Pular para o conteúdo principal

Programas de astrologia - parte 2: Janus

Atenção: as figuras abaixo podem não ser vistas com zoom, como acontecia anteriormente. Sugiro que o leitor tenha o feed por email do blog, cujos emails possuem imagens que podem ser ampliadas.

Se esse post for apenas uma declaração do programa que atende às minhas necessidades, seria um merchadising gratuito, e não sou otário pra falar coisas do gênero de graça.

Claro que estou me coçando aqui pra falar minha opinião...

Também nem é difícil deduzir, pelas figuras que eu posto aqui, que meu programa predileto é o solar fire (SF), mas com restrições que direi a seguir. Qualquer versão a partir da 5 é decente... Uso a mais recente possível, mas isso não tem feito muita diferença nas últimas 3 versões...

Eu não posso falar dos programas que não usei - isso inclui aqueles cuja pirataria é impossível de ser obtida, como o Placidus. Não sou louco de sair comprando programas porque eles são muito caros pro brasileiro comum, e até 2007 eu era um brasileiro levemente acima da linha da pobreza. Programa era só pirata, e olhe lá.

O fato é que muita gente, com todo o dinheiro que possa ter, se recusa a gastar com programas de astrologia. Acho que isso é uma questão de indignação. Os programas são caros e as pessoas costumam usar esporadicamente, ou mesmo usando regularmente, elas acham o preço indigno.

É como o preço dos produtos da Apple no Brasil. Sabia que eles poderiam ser mais baratos? Sabia que o preço abusivo do iPad e do iPhone é uma questão simplesmente de status agregado ao valor?

Os representantes idiotas da Apple preferem elitizar o produto ao invés de disseminá-lo pelo Brasil. Aliás, idiota sou eu. É mais barato pra eles: Quanto menos gente, menos lojas de suporte e assistência técnica.

Dentro dos programas de astrologia, também há coisas parecidas. Falo em termos de status e mitos.

Venderam o Janus como o programa que o Robert Zoller recomenda, ideal para astrologia medieval. Balela. O Solar Fire faz as mesmas coisas e muito mais.

De qualquer forma, você pode gostar do Janus, ele tem coisas boas, é bem feitinho e por isso tudo é bom descrevê-lo também. Essa (primeira figura) é a tela inicial, cujo tipo de mapa e cor de fundo já foram por mim modificados.
A propósito: o Janus agora está a venda por 149 dólares. É o menor preço já visto.
Finalmente, eles aprenderam que não adianta lutar contra os piratas...
Espero que seja uma tendência geral...
O Janus dispõe seus conteúdos de forma mais organizada e estanque, o que facilita a localização.

Ele é organizado em módulos, cada um deles dedicado a uma escola de astrologia ou uma vertente astrológica em particular.

O Solar Fire é organizado em modalidades de procedimentos.

Em outras palavras: o Janus separa os conteúdos por estilos de astrologia. Tem uma janela só pra medieval, uma só pra cosmobiologia, uma só pra horária, etc.

O Solar Fire separa o conteúdo por tipo de técnica e, nessa escolha, mistura as escolas diferentes. Na mesma janela em que você vê as direções primárias medievais, vai ver as modernosas progressões terciárias!

Esses dois modos diferentes de organização trazem implícitas duas maneiras de ver a astrologia: misturando tudo, usando várias abordagens (Solar Fire) ou sendo purista, organizado e não transformando sua técnica num samba do crioulo doido (Janus).

Existem dois sistemas de Casas denominados 'Alchabitius', sendo que a maioria dos programas possui apenas o 'Alchabitius Semi-Arco'.

O único 'plus' que o Janus tem em relação ao Solar Fire e a outros programas é o sistema de Casas Alchabitius Declinação. Aliás, nenhum programa além do Janus dispõe desse sistema de Casas...

Segundo Steven Birchfield, esse sistema é o recomendado por Abu Ma'shar.

Só vi esse sistema fazendo diferença uma vez na interpretação. Depois disso, nunca mais.

As cúspides dele podem cair em outros graus e isso pode mudar os regentes dos termos, um detalhe nem sempre importante...

Veja bem: o SF tem Alchabitius, mas não é 'declinação'! É o Alchabitius 'Semi-Arco', que você encontra na maioria dos programas.

Janus ficou famosinho porque ele tinha um módulo de astrologia medieval, com o famoso mapa quadrado (conforme a segunda figura) que o Robert Zoller popularizou no seu curso.

Dá pra ver que o mapa quadrado é uma merda pra se ver aspectos, além de confundir: planetas na cúspide de uma casa são colocados ainda no meio do espaço da casa anterior, como a minha Vênus em Aquário na cúspide da 11, que no mapa acima, está na 10...

