Pular para o conteúdo principal

O template definitivo da nova fase do blogue

Não se estranhe. Esse site ainda é o Astrosphera, aquele site alaranjado que você costumava entrar para ler artigos sobre astrologia medieval e clássica; a diferença é superficial, no novo template.

Um template poderia ser traduzido como um 'modelo', no qual todo o conteúdo se processa conforme seus ditames. Por esse template, o título do artigo tem de ser em fonte Paladino Linotype 36 azul claro. Da mesma forma, todos os outros textos ganham cores e formas a depender das funções que tenham na página.

O novo template foi criado com o software Artisteer, que recomendo como a melhor ferramenta para desenvolvedores web que não manjam de programação (VOCÊ, dono de blogue).

A palheta de cores contém salmão, azul e cinza, nas suas variações (por exemplo, o salmão escurecido fica marrom, como no background do site).

Eu resolvi tirar o rótulo antigo com uma certa ousadia, porque ele marcou muito a identidade do site. Ele está guardado, e futuramente posso reutilizá-lo, com as devidas adaptações.

Talvez você esteja se perguntando porque a mudança. A razão é simples. Receio que não mudo o design do blogue há mais de três anos. Nada como uma refrescada no visual...

A escolha do desenho atual se baseia na grande paixão que todo bom astrólogo deve ter além de estudar e praticar astrologia: entrar em contato com livros antiquíssimos, empoeirados, cujas edições já estão esgotadas. As pessoas que estudam astrologia antiga perceberão que esse é um tema que se repetirá nas suas vidas e por isso tem de permear todo o blogue. Por isso, o fundo camurça com manchas serve para lembrar as capas dos livros usados, que compramos nos famosos 'sebos'.

(Na verdade, o interesse em Astrologia Clássica e Indiana é relativamente recente no Ocidente, e os livros tendem a ser novos em folha. Mesmo assim, muitos deles tem mais de mil anos desde que foram redigidos, então vamos pensar que poderíamos encontrá-los assim numa livraria próxima da sua casa...).

Resolvi colocar duas barras laterais porque as janelas paralelas do blogue são pequenas, assim todas ou a maioria das janelas ganham destaque logo de imediato, com a devida organização. A barra principal (onde fica esse artigo) é estreita e com alinhamento à esquerda para facilitar leitura.

Enfim, vamos ver no que vai dar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …