Pular para o conteúdo principal

Aprendendo coisas 'da terra' (mas com estrangeiros)

Dentro da Astrologia Védica, existe uma vertente que é especializada em prever eventos numa frequência anual, usando a posição natal do sol. Isto nada mais é do que a famosa revolução solar, que os indianos chamam de Tajaka, Tajika ou Varsha Pala (esta última significa 'ingresso anual'). Os leitores que desconhecem astrologia védica e estudam somente a medieval, porém, terão um susto ao perceber que o ramo 'Tajaka' da indiana tem mais coisas em comum com a nossa Astrologia Clássica do que poderia supor. As similaridades são tantas que pode-se chegar ao absurdo de aprender astrologia clássica do ocidente estudando essa técnica... indiana.

Sim, a Tajaka tem sua profecção, que é chamada de Muntha. Além dessa, existe uma profecção específica dos indianos, ensinada por Parasara, chamada de Sudarsana Chakra, que é a profecção do Ascendente, Sol e Lua em conjunto. Esses dois métodos se destinam ao mesmo propósito, que é refinar quando acontecerão eventos prometidos por períodos de tempo maiores que um ano.

Tanto a Saudarsana quanto a Muntha nada mais são do que profecções anuais, e a muntha se parece mais ainda com a profecção ocidental por também ter um 'regente do ano'. A diferença é que os indianos tem critérios de escolha claros para o regente do ano - que eles chamam de 'Varsheswara' - enquanto o critério de escolha para o RA da profecção tende a ser mais simples - muito mais simples.

Eu diria que a descoberta dessa diferença de critérios de escolha não fará com que eu use a profecção de outra forma que não seja a antiga, pois não gosto de misturar duas escolas de astrologia diferentes, por mais que sejam parecidas. Contudo, a Tajaka é tão similar ao que fazemos na Astrologia Medieval, que é inevitável não aprender com ela: talvez os critérios de escolha do Varsheswara nos ajudem a equacionar o problema de perceber qual é o planeta mais forte para uma casa em particular, seja ela qual for. Abaixo, eu vou colocar alguns critérios e tentar adaptá-los para a astrologia medieval:

Uma casa tem vários significadores. Então é preciso ver qual deles é o mais forte e que influenciará o destino das coisas indicadas pela casa. Assim sendo, abaixo há um algoritmo que nos ajuda a perceber como se dá esse processo.

  1. Separe todos os regentes da cúspide da casa (exaltação, domicílio, triplicidade, termo, face) e seus significadores (exemplo: marte para irmãos na casa III, júpiter para filhos na V, etc.)
  2. Agora veja aqueles que aspectam a casa. Ignore os que não aspectam a priori.
  3. O planeta que aspectar a casa e que estiver mais dignificado será o significador da casa.
  4. Se dois planetas tiverem um mesmo número de dignidades, aquele que aparecer o maior número de vezes na lista de regentes da cúspide da casa e de significadores será o significador eleito.
  5. Se nenhum dos candidatos fizer um aspecto benéfico na casa, pode-se aceitar um aspecto 'maléfico' (quadratura e oposição).
  6. Se nenhum dos candidatos aspectar a Casa, escolheremos o candidato com o maior número de dignidades.
  7. Se nenhum dos candidatos aspectar a casa ou tiver dgnidade essencial, devemos escolher o candidato que seja do mesmo séquito que o mapa (júpiter, sol e saturno são diurnos, lua, vênus e marte noturnos, mercúrio a depender de quem ele aspectar ou se associar).

Vamos delinear um mapa aleatório:



Vamos usar dessa vez o zodíaco tropical e analisar a Casa 3 (irmãos) desse nativo. O sistema de Casas é Alchabitius.

Casa 3 (20°Gêmeos35')
  1. Domicílio = Mercúrio
  2. Exaltação = 0
  3. Triplicidade = Saturno - Mercúrio - Júpiter
  4. Termo = marte
  5. Face = Sol
  6. Significador de irmãos = Marte
Podemos incluir na lista em questão outros pontos ligados ao irmão, como o Lote dos irmãos (Ascendente + Júpiter - Saturno), mas isso só serve para aumentar nossa certeza.

Saturno está exaltado - tem dignidade, se comparado aos outros planetas da lista - e aspecta a cúspide da casa 3 com aspecto benéfico (trígono). O sol também está dignificado, mas ele aspecta com sextil, mais fraco que o trígono. Isso é suficiente para mostrar Saturno como significador dos irmãos. E o que isso implica? Sempre que eu estudar as técnicas de previsão e Saturno for evidente, eu sei que haverá algum conteúdo de casa 3 associado, principalmente irmãos.

No ano de 2005, meu irmão teve que tomar decisões importantes na sua vida acadêmica, e isso veio acompanhado de uma pequena crise, que terminou bem. A Firdaria que estava ativada no meu mapa era Mercúrio-Saturno. Mercúrio é o regente da Casa 3 com maior dignidade na cúspide da Casa 3, enquanto Saturno é o significador dos irmãos como visto acima. Isso mostra a aplicação da técnica. Mercúrio, enquanto regente da 3 no exemplo sempre será importante para a Casa 3, mas Saturno delimita com maior precisão quando os eventos podem ocorrer.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …