Pular para o conteúdo principal

Sobre as Grandes Conjunções (Júpiter-Saturno) - Parte 2

Continuando nossa análise das grandes conjunções, que começou aqui nesse link.
Falávamos do movimento médio e das suas implicações na escolha das conjunções, mas não entramos na interpretação destas.

Antes de interpretarmos (bota 'antes' nisso...) há que se fazer mais uma consideração:
Qual mapa devemos usar para interpretar uma conjunção Júpiter-Saturno?
Devido à lentidão dos trânsitos Júpiter-Saturno, era difícil saber a hora exata em que uma conjunção ocorria usando apenas tábuas de posições.

Hoje em dia, com nossos programas turbinados, basta calcular a conjunção exata de Júpiter com Saturno, mas essa não poderia ser a abordagem medieval pelo motivo já explicitado no parágrafo anterior.

Como a tradição conta com muitos exemplos de interpretação usando o método medieval, é preferível nos apegarmos a ela do que construirmos algo completamente novo, com o qual não sabemos lidar. Nosso Empirismo anda de mãos dadas com a experiência prévia dos autores como ponto de partida.

O importante é que funcione.

Os astrólogos medievais não usavam a hora exata da conjunção, mas sim dois momentos significativos, sendo o mais comum o primeiro da lista:
  1. Fazer a carta de ingresso para o Sol no primeiro minuto do primeiro grau de Áries (00°Ar01') no ano em que a conjunção ocorrer.
  2. Fazer a carta do eclipse mais próxima da exatidão da conjunção.
O procedimento número 1 é o preconizado por figuras como Guido Bonatti, Masha'Allah e o 'pica das galáxias', 'príncipe dos astrólogos' Abu Ma'Shar. É quase uma unanimidade...

...Quase. O procedimento número 2 é muito interessante e tem despertado meu interesse. Ele é preconizado por uma figurinha pouco expressiva da história da Astrologia, mas que tem sido um cara muito estudado nos últimos anos: al-Battani.

al-Battani registrou a sua versão da história do islã à luz da Astrologia. O cara mostra até o que seria um mapa do profeta Maomé! Curiosidades à parte, Al-Battani promove uma reflexão sobre o método ideal para as conjunções.
Segundo al-Battani, a carta de ingresso do Sol no primeiro minuto de Áries nunca foi preconizada por Ptolomeu;
Durante muito tempo, qualquer coisa que estivesse além de Ptolomeu não era respeitada e, baseado nessa cultura de 'preciosismo Ptolomaico' que al-Battani rejeitou o uso das cartas de ingresso.

Quem faz Astrologia hoje (e tem honestidade intelectual consigo mesmo) não dá mais a mesma importância a tudo que venha de Ptolomeu. É importante MAS há autores muito bons, com métodos diferentes. Portanto, não vai considerar o que al-Battani disse como algo 'escrito em pedra', a verdade absoluta. Até porque as Cartas de Ingresso funcionam, e como!

Mas, quanto ao que ele disse sobre Ptolomeu, tem toda razão:
Ptolomeu nunca citou o uso da carta de ingresso no primeiro minuto de Áries.

O método Ptolomaico de previsões mundiais se baseava nos eclipses (Tetrabiblos, livro 2, capítulo 1)
Consideremos o que Ptolomeu disse não como uma lei a ser seguida, mas um conselho: por que não usarmos também as cartas de eclipse?

A conclusão no momento é que as cartas de eclipse e de ingresso, que são usadas anualmente, também devem ser usadas para entendermos como uma Conjunção Júpiter-Saturno funcionará.

Depois de escolhermos a técnica correta, resta saber como interpretar. Antes de interpretar o que vai acontecer, porém, ainda resta uma pergunta cabal para Astrologia Mundial: o mapa se referirá a qual país ou região? Esse é o objetivo do próximo post, junto a outros tão importantes quanto.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …