Pular para o conteúdo principal

evidências do zodíaco tropical.

Esse post serve para mostrar que eu não estou 'arrastando a aba' apenas para o zodíaco sideral só porque me interesso por Astrologia Indiana...

Vamos enumerar aqui algumas boas razões para você se sentir seguro na hora de usar o zodíaco tropical:
  • Como visto no artigo anterior, as catástrofes naturais foram representadas de um modo satisfatório pelo zodíaco tropical.
As duas tragédias naturais envolvendo água - as enchentes e os deslizamentos de terra no Rio e o Tsunami de 2004 no sudeste Asiático - eram indicadas pela presença de maléficos em Câncer, um signo Cardinal de Água.
  • A correlação entre as partes do corpo e os signos também tem se mostrado fidedigna no tropical.
Se usarmos métodos de interpretação clássica, as partes do corpo associadas a cada signo seriam melhor indicadas pelo zodíaco tropical.

Por exemplo, o Signo de Aquário representa a Tíbia, e no meu mapa natal ele abriga Vênus, dispositora do Lote da Fortuna.

Para Vettius Valens, o Signo e o Regente do Lote da Fortuna indicarão as partes do corpo mais suscetíveis.

No ano de 2007, como muitos já sabem, sofri uma fratura de tíbia e em seguida duas osteomielites na perna direita.

William Lilly reputa a segunda metade de Aquário à perna direita e, de fato, minha Vênus fica em 20° Aquário.

Quero deixar claro aos leitores que essas evidências não descartam o uso do zodíaco sideral, mas sim mostram que podemos usar os signos tropicais ainda com segurança.

Tal qual faz a escola de Hamburgo, A astrologia pode ser feita sem os signos, porém se perde em complexidade.

Em verdade, a Astrologia que nós praticamos pode ser praticada com a menor recorrência aos signos possível, apenas usando aspectos e posição. Essas práticas, porém, a simplificaria de tal forma que um julgamento mais acurado seria mais díficil.

Assim sendo, é importante percebermos não qual é o zodíaco 'verdadeiro', mas sim qual é o mais adequado ao nosso estilo.

A Astrologia Medieval e Clássica se situa no cerne dessa preocupação porque na época em que vigorava com força havia grande coincidência entre ambos os zodíacos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …