Pular para o conteúdo principal

Viagem à Índia (com tudo pago)

Enquanto não tenho coragem de ir à Índia como alguns colegas meus o fizeram, eu retomo meus estudos de Astrologia Jyotisha (em sânscrito, ciência da luz), coisa pela qual tenho interesse flutuante há mais ou menos cinco anos. Dessa vez, decidi apostar mais fundo e adquiri os clássicos da Astrologia Védica... de graça.

Ao contrário do que muitos talvez pensem, estudar jyotisha é muito mais acessível do que astrologia medieval. Obviamente, a principal e melhor fonte de informação são os livros, estes muito, mas muito mais acessíveis com o advento da internet. Gloriosos sejam os ebooks!

A razão para entender essa diferença de acesso se justifica principalmente porque a maioria dos tradutores de astrologia medieval estão vivinhos da silva e precisam comer e se vestir. Como as traduções do grego e do latim são muito trabalhosas, nada mais justo do que cobrar por elas, não? É justíssimo, face ao grande favor que eles fizeram para nós, iletrados do Quadrivium, de tornar acessível esses textos numa língua moderna. Mesmo com toda essa justificativa, nós sabemos que a internet é quase anárquica em se tratando de bens culturais e esses livros poderiam facilmente ser digitalizados e pirateados, mas há uma cultura entre os donos de livros de astrologia clássica de não fazer isso, salvo em exceções nas quais o livro está fora de circulação a despeito de todos os convites de editoras. É o que acontece com os sacanas do Project Hindsight, que traduzem coisas maravilhosas e deixaram de produzí-las por razões um pouco herméticas para mim.

Saindo um pouco do mundo dos endinheirados da Astrologia medieval e helênica, as traduções dos livros indianos para o inglês são em sua maioria do final do século dezenove e início do vinte, passando dos oitenta anos de direitos autorais do tradutor. Eu mesmo consegui um ebook digitalizado de uma tradução para o inglês do Brihat Jataka de Varahamihira que data de 1895!

Para baixar os livros, existem alguns sites mais óbvios encontrados no google, e outros mais escondidos. No momento, estou baixando vários livros no perfil do Scribd de um indiano. Ele tem muitos livros de Jyotisha que não são muito óbvios de se achar, muitos já fora de circulação, então seria interessante se inscrever no Scribd para obtê-los.

Vocês sabem que sou uma pessoa generosa quando eu posso ser (eu não vou dar coisas que sejam de outra pessoa sem a permissão dela), então vou disponibilizar aos poucos as coisas que tenho estudado. A primeira delas é de autoria de um autor chamado Mantreswara: o Phaladeepika.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …