Pular para o conteúdo principal

à procura de um significador

Recentemente, estou revendo alguns livros da minha estante. Um deles que normalmente é injustiçado é Bonatti. Quando comecei a estudar Astrologia Medieval, Bonatti era minha grande referência por causa de Robert Zoller, o mentor do curso que fiz, o principal tradutor do autor italiano. Depois percebi que poderia adquirir as fontes nas quais Bonatti se baseou e ele foi ficando um pouco obsoleto... Um pouco, mas nem tanto.

Talvez quando conhecer a obra de Omar de Tibérias, Bonatti seja definitivamente "sepultado". Isto porque grande parte do tratado de natividades de Bonatti é praticamente transcrito da obra de Omar. Enquanto não dispormos de um Omar mais acessível (porque aquele traduzido pelo Robert Hand é coisa rara de se encontrar), resta-nos ler a interpretação bonatiana do autor.

Hoje li o trecho onde Bonatti descreve como encontrar o Alcocoden, o planeta que representa os anos de vida que o nativo terá se (e somente se) não experimentar antes uma direção primária com um planeta "assassino". Uma vez encontrado o Hyleg, o Alcocoden será o planeta que mantenha alguma dignidade no grau ocupado pelo anterior e que ao mesmo tempo o aspecte. Até aí, so simple, mas veja que na prática não é bem assim e Bonatti nos fornece um algoritmo, típico dos autores medievais:

"E se você souber do Hyleg e quiser conhecer o al-kadukhadah (transliteração do árabe que em latim virou o nosso Alcocoden), que é chamado de "divisor", você considerará os quatro significadores (a saber, o regente do domicílio do Hyleg. o senhor da exaltação, o Regente dos Termos e o Regente da Triplicidade) e aquele que você achar mais adequado, coloque-o como Alcocoden, começando pelo Regente dos Termos: Se você o encontrar projetando seus raios no termo (do Hyleg), ponha-o como Alcocoden. Se porém você não o encontrá-lo assim, olhe para o Regente do Domicílio e opere por ele da mesma forma que faria se fosse o Regente dos Termos."

Bonatti procede da mesma forma até o Regente da Face do grau ocupado pelo Hyleg. O mais interessante, porém, vem a seguir:

"Se contudo todos aspectarem (o hyleg) igualmente, e um deles tiver mais dignidades que o outro, aquele que tiver duas será preferido àquele que tiver apenas uma. Se, contudo, todos forem igualmente fortes - em termos de dignidade ou testemunho (em outras palavras, se dois ou mais planetas tiverem o mesmo número de dignidades no grau do Hyleg - e note que Bonatti não dá peso às dignidades aqui) - será preferido aquele que estiver num ângulo ou num sucedente de um ângulo.

Se, porém, ambos estiverem num ângulo ou sucedente, será considerado Alcocoden aquele que estiver mais próximo à cúspide do ângulo. Se, contudo, ambos estiverem próximos a um ângulo ou sucedente, aquele que estiver em sua própria dignidade será preferido ao invés daquele que estiver peregrino ou numa dignidade menor.

Mas se todos estiverem em iguais condições acerca das fortitudes previamente citadas, aquele que estiver oriental será o escolhido(...)"

Quando estudava esses textos pela primeira vez, meu cérebro omitia algumas informações em detrimento de outras. Essa seleção sempre tendia a deturpar aquilo que lia, e portanto sempre é bom dispor do texto para relê-lo várias vezes. Essa é a chave para aprendermos Astrologia Medieval, e receio dizer que o fundamental não é ter várias traduções de vários autores, mas ler várias vezes as mesmas traduções de autores bem selecionados.

O texto acima faz menção ao Alcocoden mas o estudante mais atento notará que ele pode se referir a qualquer coisa que quisermos analisar dentro de um mapa! Eis aí a grande importância desse trecho. Temos aí um Bonatti generoso em compartilhar seus métodos, sem hermetismo, sem textos "crípticos". Em verdade, a única coisa que ele manteve em segredo foi não confirmar que o raciocínio empregado para a escolha do Alcocoden se aplica da mesma forma à escolha de qualquer significador numa natividade.

