Pular para o conteúdo principal

a função dos Signos, das Casas e dos Planetas

Ando meio sumido desse blog, mas isso se deve aos meus estudos de informática para a criação de um software de Astrologia. As coisas andam lentas, mas como todo conhecimento que se aprende aos poucos, uma hora tudo estará nos trilhos certos. De qualquer forma, seria muito bom voltar a falar em astrologia nesse blog, então vamos revisar um pouco o papel fundamental de estruturas usadas em Astrologia: signos, casas e planetas.
Muitas letras foram digitadas em torno dos temas mais básicos da Astrologia, porém há que se fazer uma distinção entre Astrologia Clássica e moderna, não porque essas áreas obrigatoriamente sejam distintas. Em verdade, elas não deveriam ser, porém o gênero humano sempre inventa coisas novas a cada dia e isso faz com que saberes tão parecidos adquiram diferenças conceituais básicas. Portanto, tudo que será falado nesse breve artigo tomará como referência a Astrologia Clássica do ponto de vista mais atual do autor. Sendo assim, não se assustem se o autor entrar em contradição consigo mesmo, porque afinal de contas um homem é como um rio, e nunca será o mesmo em dois tempos distintos.
Tende-se a confundir a função dos Signos com a das Casas, mas os papéis deles são muito diferentes, tendo os signos uma função menos clara a priori, para o iniciante. Muitos autores tendem a alocar a função das casas aos signos, cometendo erros conceituais importantes. Por exemplo, muitas pessoas acham que Câncer é um signo que têm relação com a família, seja em qual casa estiver. Pois eu digo que Câncer só terá relação com a família se estiver na Casa da Família - a Casa IV - ou se algum Lote ligado à família estiver naquele signo, como por exemplo o Lote do Pai ou da Mãe.
Assim sendo, os Signos servem para quê? Eles funcionam como uma pista para entender as questões mais importantes de uma Casa ou Lote. De fato, a Casa IV pode ser família, mas ela também se refere a coisas como patrimônios, terras, agricultura. Todo o ser humano na face da Terra terá um pai e uma mãe; entretanto, nem todos terão propriedades. Haverá o caso de uma pessoa com o mapa natal cuja Casa IV reflita questões de imóveis, entretanto isso não quer dizer que ela seja rica: pode-se tratar de alguém em constante risco de ser despejada. Ao ver esse mapa pela primeira vez, o astrólogo pode concluir coisas erradas da leitura dessa Casa IV. Pode considerar que o pai da pessoa é alguém mau, que a rejeitou; pode pensar em problemas de harmonia familiar e conjugal; entretanto, quando a pessoa disser que está tudo bem quanto a isso, deixará o astrólogo constrangido.
A questão interpretativa levantada no parágrafo anterior é muito comum na prática astrológica corriqueira. Cada astrólogo cria uma justificativa para os erros de interpretação como o anterior, embora seja um senso comum no meio astrológico o conceito de "nível de manifestação". Se uma pessoa tem a Casa IV aflita e experimenta problemas de imóveis, mas não problemas familiares, então muitos dirão que esse é o "nível de manifestação" que ela "escolheu".
Do meu ponto de vista, acredito que o nível de manifestação seja plausível, esgotando-se todos os instrumentos de interpretação que o mapa oferece. Em outras palavras, que esse argumento não seja uma depsculpa para a interpretação natal relapsa, que omite questões importantes que seriam facilmente apreendidas com o estudo da figura à exaustão. Neste artigo, continuaremos a explorar os recursos que o mapa nos oferece, para construirmos um sentido maior de que o conceito de "nível" é plausível tão somente após tudo ter sido esgotado diante dos nossos olhos.
Como poderemos explorar essa Casa IV mais à fundo? Suponha que essa Casa IV tenha um Signo de Terra. Isso, por si só, é um sinal de que há uma possibilidade da pessoa ter envolvimento com terras, embora não seja suficiente. Falta o quê? Algum planeta que represente terras. Ora, a Astrologia Medieval só usa apenas sete planetas, então qual indicará terras e - mais ainda - porque ele indicará terras ao invés de outros temas, já que um planeta pode representar vários assuntos ao mesmo tempo? Mais adiante, veremos mais dois instrumentos que nos permitirão concluir isso com mais certeza.
O planeta ligado a terras é Saturno. Se Saturno estiver em Signo de Terra, é um sinal de que ele pode ter representação de cultivo da terra; porém Saturno também representa o pai, limitações, doenças, cientistas e até mesmo marinheiros (!!). Não encontramos ainda uma evidência do que Saturno representaria. De fato, Saturno em Signo de terra afastaria a hipótese de marinheiros; ainda nos deixa dúvidas quanto a cientistas, ou doenças. Na casa IV, pode ainda ser um pai doente, um pai cientista, ou um pai doente, problemático...
Diante dessas dúvidas, surge algo precioso, porém subestimado: o conceito de testemunho. Suponha que Saturno estivesse em Touro e com o aspecto de benéficos, principalmente Júpiter. Isso era chamado de 'testemunho', e se dizia que "Saturno estava com o testemunho de Júpiter". Em outras palavras, Júpiter olha o que Saturno representa e dá o seu colorido ao tema. Júpiter é um planeta benéfico, sendo o principal significador de dinheiro. Isso implica Saturno na IV como relacionado a finanças! O astrólogo medieval olhava um mapa desses e dizia: "Saturno não pode representar alguma coisa ruim porque está em aspecto com Júpiter" A malícia do planeta é abatida e ele representa suas melhores manifestações.
De fato, Saturno em aspecto com Júpiter na antiguidade era referido como um aspecto que representava o nativo como um administrador de terras e negócios alheios. Hoje em dia, esses negócios podem ser joint ventures, ações e fundos de investimento, mas o principal capital que se havia na idade média eram as terras de um enhor feudal.
Conclusão:
As Casas e os Lotes representam mais de um assunto terreno ao mesmo tempo. Num mapa natal específico, uma mesma Casa pode representar dois assuntos diferentes. Em outro mapa, essa mesma casa pode representar apenas um dos assuntos ao qual ela se refere. Por exemplo, a pessoa pode interpretar a Casa IV como a família do nativo e seus imóveis. Em um determinado mapa, ela poderia representar ao mesmo tempo essas duas coisas, mas em outro mapa natal não.
Para abermos do que eles falam com maior exatidão, é preciso consultar os signos, Planetas. É pela combinação Signo + Planeta + Casa que especificaremos a simbologia do mapa.
De fato, um mapa depende do meio onde a pessoa nasceu para se manifestar de um jeito específico, mas isso não deve ser uma desculpa frente ao erro, pois existem recursos dentro do próprio mapa que nos auxiliam.

