Pular para o conteúdo principal

Tajaka: a mistura astrológica de duas culturas

A palavra 'Tajaka' pertence ao vernáculo Urdu, uma língua do Norte da Índia que possui muita influência do árabe na sua escrita e pronúncia.
'Tajaka' normalmente é referido como a astrologia transmitida pelos Persas aos indianos. De fato, as evidências são muito grandes para se descartar essa conclusão.
A Índia sofre invasões na Idade Média pelos árabes, com o intuito de conquistar territórios e propagar o Islã. Nesse encontro forçoso, nasce Tajaka, e a língua Urdu sofre grandes influências. As técnicas de astrologia árabe foram transmitidas e até hoje podem ser apreciadas na Tajaka com uma similaridade incrível ao que se lê nos autores do período árabe-medieval. Por exemplo, o conceito de 'aplicação' de um planeta recebe o nome de 'ithasala yoga', enquanto o original árabe recebe o nome de al-ittisal. Retirando o prefixo 'al' que faz parte da maioria das palavras do árabe quando citadas, a transliteração do termo para o sânscrito é fiel.
Tudo isso para dizer que é tentador concluirmos que Tajaka é astrologia medieval árabe pura e aplicada dentro do contexto muito específico da Astrologia Indiana, a saber, a Revolução Solar.
É curioso que as teorias árabes não se propagassem massivamente para outras áreas da astrologia indiana. Na verdade, a única coisa que 'colou' fora da Tajaka e que pertence à mesma são as famosíssimas Partes Árabes (que os astrólogos de inspiração clássica chamam de 'Lotes'). Nesse caso, mais uma vez a semelhança dos termos é absurda: os árabes chamavam as Partes de Sahim, enquanto os indianos se referem a uma parte como Saham!
O indispensável Lote da Fortuna recebe na Índia o nome de Punya Saham.
A palavra 'punya' significa fortuna, no sentido de ação auspiciosa que acontece ao nativo, de um modo passivo. Punya pode ser encontrado em termos como poorvapunya, que é a sorte que o nativo recebe nesta vida pelas ações em vidas passadas.

As Sahams foram os únicos elementos da astrologia árabe que 'extrapolaram' com sucesso para a astrologia natal indiana. Eventualmente, até hoje pode se flagrar um ou outro autor indiano as usando para propósitos específicos. Um exemplo disso é a Jalapathana Saham, que nada mais é do que o 'lote das viagens pelo oceano', usado para prever quando uma pessoa terá uma viagem intercontinental. Esse lote é calculado da mesma forma que na Astrologia Árabe, mas ele não é o único.

Mas as diferenças entre Tajaka e Astrologia Árabe param por aí... Atualmente, as evidências apontam que os astrólogos árabes não usavam um zodíaco sideral, como os indianos advogam. Essa conclusão, porém, é insegura, pois à época de florescimento dos autores árabes havia muita coincidência entre o zodíaco sideral (móvel) e o tropical (fixo).

Podemos ver, na Tajaka, um vislumbre de como praticaríamos astrologia com um zodíaco sideral, porém apenas no contexto da revolução solar.

o documento é protegido por leis de copyright.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…