
  • Casa 3 - é a 8ª a partir da 8.

Função do Bhavat Bhavam

Os autores divergem (como sempre!).

Sanjay Rath diz que a casa que é bhavat bhavam da outra revela a manifestação concreta da casa anterior. Assim sendo, enquanto a casa 8 representa a experiência da morte, a Casa 3 indicaria o local da morte e os detalhes.

Por exemplo, Mahatma Gandi tem o sol na Casa 3 em Virgem (zodíaco sideral) e ele morreu com um tiro (Sol) num jardim (jadins figuram dentre as designações indiana de locais regidos por Virgem).

Já outros autores dizem que a casa Bhavat Bhavam revelam funções alteradas da casa anterior. Por exemplo, enquanto a Casa 5 representaria filhos, a 9 indicaria filhos conseguidos por métodos fora do convencional, ou seja, adotivos.

Ernst Wilhelm apenas usa a Casa Bhavat Bhavam com a mesma função da casa anterior. Ou seja, se o período é regido por um planeta regente da casa 9, além das coisas comumente atribuídas à casa 9, devemos ficar vigilantes quanto ao nascimento de crianças. No momento, compactuo mais dessa perspectiva.

Uma atenção especial à casa 7. Ela é uma casa tão misteriosa que mereceria um estudo à parte. Situações envolvendo a casa 7 sempre dizem respeito a uma miríade de eventos, que devem ser suspeitados pela natureza dos planetas envolvidos.

A casa 7, enquanto Bhavat Bhavam, é a 10ª da 10 e a 4ª da 4. Sempre que ela for ativada, pode-se experimentar simultaneamente mudanças de residência e profissionais, sendo às vezes uma determinada pela outra.

Fora do contexto do Bhavat Bhavam, a casa 7 é a 12ª da 8 e portanto é destruidora de vitalidade (casa 8), sendo por isso considerada maraka. Períodos envolvendo a casa 7 podem representar a morte da pessoa.

Há muitas coisas que a 7 pode fazer e o astrólogo precisa ser astuto para discerní-las.


Comentários

  1. Olá! Você está dando um nó na minha cabeça! Risos!
    Essas contagens de Casa, mesmo sem formação astrológica, eu aplico no Tarot! E funciona!
    Bom demais ter conhecido esse espaço!
    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…