Eu não sei se conseguirei passar a importância de se descobrir o método correto para a escolha de um significador. Dentro de um mapa astrológico, qualquer coisa que não seja um planeta (a saber, o sol, a lua, mercúrio, vênus, Marte, Júpiter e Saturno) dependerá de um. Em outras palavras, o ascendente, o lote da fortuna, o lote das crianças, a cúspide da casa 6, enfim, qualquer cúspide e qualquer lote dependem dos planetas para descrevê-los! Caso contrário, eles ficam se forma, sem definição. É pela análise da condição do planeta que significa o lote/casa que saberemos como são as coisas representadas por esse lote/casa. Por isso que é premente sabermos como se elege um significador!

Dito isto, resta-nos corrigir os erros do passado, que simplificavam erroneamente a questão. Eu já disse algumas vezes nesse blog que o regente mais poderoso de um grau é preferido sobre um regente mais fraco. Por hora, eu creio que isso seja parcialmente verdadeiro. Vamos supor o exemplo abaixo. Imagine que um lote ou cúspide de casa estivesse num grau que tivesse as seguintes dignidades:

Domicílio: Lua
Exaltação: Júpiter
Termo: Saturno
Triplicidade: Vênus/Marte/Lua
Face: Mercúrio.

O ponto é fictício e não me preocupei se as dignidades em questão existem ou não. De qualquer forma, imagine que a Lua - Regente domiciliar do ponto - aspecte-o, da mesma forma que Vênus, Saturno, Mercúrio e Marte. Ora, temos a nossa frente um caso de todos os regentes do ponto enviarem raios para ele, mas haverá apenas um planeta que definirá melhor a condição daquele ponto abstrato. Esse planeta sempre será aquele com maior número de dignidades, e no caso é a Lua, a despeito dela estar aflita e cadente!

Mesmo que um planeta esteja fraco e aflito na figura, ele será preferido se tiver muitas dignidades no ponto que aspecta. Somente é considerada a força dos planetas em casos de "empate" de dignidades, como se pode perceber no trecho de Bonatti, no qual o autor só recorre à força de um planeta havendo condições de empate entre dois planetas que disputam a supremacia sobre o Hyleg:

Se contudo todos aspectarem (o hyleg) igualmente, e um deles tiver mais dignidades que o outro, aquele que tiver duas será preferido àquele que tiver apenas uma. Se, contudo, todos forem igualmente fortes - em termos de dignidade ou testemunho - será preferido aquele que estiver num ângulo ou num sucedente de um ângulo

Imagine que a Lua esteja em péssimas condições nesse mapa hipotético: aflita por dois maléficos, na Casa 12, conjunta ao nodo sul... Imagine a mesma coisa com todos os outros planetas, exceto Mercúrio: imagine ainda que Mercúrio esteja em excelente condição: angular, aspectado por benéficos, domiciliado...

Diante dessas condições todas, como proceder? Em pr
imeiro lugar, não é porque Mercúrio está excelente na figura e por ter dignidade de face no ponto analisado que ele deve ser escolhido, porque a dignidade de face é a única que Mercúrio têm no ponto em questão! Temos um caso mais simples do que parece, do ponto ter sua condição representada pelo planeta que mais tem dignidades nele, a saber, a Lua! Note que ela tem dignidade de domicílio e de triplicidade no ponto, enquanto mercúrio têm apenas dignidade de Face.

Se sempre escolhêssemos o planeta em melhor estado para representar uma Casa/Lote/Hyleg, então seria uma festa e as nossas vidas seriam sempre a maravilha representada pelo planeta mais forte da nossa carta. Não é necessário ser muito experiente ou desiludido para concluirmos que um tipo de Astrologia feito dessa forma não corresponderia ao que vemos nas vidas das pessoas. O zodíaco é dividido em várias dignidades diferentes e sempre será fácil enfiar aquele planeta maravilhoso da sua carta como regente da face, da triplicidade, da dodekatemoria (e até da monomoria!) de qualquer casa. As coisas não são assim.

Agora, imagine um ponto no qual tanto a Lua quanto mercúrio tivessem o mesmo número de dignidades e ambos aspectassem. Nesse caso - e somente nesse - seria imprescindível comparar a Lua e Mercúrio para julgar qual seria o mais forte.

