Pular para o conteúdo principal

O blogue de cara nova em 2011

vou começar esse post citando os versos do 'Canto de Ossanha', de Vinicius de Moraes:

O homem que diz "dou"
Não dá!
Porque quem dá mesmo
Não diz!
O homem que diz "vou"
Não vai!
Porque quando foi
Já não quis!
O homem que diz "sou"
Não é!
Porque quem é mesmo "é"
Não sou!
A vida me ensinou que falar antes de fazer geralmente não dá certo, e o Canto de Ossanha consagrou esse pensamento obsessivo muitos anos antes de eu nascer. Alguns psicanalistas dirão que isso é uma baita superstição, e que faremos as coisas independentemente falarmos ou não. Todavia... A minha parca e presunçosa experiência mostra que, quanto menos falar, mais concreto será.

Um leigo explicaria isso com termos imprecisos. O leigo aqui diria que, quando falamos, gastamos a energia que despenderíamos fazendo as coisas. Quando falamos aquilo que sequer iniciamos, a energia incipiente da forma embrionária se esvai nas palavras.
Eu não tenho medo dos absurdos que falo, mas sim daqueles que sequer balbucio.
Engana-se quem diz que há poder nas palavras! O poder do ser humano está nos pensamentos, mas talvez passemos anos tentando manipular o incontrolável: a mente, a casa dos pensamentos.

Não quero que o leitor suponha que eu compro livros do tipo 'o poder do pensamento positivo'... Penso que as maneiras de se controlar a mente talvez esteja no controle de onde vai minha atenção, no exterior, e não em livros da prateleira de auto-ajuda.

Mas o blogue não é sobre auto-ajuda, graças a Deus. Todo esse blablablá é tradicional dos períodos de transição. É bom dizer besteiras no ano-novo, e receio ter esgotado minha quota de verborragia. Todo o nhemnhemnhém serve apenas para dizer que não falarei a respeito dos projetos que possivelmente implementarei, mas que eles estão a caminho em tempo indeterminado.

O novo layout do blogue (criado pelo software Artisteer) é um exemplo do que não falei. Espero que gostem. E feliz ano-novo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …