Pular para o conteúdo principal

as críticas ferrenhas à Astrologia

Algumas pessoas parecem se cansar da Astrologia porque não vêem muita utilidade numa coisa que descreve o que já se conhece, a saber, a vida. Curiosa e irritante essa observação para mim que sou talvez o sustentador do que seria para tal tipo de pessoa uma inutilidade.

Se não devemos aprender algo que descreva de outro modo o que já sabemos, porque então aprender uma língua estrangeira? Muitas pessoas desejam aprender inglês com o propósito de ter um bom currículo, mas isso é um propósito vazio frente ao nosso paternalista mercado de trabalho, cujos patrões contratam sempre conhecidos, mesmo sendo medíocres.

90% das pessoas que conheço não usam o inglês que aprenderam no seu trabalho, mas sim para propósitos de entretenimento, como por exemplo assistir filmes, ler livros em inglês e participar de foruns internacionais na internet. Os médicos que conheço sequer lêem artigos científicos em inglês...

Eu também, aprendo astrologia pra me divertir. É uma linguagem até poética, a dos planetas representarem a vida. E não tem utilidade quase nenhuma além do nosso prazer de se estudar uma linguagem, da mesma forma que o inglês que as pessoas insistem em aprender para nada além de se divertirem.

Disse "utilidade quase nenhuma" porque acredito na capacidade preditiva da Astrologia e que ela pode aliviar a ansiedade do consulente ao prepará-lo para os eventos, desde que feita com sabedoria. No fim das contas, eu prefiro consultar um mapa do que tomar um Rivotril, pois se trata de algo muito mais elaborado e causa menos efeitos colaterais; todavia, não devemos equiparar a Astrologia a um benzodiazepínico, porque isso implica considerar que a astrologia pode viciar como o Rivotril.



Críticas filosóficas (de babacas que sequer sabem o que dizem) sobre a prática Astrológica

Na idade média, as viagens eram perigosas. Com saqueadores a espreita, podia-se terminar morto na beira da estrada, sem direito a um enterro cristão. A Internet possui outros tipos de perigo, com pessoas inescrupulosas a espreita com suas metralhadoras intelectualóides a espera de vítimas.

Cuidado com esses seres! São pseudofilósofos, pseudopsicanalistas, pseudosociólogos que comungam numa sociedade secreta de presunçosos. Conheço pessoas capazes de formular verdadeiros disputatios conta a Astrologia somente lendo um ou dois livros de psicanálise e/ou filosofia. Vivemos numa inversão de valores sem precendentes com a internet, onde o leigo ganha voz numa amplitude superior ao douto. O que seria um questionamento de um leigo ganha valor de estatuto.

Eu não tenho conhecimento de psicanálise além de ser um simples paciente do divã de uma experiente lacaniana (à merda quem criticar Lacan na minha frente). Portanto minhas linhas são até ingênuas frente ao que muitos sabem de psicanálise. Não reparem na escolha das palavras, elas podem ser inapropriadas.

Nas próximas ocasiões, mais sobre os algozes da Astrologia Preditiva.

Comentários

  1. Pois eu defendo todo e qualquer ferramenta do autoconhecimento que exista, alem de compartilhar sim pelo prazer de investigar astrologia, taro,runa,religioes enfim, tudo.
    quer melhor tesouro do que desvendar os misterios do mundo oculto?
    Adoooooooooro, abraços!

    ResponderExcluir
  2. faltou isso que você indicou bem, que a Astrologia é uma puta ferramenta de auto-conhecimento.

    Deveríamos nos conhecer muito bem, mas estranhamente somos estranhos a nós mesmos!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …