Pular para o conteúdo principal

Sempre busque por uma confirmação

O trabalho de astrólogo é como o de um detetive. Diante de si, um mapa celeste esconde uma trama que ele precisa desvendar.

Como todo trabalho de um detetive, é necessário pistas ou evidências. Apenas uma pista não é suficiente para saber o que ocorreu ou o que ocorrerá. A astrologia se processa na mesma dinâmica.

Qualquer sinal dentro do mapa precisa de mais de uma confirmação para que ele seja interpretado corretamente. Antes de ser confirmado, as interpretações não são acusações: são apenas suposições, especulações. Enquanto você não perceber dessa forma e dizer ao consulente cada suposição como uma acusação, cairá no risco de dizer devaneios e causar muito temor desnecessário.

Vamos estruturar esse processo de investigação, a começar pelos elementos necessários para se julgar um mapa corretamente:
  1. Os aspectos ligam planetas e casas e, portanto, conectam assuntos diferentes.
  2. A presença de um planeta no signo do outro liga esses dois. A ligação será mais forte ainda se for recíproco, isto é, o planeta A estiver no signo de B e o planeta B no signo de A. Isto é chamado no Ocidente de Recepção Mútua mas, na Índia, é chamado de Parivartana Yoga. Na Índia, há Parivartana mesmo que o planeta A não aspecte B e vice-versa.
Esses dois itens são as ligações entre os assuntos. Abaixo, vamos ver os pontos que representam os assuntos:

Os planetas representam um assunto de três formas:
  1. O planeta pode significar naturalmente o assunto. A isto, damos o nome de karaka. Por exemplo, a Lua significa a mãe do nativo, Sol o pai, etc. Para saber qual planeta é karaka de qual assunto, é necessário ler os clássicos de Astrologia, como Saravali, que possuem listas intermináveis de karakas para cada assunto.
  2. O planeta pode estar na Casa que representa o assunto. Vênus na Casa 9 pode representar o pai, mas lembre-se que isso é uma suposição.
  3. O planeta pode reger a Casa que representa o assunto.

Além dos planetas, temos mais dois tipos de pontos abstratos, isto é, pontos que não existem fisicamente, criações humanas. São eles:
  • As Casas (Bhavas);
  • As imagens das Casas. (Arudhas).
Agora você saberá como usar tudo isso. Mas antes, você precisa saber o que cada casa e planeta representa. Isso é conseguido estudando os textos que já citei por aqui algumas vezes. De qualquer forma, cada passo da interpretação é fácil. O difícil mesmo é juntar todas as pistas e fazer um julgamento. Vamos citar um exemplo, para facilitar.

Vamos supor que o regente da Casa 4 está na Casa 6. Isso pode indicar que a mãe do nativo é uma pessoa que pode adoecer ou ser muito belicosa. Como saberemos o que realmente acontece? Se o regente da Casa 4 estiver configurado com maléficos, então a mãe pode ser alguém que adoecerá com facilidade. Isso porque maléficos significam naturalmente (karaka) doenças, principalmente Saturno e Rahu. Marte é significador de brigas, mas isso

Por outro lado, a Casa 6 pode representar os irmãos da mãe. Ter, portanto o regente da 4 na 6 pode significar que a mãe é uma pessoa que terá um envolvimento especial com esses irmãos. Estou falando de algo além do vínculo sanguíneo, obviamente (podem ser sócios, morar juntos quando adultos, etc). E como vamos confirmar isso? Para sabermos com certeza, precisamos observar no mapa se a Lua (karaka da mãe) ou a Casa 4 possuem relação com um significador da Casa 6 específico para parentes. Mercúrio representa parentes, mas dependerá do ponto com o qual ele se configurar. No caso, se mercúrio se configurar com a Lua, serão os parentes da mãe. Ao mesmo tempo, isso confirma que a Casa 6 nesse caso representa os parentes da mãe e que ela terá um envolvimento maior com eles.

Os planetas estarão configurados pelas Casas e com outros planetas por aspecto, conjunção e parivartana, como previamente dito. E assim você vai analisando cada assunto e delineando a vida da pessoa que estiver diante de você.

O que vier em seguida será apenas uma extensão desse princípio, que chamei de princípio da confirmação:

Para saber se A está ligado a B, é necessário dois ou mais pontos de vista que mostrem essa ligação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…