Ditas essas coisas, vamos ao "resumão" que Bonatti sugere para nós e que pode se aplicar à análise de qualquer ponto do mapa:

  1. Saber todos os planetas que regem um ponto
  2. Ver quais dos planetas aspectam o ponto. Dar importância aos aspectos com orbe inferior a três graus.
  3. Se mais de um planeta aspectar o ponto com grande proximidade mas se ambos tiverem apenas uma dignidade, preferir aquele com a dignidade mais importante; as dignidades mais importantes são o domicílio, a exaltação e os termos; as menos importantes são as triplicidades e as Faces.
  4. Se mais de um planeta aspectar o ponto, preferir aquele que tiver mais dignidades nele; considere a proximidade do aspecto como um critério de desempate: se dois planetas com dignidades importantes (domicílio, exaltação, termo são as mais importantes) no ponto o aspectarem, prefira o que estiver mais próximo em aspecto. A mesma coisa com dois planetas com dignidades menos importantes.
  5. Se mais de um planeta aspectar o ponto com proximidade e se ambos tiverem o mesmo número de dignidades, aí sim que devemos escolher o mais forte na figura: veja qual deles está angular, oriental, etc.

O significador do ponto analisado será aquele que tiver mais "votos" conforme os critérios acima. O que parece ser um processo maçante na verdade se torna bem rápido no dia-a-dia. Vamos postar um exemplo para mostrar como vemos a questão.
Vamos começar pelo Ascendente. Nessa figura, temos vários planetas que aspectam o Ascendente e muitos deles têm dignidade no grau que Ascende, 09° de Sagitário. A coisa se torna simples porque Júpiter é o planeta que rege o domicílio de Sagitário e aspecta o Ascendente com grande proximidade, portanto ele pode representar a dona do mapa em questão. Júpiter ocidental ao sol na casa 11 indica a busca por apoio financeiro e emocional da nativa em meados da sua vida, o que seria a realização de uma motivação de vida pelo fato de Júpiter reger o Ascendente.

Os outros planetas que têm dignidade no Ascendente e que o aspectam se tornam participantes daquilo que Júpiter representa. Em outras palavras, eles não definem o que o Ascendente representa mas acrescentam detalhes. De qualquer forma, é Júpiter - o senhor do Ascendente - o planeta representa a nativa com mais exatidão.

Se quiséssemos analisar o Lote da Fortuna na figura acima, notaremos que a Lua é o melhor significador da fortuna da nativa porque ela é o único planeta com alguma dignidade (triplicidade de água) em Peixes (signo da Fortuna) e que aspecta o Lote com maior proximidade. Note que o Sol faz uma oposição ao lote mas ele só seria preferido à lua se esta não aspectasse a Fortuna. Pela proximidade do seu aspecto, o sol é um participante naquilo que a lua descreve para o lote.

Uma lua angular e crescente representa propriedade em boa quantidade (angular), de natureza oscilante (lua) mas sempre crescente e de gosto bastante refinado, importante, sofisticado (regente da Lua é júpiter na XI). Como a Lua tem um testemunho sobre a Casa VIII e IX, ela descreve a forma como a nativa pode morrer e bem como suas viagens, mas também modos de aquisição. Seu dinheiro se originará em grande parte da justiça, lei e religião (casa 9), bem como de heranças (Casa 8). Soma-se a isso tudo que a Fortuna está na Casa Iv e portanto guarda grande relação com propriedades familiares.

Se Vênus aspectasse o lote da fortuna, ela seria preferida à Lua. Isto porque Vênus têm duas dignidades em Peixes, uma forte (exaltação) e uma fraca (triplicidade). De qualquer forma, Vênus está em Libra, um signo que não aspecta Peixes.

Os exemplos que dei acima são didáticos, mas nem sempre a prática vai nos presentear com casos simples, sem contar os momentos em que vemos exceções à regra. Felizmente, tais momentos são raros, mas eles existem! Em verdade, não se tratam de exceções, mas sim de uma regra sobrepujando a outra. Já vi casos de um ponto ser aspectado com grande proximidade pelo regente da face e esse regente descreveu com uma grande clareza o que aquele ponto representava. Os regentes importantes do ponto (domicílio, exaltação) o aspectavam, mas eram mais distantes. A orbe é importante, e se for menor que três graus representa algo que quer chamar a nossa atenção.

Comece treinando e poste exemplos no nosso forum (veja o link ao lado).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…