O mapa quadrado é chic, por reverenciar o modo de se desenhar mapas na idade média. Uma sofisticação vintage... (papo estranho...).

O módulo medieval do Janus tem uma ferramenta que estipula a profecção que o nativo está vivendo no momento pela idade (vide terceira figura), o que simplifica um pouco as coisas. As profecções estão corretas. O Solar Fire concebe a profecção de um modo contínuo e por isso não dá a mesma ferramenta.

A Partir da versão 4, ele passou a listar partes árabes citadas pelo Bonatti no Tratado 8 do Liber Astronomiae. (vide figura abaixo)
É a maior coletânea de partes árabes desde Al-Biruni e Paulus Alexandrinus.
O livro de Bonatti sobre as partes árabes pode ser encontrado no link acima (traduzido por Benjamin Dykes) ou aqui, traduzido para o inglês pelo Robert Zoller.
Finalizando, as direções primárias do Janus, a partir da versão 4, são calculadas corretamente segundo a perspectiva medieval.


O leitor pode perceber na figura 4 as configurações que uso quando recorro às direções primárias (raramente...).

O conteúdo do módulo medieval no Janus é melhor disposto que no solar fire. Só que o Solar Fire tem as mesmas coisas que o Janus... e muito mais.

Agora, meu caro, o Solar Fire te possibilita ir além, mas com restrições. Quem sabe mexer nele, simplifica sua prática no dia a dia. É o tema do próximo post sobre programas.

Comentários

  1. Olá. Espero que esteja bem e com Saúde. Ficaria muito grato se pudesse me ajudar. Fiz o cálculo de um Mapas Natal em dois programas. O pégasus e o Janus. Deu diferença no ascendente. A pessoa nasceu em 27.02.1989 as 16:15 no rio de Janeiro - RJ. No Janus deu ascendente em Câncer; e no pégasus deu Ascendente em Leão. Fiz tentativas de cálculo em sites diferentes alguns realmente dão câncer outros leão. E Leão entrando com somente dois graus. è uma diferença mínima, mas crucial. A que se deve isto? Muito agradecido desde já. Renato

    ResponderExcluir
  2. Olá, obrigado pelos votos. O Janus tem a reputação de ser muito preciso; quanto ao Pégasus, desconheço. Nunca trabalhei com ele.

    Vejo muitos astrólogos usando o Janus, mas até hoje, só vi um astrólogo usando o Pégasus. Como está no artigo, Robert Zoller usa e defende o Janus (questão de merchandising, mas mesmo assim é uma informação importante).

    Se você não está lidando com os cálculos a mão, é muito difícil questionar. Você fica à mercê da informação de terceiros, que pode não ser tão correta assim. Tudo isso pra dizer que o Pégasus, apesar de não ter tanto prestígio, pode ser um excelente software, embora seja a minha última escolha, pois faço tudo com Solar Fire, Kala, Delphic Oracle ou Janus.

    Portanto, eu recomendo a você que compare os ascendentes usando programas de maior prestígio entre os astrólogos: faça o mesmo mapa no Solar Fire, ou no Kepler, e no Janus. Se você manteve os mesmos dados nos dois casos sem se enganar (data, hora e local de nascimento, com o fuso horário corretos), aposto que o Ascendente será o mesmo, com uma diferença muito pequena, quase desprezível. E esqueça o Pegasus.

    ResponderExcluir
  3. Ola Rodolfo
    Num de seus artigos (não lembro qual) ví um mapa que tinha os signos, termos e faces (se não me engano).
    Agradeceria se você dicesse em qual programa tal mapa pode ser visto.
    Abraços
    Mihail

    ResponderExcluir
  4. Olá Rodolfo,

    Embora o tempo passou, preciso comentar sobre este assunto.
    Hoje, é muito difícil ter erros significativos nos cálculos dos mapas, a diferença mínima de segundos pode acontecer devido à rotina de arredondamento utilizada nos programas.
    No mapa em questão, muito provavelmente um programa fez o ajuste automático de H.V. e o outro não, embora na época não existia.
    Trabalho com programas astrológicos, inclusive dou suporte ao Pegasus e, a grande maioria de erros encontrados pelos usuários são causados por informações fornecidas erradas.
    Entre elas, nem sempre a lat/long. da cidade e fuso são iguais nos dois programas.
    A outra questão é em relação ao horário de verão, em alguns a informação é automática, mas nem sempre é a correta e outros é preciso fazer a mudança manual. Por isso é muito importante saber exatamente qual é o fuso em vigor na época do nascimento e NÃO confiar em uma única informação.

    Abraços, Alexandre

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…