Comentários

  1. algo me preocupa quando leio
    voce e estudo também a metafísica,
    ......

    ResponderExcluir
  2. algo me preocupa quando leio você e não entendo o que escreve, rs.

    ResponderExcluir
  3. que bom .....rss
    temos algo em comum...rsss

    ResponderExcluir
  4. Rodolfo, o post é bastante interessante. Mas eu acho que ainda falta uma definição mais clara sobre os signos, e num nível mais básico, até mesmo dos temperamentos e elementos. Um dos que mais me desapontam é a descrição do elemento fogo. A gente sempre vê o elemento terra associado a coisas materiais, e o elemento ar a habilidades, conexão social. Mas o fogo, além da sua característica colérica, dificilmente é descrito numa acepção mais mundana. Suponha uma casa 4 com sagitário na cúspide, e Saturno dentro dela, em aspecto com a Lua em Escorpião. Oq isso significaria? Dificil de responder...

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rodolfo. Quanto tempo?! Estou meio com pressa e fiz leitura dinâmica (infelizmente, pois adoro teus textos) e deixo um comentário rápido a respeito do que li "en passant" num livro desses de "livraria popular": "Saturno em quadratura com Júpiter - karma de pobreza." Já fiquei apavaroda. Tenho isso no meu mapa e ainda por cima Saturno é co-almuten da dois. What do you think? ;-0 Bjs

    ResponderExcluir
  6. Caro/a colega bloguista:

    Esta é uma nota comum para vários blogues.

    O site do Congresso Ibérico de Astrologia vai ter uma página com uma listagem de blogues devidamente lincados, se estes apoiarem o congresso, colocando, ainda em Fevereiro, no seu blogue um dos banners que existem na barra direita do site do Congresso:

    Clique aqui para aceder ao site do Congresso

    Caso já tenha o banner de apoio, ou esteja interessado/a em colaborar com o Congresso, divulgando-o junto dos seus leitores, após colocar o banner no seu blogue devidamente destacado, peço o favor de confirmar deixando um comentário no meu blogue «Cova do Urso», no post «O Maior Evento de Astrologia em Portugal». Para facilitar a sua vida, deixo a seguir o linque desse post:

    Clique aqui para confirmar a sua adesão.

    Estou a usar esta forma de comunicação [a vossa confirmação no meu próprio blogue] para este assunto ser completamente transparente e estar disponível ao público em geral.

    A organização do Congresso tem conhecimento desta iniciativa.

    Como compreenderá, este apoio público não dá direito a nenhuma entrada gratuita no Congresso. :)

    Muito agradecido.

    Abraço

    António Rosa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…