Pular para o conteúdo principal

Aplicação e Testemunho

A dinamização da Astrologia consiste em como se analisa os aspectos entre os planetas. Quando você estudar Astrologia helênica, vai perceber que ela é muito estática em relação à Astrologia Árabe, mas isso não é verdade do ponto de vista teórico, pois grande parte da teoria astrológica dos Árabes se origina dos Gregos e Bizantinos.

O que mudou então? Steven Birchfield defende que os Árabes simplesmente colocaram em prática tudo que os gregos escreveram, a ponto dos conceitos que são unicamente encontrados em manuscritos árabes serem considerados como consequências lógicas dos conceitos gregos. É muito provável a falta de intercâmbio entre diferentes astrólogos helênicos e bizantinos, de modo que nem tudo que se produzia era difundido e aplicado. Talvez os árabes tenham herdado um repositório de conhecimento de diversas fontes e coube a eles juntar os pedaços do quebra-cabeças...

Para que a interpretação do mapa seja dinâmica, é necessário interpretar o movimeto do tema analisado de um significador para outro; esse movimento é encontrado claramente na obra de Mashallah, astrólogo árabo-medieval. O mesmo tipo de dinamismo não se vê na obra de Valens e Paulus, astrólogos bizantinos.

A despeito dessa diferença, eu creio que os árabes não sejam uma simples evolução que descartaria o modo como os gregos concebem os aspectos. Há uma grande probabilidade de que a visão árabe dos aspectos coexista com a visão dos gregos, sendo duas teorias não-excludentes usadas para diferentes propósitos.

A aplicação de um planeta a outro indica que ele entrega tudo o que ele representa ao outro planeta. O destino final da questão, portanto, depende do planeta que recebe a aplicação. Por outro lado, há a noção de testemunho, que não significa a mesma coisa que a aplicação, porém ambas dependem de uma mesma estrutura, a saber, o aspecto.

O testemunho é mais amplo do que a aplicação: toda aplicação é um testemunho, mas nem todo testemunho é uma aplicação, pois o primeiro também engloba aspectos separativos.

Lua em 3° de áries em trígono com Júpiter em 4° de Sagitário é uma aplicação e ao mesmo tempo um testemunho, e portanto o aspecto será analisado duplamente, seja para entender como a lua funciona, seja para entender como será o desfecho dos assuntos que ela representa quando ela os entregar a Júpiter.

Por outro lado, se Júpiter estivesse em 2° de Sagitário e a lua em 4° de áries, o aspecto seria separativo e apenas um testemunho. Nesse caso, o aspecto apenas seria analisado como testemunho: a lua teria uma qualidade jupiteriana, mas os assuntos lunares não seriam confiados a Júpiter.

O testemunho é muito importante para entender o que um planeta representa, e ele pode ser usado tanto para aspectos aplicativos quanto separativos. Os gregos usavam uma orbe de 3° que é muito próxima do que se lê nos livros atuais.

Mais adiante, esclarecerei melhor como se interpretar o testemunho. Adiantando duas frase chave para o entendimento:

"O testemunho é a descrição das coisas representadas pela planeta; a aplicação mostra o futuro dessas."

Comentários

  1. Bom post Rodolfo. A noção de testemunho é realmente um dos fatores mais relevantes na compreensão de um mapa, e explicar como se diferencia este é uma excelente iniciativa.

    ResponderExcluir
  2. obrigado PFN. Publico mais um pdf com algumas noções de testemunho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…