Pular para o conteúdo principal

Sobre as Grandes Conjunções (Júpiter-Saturno) - Parte 2

Continuando nossa análise das grandes conjunções, que começou aqui nesse link.
Falávamos do movimento médio e das suas implicações na escolha das conjunções, mas não entramos na interpretação destas.

Antes de interpretarmos (bota 'antes' nisso...) há que se fazer mais uma consideração:
Qual mapa devemos usar para interpretar uma conjunção Júpiter-Saturno?
Devido à lentidão dos trânsitos Júpiter-Saturno, era difícil saber a hora exata em que uma conjunção ocorria usando apenas tábuas de posições.

Hoje em dia, com nossos programas turbinados, basta calcular a conjunção exata de Júpiter com Saturno, mas essa não poderia ser a abordagem medieval pelo motivo já explicitado no parágrafo anterior.

Como a tradição conta com muitos exemplos de interpretação usando o método medieval, é preferível nos apegarmos a ela do que construirmos algo completamente novo, com o qual não sabemos lidar. Nosso Empirismo anda de mãos dadas com a experiência prévia dos autores como ponto de partida.

O importante é que funcione.

Os astrólogos medievais não usavam a hora exata da conjunção, mas sim dois momentos significativos, sendo o mais comum o primeiro da lista:
  1. Fazer a carta de ingresso para o Sol no primeiro minuto do primeiro grau de Áries (00°Ar01') no ano em que a conjunção ocorrer.
  2. Fazer a carta do eclipse mais próxima da exatidão da conjunção.
O procedimento número 1 é o preconizado por figuras como Guido Bonatti, Masha'Allah e o 'pica das galáxias', 'príncipe dos astrólogos' Abu Ma'Shar. É quase uma unanimidade...

...Quase. O procedimento número 2 é muito interessante e tem despertado meu interesse. Ele é preconizado por uma figurinha pouco expressiva da história da Astrologia, mas que tem sido um cara muito estudado nos últimos anos: al-Battani.

al-Battani registrou a sua versão da história do islã à luz da Astrologia. O cara mostra até o que seria um mapa do profeta Maomé! Curiosidades à parte, Al-Battani promove uma reflexão sobre o método ideal para as conjunções.
Segundo al-Battani, a carta de ingresso do Sol no primeiro minuto de Áries nunca foi preconizada por Ptolomeu;
Durante muito tempo, qualquer coisa que estivesse além de Ptolomeu não era respeitada e, baseado nessa cultura de 'preciosismo Ptolomaico' que al-Battani rejeitou o uso das cartas de ingresso.

Quem faz Astrologia hoje (e tem honestidade intelectual consigo mesmo) não dá mais a mesma importância a tudo que venha de Ptolomeu. É importante MAS há autores muito bons, com métodos diferentes. Portanto, não vai considerar o que al-Battani disse como algo 'escrito em pedra', a verdade absoluta. Até porque as Cartas de Ingresso funcionam, e como!

Mas, quanto ao que ele disse sobre Ptolomeu, tem toda razão:
Ptolomeu nunca citou o uso da carta de ingresso no primeiro minuto de Áries.

O método Ptolomaico de previsões mundiais se baseava nos eclipses (Tetrabiblos, livro 2, capítulo 1)
Consideremos o que Ptolomeu disse não como uma lei a ser seguida, mas um conselho: por que não usarmos também as cartas de eclipse?

A conclusão no momento é que as cartas de eclipse e de ingresso, que são usadas anualmente, também devem ser usadas para entendermos como uma Conjunção Júpiter-Saturno funcionará.

Depois de escolhermos a técnica correta, resta saber como interpretar. Antes de interpretar o que vai acontecer, porém, ainda resta uma pergunta cabal para Astrologia Mundial: o mapa se referirá a qual país ou região? Esse é o objetivo do próximo post, junto a outros tão importantes quanto.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…