Pular para o conteúdo principal

aspectos e outras coisas da astrologia: as pistas.

Quando você estiver interpretando um planeta, algumas (muitas) dúvidas podem aparecer.

Eu diria que a dúvida mais comum é especificar o que um planeta representa para a casa onde ele está.

Um planeta na casa 8 pode representar acidentes, uma morte violenta, coisas súbitas, mas se ele estiver em aspecto com um maléfico, isso é mais certeiro.

Por outro lado, se o planeta acima estiver em aspecto com um benéfico, a tendência é que ele funcione na casa 8 como representante de heranças e/ou dinheiro de sociedades.
Os aspectos servem para definir melhor o que o planeta representa. Eles não mudam a 'cor' do planeta, apenas suavizam ou a intensificam.
Eu bati a cabeça muitas vezes com os aspectos e até hoje bato, mas do jeito que eu os entendo hoje é melhor... ou menos pior.

Antes dessa perspectiva, eu rezava para não encontrar aspectos, hoje eu quero mais que eles apareçam. Sem os aspectos, o planeta fica muito... incerto.

Aspectos, partes árabes, regentes das triplicidades, hyleg, alcocoden... São muitas coisas para aprender, e muitas vezes eu achava que havia coisa demais dentro da astrologia medieval. A quantidade para mim profusa de símbolos era um revés contra meu raciocínio. Mas...
A melhor mudança que o estudante de astrologia pode ter na sua cabeça é converter esses 'inimigos' em aliados.
Quando se está começando, é natural querer que o mapa seja mais simples, com menos elementos a serem analisados.

Com o passar do tempo, e com o acúmulo de erros, o estudante aprende que todos os elementos que ele aprender nunca serão suficientes. Nenhum deles é supérfluo.

Na verdade, a Astrologia Medieval Ocidental tem menos elementos do que a Astrologia Jyotisha (indiana). Nós só usamos o mapa natal, os indianos tem vários mapas adicionais baseados no mapa natal, um para cada assunto - as famosas 'cartas divisionais'.

Os indianos são o exemplo extremo do excesso de itens. A quantidade de elementos a serem analisados é tão grande que a maioria dos astrólogos escolhem apenas alguns itens e deixam de usar outros.

Por exemplo, quando se quer saber a força de um planeta, existem quatro maneiras famosas:
  • Ashtakavarga
  • Shad Bala
  • Varga Bala
  • Avasthas
A maioria dos autores dão importância ao shad bala, mas eu tenho de confessar que em todos os exemplos de interpretação que eu vi ninguém usou todo o shad bala.

O ashatakavarga é interessante, mas pelo que parece o mais comum é usá-lo nas previsões mais do que na interpretação natal.

O varga bala pra mim é muito importante, mas não vejo as pessoas usando muito.

Os avasthas são 'estados de espírito' dos planetas. Seriam sentimentos deles, como se fossem pessoas. Tem o avastha 'deprimido', 'triste', 'com desejo de dançar'...

P. V. R. Rao diz que cada um dos itens acima refletem facetas do planeta, e sua importância não deve ser confundida.

Quando eu tenho que fazer uma coisa espontaneamente, vai contar mais a minha vontade e ânimo de fazê-lo, então o avastha é importante, mas quando eu vou trabalhar, preciso cumprir a minha função mesmo se eu não tiver disposição - o que torna o avastha desprezível.

Temos que aprender com os indianos muitas coisas, mas a principal é que as coisas tem funções diferentes mas que, no final, se somam em ressonância para representar uma situação complexa. A vida nem sempre é simples.

Comentários

  1. Oi, tudo bem? Cheguei a mandar um email meio grande procê, mas não obtive resposta. Acho que abusei da sua boa vontade. ;-0

    Olha, esse negócio de vocês não considerarem Urano qubra total o meu mapa porque esse planetinha faz oposição ao meu Mercúrio e Sol na 8 e tem um suuuupersentido.

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Não ando com cabeça pra nem pra escrever, Gisela, então fico feliz que você tenha compreendido, sem sarcasmo mesmo.

    Bom, deve fazer sentido mesmo esse aspecto Mercúrio-Urano, mas a Astrologia Medieval é um sistema fechado e que pode chegar ao mesmo resultado que a moderna usando menos elementos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…