Pular para o conteúdo principal

Tajaka: a mistura astrológica de duas culturas

A palavra 'Tajaka' pertence ao vernáculo Urdu, uma língua do Norte da Índia que possui muita influência do árabe na sua escrita e pronúncia.
'Tajaka' normalmente é referido como a astrologia transmitida pelos Persas aos indianos. De fato, as evidências são muito grandes para se descartar essa conclusão.
A Índia sofre invasões na Idade Média pelos árabes, com o intuito de conquistar territórios e propagar o Islã. Nesse encontro forçoso, nasce Tajaka, e a língua Urdu sofre grandes influências. As técnicas de astrologia árabe foram transmitidas e até hoje podem ser apreciadas na Tajaka com uma similaridade incrível ao que se lê nos autores do período árabe-medieval. Por exemplo, o conceito de 'aplicação' de um planeta recebe o nome de 'ithasala yoga', enquanto o original árabe recebe o nome de al-ittisal. Retirando o prefixo 'al' que faz parte da maioria das palavras do árabe quando citadas, a transliteração do termo para o sânscrito é fiel.
Tudo isso para dizer que é tentador concluirmos que Tajaka é astrologia medieval árabe pura e aplicada dentro do contexto muito específico da Astrologia Indiana, a saber, a Revolução Solar.
É curioso que as teorias árabes não se propagassem massivamente para outras áreas da astrologia indiana. Na verdade, a única coisa que 'colou' fora da Tajaka e que pertence à mesma são as famosíssimas Partes Árabes (que os astrólogos de inspiração clássica chamam de 'Lotes'). Nesse caso, mais uma vez a semelhança dos termos é absurda: os árabes chamavam as Partes de Sahim, enquanto os indianos se referem a uma parte como Saham!
O indispensável Lote da Fortuna recebe na Índia o nome de Punya Saham.
A palavra 'punya' significa fortuna, no sentido de ação auspiciosa que acontece ao nativo, de um modo passivo. Punya pode ser encontrado em termos como poorvapunya, que é a sorte que o nativo recebe nesta vida pelas ações em vidas passadas.

As Sahams foram os únicos elementos da astrologia árabe que 'extrapolaram' com sucesso para a astrologia natal indiana. Eventualmente, até hoje pode se flagrar um ou outro autor indiano as usando para propósitos específicos. Um exemplo disso é a Jalapathana Saham, que nada mais é do que o 'lote das viagens pelo oceano', usado para prever quando uma pessoa terá uma viagem intercontinental. Esse lote é calculado da mesma forma que na Astrologia Árabe, mas ele não é o único.

Mas as diferenças entre Tajaka e Astrologia Árabe param por aí... Atualmente, as evidências apontam que os astrólogos árabes não usavam um zodíaco sideral, como os indianos advogam. Essa conclusão, porém, é insegura, pois à época de florescimento dos autores árabes havia muita coincidência entre o zodíaco sideral (móvel) e o tropical (fixo).

Podemos ver, na Tajaka, um vislumbre de como praticaríamos astrologia com um zodíaco sideral, porém apenas no contexto da revolução solar.

o documento é protegido por leis de copyright.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …