Pular para o conteúdo principal

O blogue de cara nova em 2011

vou começar esse post citando os versos do 'Canto de Ossanha', de Vinicius de Moraes:

O homem que diz "dou"
Não dá!
Porque quem dá mesmo
Não diz!
O homem que diz "vou"
Não vai!
Porque quando foi
Já não quis!
O homem que diz "sou"
Não é!
Porque quem é mesmo "é"
Não sou!
A vida me ensinou que falar antes de fazer geralmente não dá certo, e o Canto de Ossanha consagrou esse pensamento obsessivo muitos anos antes de eu nascer. Alguns psicanalistas dirão que isso é uma baita superstição, e que faremos as coisas independentemente falarmos ou não. Todavia... A minha parca e presunçosa experiência mostra que, quanto menos falar, mais concreto será.

Um leigo explicaria isso com termos imprecisos. O leigo aqui diria que, quando falamos, gastamos a energia que despenderíamos fazendo as coisas. Quando falamos aquilo que sequer iniciamos, a energia incipiente da forma embrionária se esvai nas palavras.
Eu não tenho medo dos absurdos que falo, mas sim daqueles que sequer balbucio.
Engana-se quem diz que há poder nas palavras! O poder do ser humano está nos pensamentos, mas talvez passemos anos tentando manipular o incontrolável: a mente, a casa dos pensamentos.

Não quero que o leitor suponha que eu compro livros do tipo 'o poder do pensamento positivo'... Penso que as maneiras de se controlar a mente talvez esteja no controle de onde vai minha atenção, no exterior, e não em livros da prateleira de auto-ajuda.

Mas o blogue não é sobre auto-ajuda, graças a Deus. Todo esse blablablá é tradicional dos períodos de transição. É bom dizer besteiras no ano-novo, e receio ter esgotado minha quota de verborragia. Todo o nhemnhemnhém serve apenas para dizer que não falarei a respeito dos projetos que possivelmente implementarei, mas que eles estão a caminho em tempo indeterminado.

O novo layout do blogue (criado pelo software Artisteer) é um exemplo do que não falei. Espero que gostem. E feliz ano-novo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…