Pular para o conteúdo principal

Como interpretar um mapa natal e fazer previsões - Parte 2: trânsitos

Os trânsitos são a técnica menos importante da astrologia, mas isso não quer dizer que ela foi pouco usada durante o período medieval e ao longo d0 percurso da Astrologia Indiana.
Quando disse que não é importante, entenda como 'não é determinante'.
Os astrólogos sabiam a posição que os trânsitos ocupam na hierarquia de técnicas - uma posição importante, mas não determinante.

Nesse artigo, vamos colocar os trânsitos no seu devido lugar. E isso não tem nada a ver com subestimá-los.

Entenda o que é determinante por esse exemplo: Eu não posso dizer que o sol, ao passar pela casa 8, indicará minha morte, só porque ele rege o meu Ascendente. Isso porque o sol passa pela casa 8 todos os anos!
Quanto mais um ciclo se repete ao longo da vida de uma pessoa, menos valioso ele é para definir mudanças importantes.
Mas os trânsitos de Saturno, Júpiter, Urano, Netuno e Plutão, por serem lentos e se repetirem pouco, serão definidores do que acontecerá com a pessoa? Também não, mas por uma razão inversa a anterior!

Uma pessoa com trânsito de Plutão na 7 poderá experimentar, a depender do signo, de 7 a 15 anos de 'mudanças drásticas nos relacionamentos'? Mesmo que a resposta seja 'sim', quais os eventos que causarão essas mudanças drásticas?

Somente pela análise de Plutão, é impossível definir. Certamente, haverá nesse longo período de 7-15 anos muitos fatos ligados ao tema da casa 7.
(Mas eu não uso Plutão porque estudo Astrologia Medieval, que considero um sistema autônomo, que não necessita de reformas nem de acréscimos de corpos celestes.
O que temos de reformar nela é o modo como os sete planetas representam questões da contemporaneidade, e isso está nas nossas cabeças, e não no esquema planetário medieval!)

Interpretando trânsitos

Os trânsitos podem trazer em si várias informações, mas existe a maneira mais comum de interpretá-los, então não complique porque há várias outras técnicas a serem usadas em conjunto.

Os indianos tem uma maneira simples de interpretar trânsitos de coisas boas e que pode ser encontrada em alguns vislumbres nas obras de Bonatti e Abu Ali al-Khayyatt:
Perceba os signos com os quais Júpiter em trânsito faz trígonos no mapa natal. As coisas que esses signos contém serão promovidas nesse ano.
Para delimitar eventos ruins, use Saturno ao invés de Júpiter.
Por exemplo: Em 2009, Júpiter transitava por Vênus no signo de Aquário e isso coincidiu com o meu casamento.

Casamentos não ocorrem somente com Vênus em conjunção com Júpiter em trânsito. Se fosse assim, seria moleza prever qualquer matrimônio.

Veja o que acontecia ao mesmo tempo:

Júpiter em trânsito por Aquário fazia oposição ao meu lote do casamento dos homens de acordo com Hermes (a fórmula para homens é Ascendente + Vênus - Saturno); Júpiter também fazia trígono com a Casa 7. Soma-se a isso que Vênus, enquanto significadora de casamento, também é regente da minha casa 7 natal.

Então nós temos três indicadores ao mesmo tempo:
  • Júpiter no mesmo signo que Vênus (que ao mesmo tempo é regente da minha 7);
  • Júpiter em oposição ao lote do casamento;
  • Júpiter em trígono com a Casa 7 e, por conseguinte, com Saturno ali incluso.
Não sei de vocês, mas a primeira reação ao ver todos esses sinais juntos seja pensar que o casamento era inadiável em 2009 .

Dá vontade de ser simplista, e considerar que apenas vendo trânsitos dá pra prever o futuro. É possível (mas improvável) agir assim.

Perceba, porém, uma coisa: em 2002, júpiter fez algumas coisas ao mesmo tempo:

  • entrou em conjunção com o lote do casamento,
  • fazia sextil à casa 7
  • fez oposição a Vênus natal.
Note que os três pontos estão sensiblizados por Júpiter, mas há seis anos atrás - e eu não me casei! O que mudou foram os tipos de aspectos.

Um sextil sempre foi considerado mais fraco, então você pode até confabular que o casamento só foi ativado porque os trânsitos representantes de eventos devem ter aspectos mais fortes, mas perceba que houve somente um tipo de aspecto diferente se comparado ao trânsito de 2009.

Qual é a conclusão disso tudo?
Os trânsitos podem até delimitar eventos mas, para termos certeza, precisamos associá-los a outras técnicas preditivas, como revolução solar, direções primárias, secundárias e firdaria.
Se quisermos usar os trânsitos para prever bons eventos, veja quando júpiter aspectar a maioria ou todos os pontos significadores do evento.
Por exemplo: se quiser prever o casamento de uma pessoa, tente ver quando é que Júpiter fará aspecto com o Lote do casamento, Vênus, a Casa 7 e o regente da 7, TUDO AO MESMO TEMPO ou o maior número possível de pontos acima.

E não se desiluda se eventos ocorrerem quando os trânsitos não indicarem suficientemente. Isso pode acontecer porque, como disse anteriormente, os trânsitos não são determinantes.

Comentários

  1. Depois de ler seu texto, fui procurar por Jupiter quando me casei no civil... e ele não estava lá... não estava em contato com o regente da 7 e nem com o regente do lote do casamento. Mas aí tive um insight: ele SÓ estaria ali, se o casamento tivesse sido bom, né?
    Parabéns, pelo texto e pelo casamento abençoado por Júpiter.

    ResponderExcluir
  2. Segundo a astrologia indiana e alguns autores da medieval, Júpiter transitando em contato com a significadora de casamento (Vênus) e muitos outros planetas que tiverem relação forte com a 7 indica casamento e, na minha experiência, independe se o casamento for bom ou ruim...

    Você cita em seu exemplo que júpiter não fazia contato com os regentes do lote do casamento e da casa 7... No meu exemplo, eu citei não os regentes, mas sim os significadores: o lote do casamento (e não seu regente), Vênus (significadora essencial de casamento que, no meu mapa, calha de ser por acidente a regente da Casa 7). Os regentes vem em segundo lugar, são importantes para confirmar.

    Se você tivesse postado seu mapa, seria mais fácil contra-argumentar ou concordar contigo.

    De qualquer forma:

    *Trânsitos são a técnica mais dependente de outras técnicas e nunca devem ser usados separadamente;
    *Obrigado pelos votos de casamento feliz, sempre se precisa deles, rs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…