Pular para o conteúdo principal

porque voltei a estudar jyotish

Essa pergunta ninguém fez a mim. Foi uma auto indagação irresistível num momento em que me vi voltando a estudar o que talvez seja a astrologia mais complexa do mundo.

Ocasionalmente, nossos movimentos ao longo da vida são impulsionados por razões desconhecidas, mas são coisas assim que moldam nosso destino. São chamados irresistíveis. Apesar de não saber o que o motiva, ele me foi útil desta vez. Através desse impulso, eu consegui desconstruir uma visão que tinha da Astrologia indiana: que ela era uma bagunça.

Eu sabia que há várias vertentes astrológicas na índia; isso para mim era um sinônimo de bagunça porque eu estou acostumado com a astrologia medieval, que tem poucas variações entre os autores. Todavia, se o estudante deseja aprender astrologia jyotisha com base nos textos clássicos, a variabilidade (que eu chamava de bagunça) tende a desaparecer.

De fato, há variabilidade na transmissão oral da astrologia entre as famílias indianas, mas nem tanto assim nos registros escritos. Existem três ou quatro grandes e influentes textos que todo o estudante conhece. Os outros tendem a repetí-los, seja literalmente, seja com pequenas variações. São os textos abaixo (se você clicar neles, será direcionado a um site para download):
Esses são chamados "Brihattrayi" (do sânscrito os três grandes). São assim chamados porque representam os três textos mais influentes da jyotisha.

A importância que o registro escrito tem nas duas astrologias - bem como a maneira como ele se deu - é diferente. Na ocidental, há uma grande sucessão de autores ao longos dos séculos, com um sucessor a seguir quase ao pé da letra o que os anteriores disseram. Alguns deles poderiam hoje ser acusados de plágio por isso.

Na jyotisha, há os clássicos e alguns autores que dão sua visão sobre eles: não existe uma trilha de autores que podemos seguir até um autor influente. A trilha é muito pequena e começa nos três grandões acima. De qualquer forma, quem se lança a observá-la percebe que a tradição escrita jyotisha é consistente e pouco diversificada. Em outras palavras, não é nada bagunçada!

No momento, estou estudando o Phaladeepika, que disponibilizei no post anterior. Ele não é um grandão, mas também é muito influente e tem princípios de interpretação valiosos. Pra quem deseja estudar, é recomendável começar por esse livro.


Dificuldade nos termos em sânscrito.

Acredito que a principal dificuldade para os brasileiros serão os termos astrológicos em Sânscrito. Alguns textos não traduzem nem mesmo os signos e os planetas, antes eles fazem uma transliteração do Sânscrito para o inglês. Por exemplo, a Lua é chamada de Chandra, como se pronuncia no Sânscrito. O faladipika é assim pronunciado e foi para o inglês chamado de Phaladeepika. O livro cujo título traduzido é "O conhecimento dos gregos" foi transliterado como Yavanajataka.

Não há um único caminho para se resolver esse problema. O que recomendo é pesquisar na internet porque são inúmeros os fóruns e páginas de jyotisha na internet. Vá na página inicial da sessão sobre Jyotish da Wikipedia que já tem coisa à beça. Se ainda assim você tiver dúvida sobre um termo, proceda da mesma forma que em qualquer assunto ordinário:

Joga no Google!

Repita esse mantra ad nauseum...

Comentários

  1. amei que voce esta estudando a Astrologia Indiana porque eu também estou . Me decepcionei com a medieval visto que ela é muito Fatalista e fixa. A jyoitish é mais dura,porem , de acordo com o Ascendente ou com a Lua, os planetas tomam as disposições de amigos ou inimigos.Jupiter, de repente, é inimigo. E as Yogas, que lindo!! Vou atras desses livros que voce falou.
    Estou ansiosa pelos seus comentarios,
    Carla

    ResponderExcluir
  2. carla, obrigado pelo retorno dos posts. existe um autor novo de jyotish que está dando seu livro inteiramente de graça no seu site.

    http://vedicastrologer.org/

    ResponderExcluir
  3. Rodolfo

    eu baixei ja o Phaladeepika que voce disponibilizou e estou na luta,rsrs, nas Yogas. Voce consegue entender a Raja Yoga de uma maneira explicavel? Porque eu fui num astrologo indiano aqui em SP, e ele disse que eu ja estaria morta e acabada, nao fosse o fato de meu pessimo Saturno em Aries na casa XII (argh!) ser Raja Yoga. POr que? Só porque rege as casas IX e X? Para ele, toda minha vida era uma vida errada..rsrrs E ele acha possivel "limpar" o mapa, com mantras . Falar isso para aluna de Zoller, rsrsrsr.
    Tambem estou na luta para entender os calculos das dasas.
    Vou baixar o outro livro.
    Obrigada
    Carla

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…