Pular para o conteúdo principal

Aprendendo coisas 'da terra' (mas com estrangeiros)

Dentro da Astrologia Védica, existe uma vertente que é especializada em prever eventos numa frequência anual, usando a posição natal do sol. Isto nada mais é do que a famosa revolução solar, que os indianos chamam de Tajaka, Tajika ou Varsha Pala (esta última significa 'ingresso anual'). Os leitores que desconhecem astrologia védica e estudam somente a medieval, porém, terão um susto ao perceber que o ramo 'Tajaka' da indiana tem mais coisas em comum com a nossa Astrologia Clássica do que poderia supor. As similaridades são tantas que pode-se chegar ao absurdo de aprender astrologia clássica do ocidente estudando essa técnica... indiana.

Sim, a Tajaka tem sua profecção, que é chamada de Muntha. Além dessa, existe uma profecção específica dos indianos, ensinada por Parasara, chamada de Sudarsana Chakra, que é a profecção do Ascendente, Sol e Lua em conjunto. Esses dois métodos se destinam ao mesmo propósito, que é refinar quando acontecerão eventos prometidos por períodos de tempo maiores que um ano.

Tanto a Saudarsana quanto a Muntha nada mais são do que profecções anuais, e a muntha se parece mais ainda com a profecção ocidental por também ter um 'regente do ano'. A diferença é que os indianos tem critérios de escolha claros para o regente do ano - que eles chamam de 'Varsheswara' - enquanto o critério de escolha para o RA da profecção tende a ser mais simples - muito mais simples.

Eu diria que a descoberta dessa diferença de critérios de escolha não fará com que eu use a profecção de outra forma que não seja a antiga, pois não gosto de misturar duas escolas de astrologia diferentes, por mais que sejam parecidas. Contudo, a Tajaka é tão similar ao que fazemos na Astrologia Medieval, que é inevitável não aprender com ela: talvez os critérios de escolha do Varsheswara nos ajudem a equacionar o problema de perceber qual é o planeta mais forte para uma casa em particular, seja ela qual for. Abaixo, eu vou colocar alguns critérios e tentar adaptá-los para a astrologia medieval:

Uma casa tem vários significadores. Então é preciso ver qual deles é o mais forte e que influenciará o destino das coisas indicadas pela casa. Assim sendo, abaixo há um algoritmo que nos ajuda a perceber como se dá esse processo.

  1. Separe todos os regentes da cúspide da casa (exaltação, domicílio, triplicidade, termo, face) e seus significadores (exemplo: marte para irmãos na casa III, júpiter para filhos na V, etc.)
  2. Agora veja aqueles que aspectam a casa. Ignore os que não aspectam a priori.
  3. O planeta que aspectar a casa e que estiver mais dignificado será o significador da casa.
  4. Se dois planetas tiverem um mesmo número de dignidades, aquele que aparecer o maior número de vezes na lista de regentes da cúspide da casa e de significadores será o significador eleito.
  5. Se nenhum dos candidatos fizer um aspecto benéfico na casa, pode-se aceitar um aspecto 'maléfico' (quadratura e oposição).
  6. Se nenhum dos candidatos aspectar a Casa, escolheremos o candidato com o maior número de dignidades.
  7. Se nenhum dos candidatos aspectar a casa ou tiver dgnidade essencial, devemos escolher o candidato que seja do mesmo séquito que o mapa (júpiter, sol e saturno são diurnos, lua, vênus e marte noturnos, mercúrio a depender de quem ele aspectar ou se associar).

Vamos delinear um mapa aleatório:



Vamos usar dessa vez o zodíaco tropical e analisar a Casa 3 (irmãos) desse nativo. O sistema de Casas é Alchabitius.

Casa 3 (20°Gêmeos35')
  1. Domicílio = Mercúrio
  2. Exaltação = 0
  3. Triplicidade = Saturno - Mercúrio - Júpiter
  4. Termo = marte
  5. Face = Sol
  6. Significador de irmãos = Marte
Podemos incluir na lista em questão outros pontos ligados ao irmão, como o Lote dos irmãos (Ascendente + Júpiter - Saturno), mas isso só serve para aumentar nossa certeza.

Saturno está exaltado - tem dignidade, se comparado aos outros planetas da lista - e aspecta a cúspide da casa 3 com aspecto benéfico (trígono). O sol também está dignificado, mas ele aspecta com sextil, mais fraco que o trígono. Isso é suficiente para mostrar Saturno como significador dos irmãos. E o que isso implica? Sempre que eu estudar as técnicas de previsão e Saturno for evidente, eu sei que haverá algum conteúdo de casa 3 associado, principalmente irmãos.

No ano de 2005, meu irmão teve que tomar decisões importantes na sua vida acadêmica, e isso veio acompanhado de uma pequena crise, que terminou bem. A Firdaria que estava ativada no meu mapa era Mercúrio-Saturno. Mercúrio é o regente da Casa 3 com maior dignidade na cúspide da Casa 3, enquanto Saturno é o significador dos irmãos como visto acima. Isso mostra a aplicação da técnica. Mercúrio, enquanto regente da 3 no exemplo sempre será importante para a Casa 3, mas Saturno delimita com maior precisão quando os eventos podem ocorrer.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…