Pular para o conteúdo principal

O eclipse, o ingresso e as enchentes do Rio


Não tenho o costume de estudar Astrologia Mundial da mesma forma que natal. As razões para isso são muitas; entretanto, há que se admitir que o último eclipse em Câncer possui uma grande sincronicidade com o que está ocorrendo no Rio de Janeiro; isso me desviou um pouco dos meus estudos de astrologia natal temporariamente.

É engraçado como os símbolos podem se manifestar de um modo muito concreto.

Na verdade, a frase anterior deveria ser modificada. Deveríamos falar "é engraçado como às vezes os eventos astrológicos se manifestam apenas psicologicamente" porque, antes das cabeças egocêntricas há o mundo, cheio de eventos que podem ser representados astrologicamente e até mesmo - vejam vocês - previstos, como fazem os indianos há muito tempo.

Vamos postar a carta de ingresso do Sol em 00° Áries, no zodíaco tropical e com as cúspides do sistema de Casas Alchabitius.


De acordo com a tradição, se o Ascendente da carta do Sol em 00°Ar00'01'' for um signo Cardinal, devemos fazer 4 cartas de ingresso, uma para cada trimestre (entre março de 2010 e março de 2011). Pois se assim for verdade, estamos no último trimestre do ano astrológico que começou em 2010, valendo a carta de ingresso de capricórnio, que vem a seguir.

Apesar dessa ser a carta de ingresso mais adequada, não se nota a presença de marte no ascendente, que para mim é 'patognomônico' de calamidades. Mais adiante, o leitor verá o porquê.

Talvez o uso de cartas de ingresso secundárias deva sempre obedecer ao que a carta de áries prometa, mesmo que seu ascendente seja cardinal. A carta de Áries indica claramente o ocorrido.

Queria enfatizar que houve quatro eclipses em 2010, sendo a maioria no eixo capricórnio-Câncer. Entretanto, nem sempre isso será indicativo de uma desgraça dessa amplitude, como a que ocorreu na Região Serrana do Rio de Janeiro.

Para entendermos o que ocorreu com maior clareza, existe um outro fator que poderia ser visto pela primeira carta de ingresso, a do Sol em Áries. Nela, conta-se com a presença de marte no Ascendente em 00°Leão, ainda na primeira casa do mapa por divisão.

Marte no Ascendente possui dignidade de triplicidade no Ascendente Câncer e é qualificado para ser o Regente do ano, pois ainda está na primeira casa pela divisão celeste chamada 'Alchabitius'.

O Regente do ano é o planeta que representará o estado das pessoas da localidade do Estado do Rio de Janeiro. Sendo regido por um maléfico, o ano não será bom, pois isso é indicativo de calamidades.

Na análise desse Marte, mais uma vez não é a técnica empregada que fará diferença, e sim o talento do Astrólogo.

Note que, apesar de marte estar em Leão, ele está em Câncer no zodíaco sideral. Soma-se a isso que o Ascendente em Câncer no zodíaco tropical per se já denota problemas ligados ao elemento água. Usando-se o zodíaco sideral, isso não seria diferente, pois o ascendente seria o mesmo e marte estaria em Câncer ao invés de Leão.

Talvez Marte em Leão soe um pouco sem sentido para você mas, combinado ao que o Ascendente Câncer representa e usando interpretações clássicas, faz bastante sentido.

Tanto para os indianos quanto para astrólogos ocidentais como Lilly, o signo de fogo é indicativo de grandes altitudes, e portanto a localização da tragédia poderia ser deduzida para as colinas e morros com antecipação.

Soma-se a isso, para os indianos, que marte se localiza no zodíaco tropical no problemático ponto chamado 'gandanta', que se localiza nos limites entre os signos de água e de fogo - ou seja, entre áries e peixes, Câncer e Leão e Escorpião e Sagitário. Pessoas que nascem com a Lua em Gandanta costumam ter morte precoce, sem outras condições que remediem isso.

Marte no Ascendente dessa carta lembra o que ocorreu no ingresso de Áries para o Sri Lanka, ocorrido em 2004 e que indicou o Tsunami que varreu o Sudeste Asiático, que pode ser visto abaixo:

Nesse mapa, a presença de Saturno em Câncer no Ascendente representou o Tsunami de 2004, que teve repercussão muito maior do que as enchentes do Rio.

Enquanto nós temos mais de 600 mortos, o tsunami chegou a 150.000, até que a Indonésia incluiu mais 70.000 pessoas desaparecidas, chegando à cifra astronômica de 220.000 mortos (fonte = Wikipedia, esta embasada em bibliografias confiáveis).

O Sri Lanka foi um dos países mais afetados, junto com a Índia e a Indonésia, e por isso não é errado computarmos o mapa com a longitude de uma das cidades desse país.

Note que o zodíaco tropical é o melhor para a representar a tragédia do que o sideral, pois a presença de Saturno em Câncer se sincroniza melhor com o maremoto do que Saturno em Gêmeos, que indicaria a corrupção do ar e problemas tecnológicos e educacionais.

Para quem acha que está perdendo no uso do zodíaco tropical, os mapas de ingresso e sua simbologia concreta são uma grande evidência.

Estamos preocupados com a manifestação dos maléficos indicada pelo signo por onde eles passam. Por mais que o ingresso do sol em Áries seja em outras datas que não aquelas indicadas acima, os maléficos marte e saturno continuariam nos mesmos signos dos mapas acima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …