Pular para o conteúdo principal

Sobre as Grandes Conjunções (Júpiter-Saturno) - parte 1


A introdução de uma teoria das Conjunções Júpiter-Saturno na Astrologia não é Ptolomaica. Veio provavelmente do império Sassânico, e é por isso que não vemos nada do gênero até os autores persas, como Abu Ma'shar e Masha'Allah.

Em outras palavras: Enquanto Ptolomeu inicia seus trabalhos no segundo século depois de Cristo, só a partir do século VII d.C. que aparecem os primeiros registros dessa teoria.

Do que ela trata?
A teoria das Grandes Conjunções fornece um modelo para entendermos as grandes mudanças da história da humanidade, nos campos ideológico, político e econômico.
A teoria das Conjunções Júpiter-Saturno pode representar:
  • O surgimento de religiões influentes como o Cristianismo e o Islamismo (esta última com inúmeros exemplos da literatura, pois os autores medievais influentes eram árabes):
  • O surgimento de nações poderosas, ou o fortalecimento de uma nação;
  • A ascensão de uma nova dinastia, que toma o poder de um determinado país e ganha força.
Mas nem tudo são flores...


Problemas técnicos

O modo chegamos a isso, porém, esbarra em inúmeras complicações.

Os problemas residem no método de cálculo dessas conjunções.

Criou-se uma discussão em torno da problemática do movimento médio dos planetas Júpiter e Saturno versus a posição real dos mesmos.
"movimento médio", como o nome diz, é a velocidade média do planeta.
Para ilustrar isso: Um carro pode viajar a 20 km por hora em 2 horas (percorrendo 40km), depois viajar a 40 km/h em mais 3 horas (percorreu 120 km). A velocidade média será o quanto ele percorreu sobre o período de tempo, portanto 120km + 40km dividido por 5h, igual a 32 km/h.

Se o carro fosse um planeta, os astrólogos podem usar o movimento médio para saber em que altura da estrada ( isto é, em que signo) ele estará, mas isso vai diferir do movimento real do carro, isto é, o quanto ele percorreu.

No exemplo acima, em uma hora, com velocidade média, o carro percorreria 32 km, enquanto, pelo movimento real, o carro percorreu apenas 20 km na primeira hora!
Em outras palavras: pelo movimento médio, a conjunção entre Júpiter e Saturno pode diferir da posição real deles.
Entretanto, alguns estudiosos da Astrologia Medieval, como Steven Birchfield, afirmam que os astrólogos se baseavam no movimento médio de Júpiter e Saturno para escolher a conjunção mais significativa.

Não temos escolha. Tenho estudado a obra de Al-Battani, um astrólogo árabe, e infelizmente todas as conjunções listadas por ele tem o movimento médio coincidindo com a conjunção real. Ou seja: usando as conjunções do nascimento do Islã, não podemos inferir qual método de cálculo é o correto, pois ambos os tipos coincidem!

Por isso que a melhor maneira até agora é ir por esse viés:
A conjunção média que coincidir com a posição real é dita importante, uma vez que as outras aparentemente não eram consideradas.
Porém, à medida em que nos afastamos do nascimento do Islã, o movimento médio deixa de coincidir com o movimento real dos planetas, e as coincidências entre o movimento médio e o real persistem, mas diminuem.

Talvez a coincidência do real com o imaginário (mov. médio) seja algo criado pelos astrólogos islâmicos: talvez eles alinhassem o movimento médio dos planetas com o movimento real na altura da criação do Islã para justificar a importância do nascimento do seu profeta, já que a posição média é algo que não existe, sendo apenas uma inferência do raciocínio humano.

Essa é a principal dificuldade no estudo das grandes conjunções, e a resposta para esse dilema tem sido escolher a coincidência da média com o real.

Mas a pergunta que não quer calar:

Para que esse tal de 'movimento médio'?

O movimento médio é um facilitador dos cálculos. Em tempos sem computador e usando tábuas astronômicas, a melhor maneira de se saber sobre a época em que uma determinada conjunção cairia era através dele.

Mas ele não era fruto da ignorância dos astrólogos, pois já naquela época, as tábuas astronômicas chegavam a resultados parecidos com os nossos, efemérides da NASA.

Por já terem um grau avançado de precisão astronômica, os astrólogos já sabiam da irregularidade do céu, então o movimento médio deveria ter outra importância. Sem ele, esse belo desenho celeste não seria possível:


É pelo mov. médio que eu chego a aproximação do intervalo de 20 anos entre duas conjunções; ainda por ele, o mesmo elemento (triplicidade) tende a receber uma série de conjunções por 240 anos, quando ela passa à triplicidade seguinte.

A mudança de triplicidade, como veremos nos próximos posts, era algo muito importante, e os astrólogos precisavam do movimento médio para saberem quando isso aconteceria, uma vez que o movimento real tornava os padrões celestes menos regulares.

Pelo movimento real, a mudança de triplicidade poderia ocorrer antes do fim do período de 240 anos, porém logo na conjunção seguinte o padrão voltaria à triplicidade anterior.

Por exemplo, pela tabela acima, em 27 de julho de 769 d.C. houve uma conjunção real na Triplicidade de Fogo (Leão), que se seguiu à triplicidade de água, Escorpião, em 10 de dezembro de 749 d.C.

Ainda analisando a figura, a conjunção seguinte àquela ocorrida em Leão retomou à triplicidade anterior, se concretizando em Peixes no dia 18 de fevereiro de 789.

Finalmente, a triplicidade de fogo veio para ficar na conjunção de Sagitário, em outubro de 809.

Pelo movimento médio, a conjunção real em Leão seria menos importante do que a conjunção em Sagitário, porque esta ocorreu tanto na realidade quanto em movimento médio. Soma-se a isso que Sagitário ocorre numa mudança de triplicidade, e devido a isso pode mostrar o nascimento de profetas, de uma religião, teoria ou nova dinastia.

É por isso que nós, humildemente, consideramos o uso do movimento médio pelos astrólogos medievais como algo proposital, mais do que um cálculo seguido à risca e com a boa fé de que fosse fidedigno.

Há um argumento filosófico importante, e esquecido até agora. O céu era visto como algo perfeito e incorruptível, um pressuposto Aristotélico que valorizava a regularidade das formas e a inteireza dos números.

O movimento médio indicava a hora certa de se escolher algo significativo

No próximo post da série, vamos falar do que é preciso para interpretar as conjunções.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …