Pular para o conteúdo principal

kenodromia - a Lua fora de curso

Neste domingo (que para Valens seria uma terça-feira, dia de Marte), a Lua não entrará em contato com nenhum planeta pelos próximos 18 graus, excetuando-se os planetas modernos Urano, Netuno e Plutão. Essa situação é chamada por Anthiocus de Atenas de Kenodromia, um estado astrológico da Lua que equivale ao nosso moderno "Lua Fora de Curso". A diferença entre ambos é que a kenodromia é muito mais rara de ser vista por aí.

Vejamos o porquê. No conceito de Lua Fora de Curso como nós concebemos atualmente, a Lua deve sair de um signo sem fazer conexão (aspecto ou conjunção) com mais nenhum planeta, independentemente da distância. Esse conceito não exige que a Lua fique o Signo inteiro sem fazer aspecto. Se ela percorreu um Signo quase todo e não fará mais aspecto nenhum dentro desse, então isso é considerado como "Lua Fora ou Vazia de Curso".

A Kenodromia, por outro lado, tem Na kenodromia, a Lua deve ficar um dia inteiro (isso mesmo, 24 horas) sem entrar em contato com planeta nenhum. Como disse anteriormente, a primeira situação é muito mais comum de se ver. Basta considerar que a Lua não fará mais nenhum aspecto dentro de um Signo para concluir que ela estará fora de curso. Na kenodromia, não é assim: requer-se que a Lua fique um dia sem contato com planeta algum. Anthiocus não leva em conta as Antiscias e Contra-Antiscias.

No mapa acima, vemos um exemplo de kenodromia. Ele mostra a hora exata do ingresso Lunar no Signo de Câncer. Ora, ao ingressar no Caranguejo, a Lua fará o seu próximo contato com Vênus, que será uma conjunção. Como o curso médio da Lua é o de 13° por dia, então concluímos que ela ficará até mais de um dia sem entrar em contato com planeta nenhum. Trata-se de uma situação muito mais rara que a Lua Fora de Curso dos Astrólogos Renascentistas e seguidores de Lilly.

Assim como a Lua Fora de Curso, a Kenodromia era algo considerada ruim. A meu ver, isso depende enormemente do último contato que a Lua fez. Quando qualquer planeta se separa de outro, ele costuma levar "o cheiro" da experiência representada pelo planeta do qual se separou, da mesma forma que dois amantes guardam o cheiro um do outro em seus corpos (ui, que erótico). Podemos até chamar esse "cheiro" de "disposição prévia". O grande mal da Kenodromia (ou da Lua Fora de Curso) é deixar as coisas estagnadas por um bom tempo, com a disposição do último planeta com a qual a Lua entrou em contato impregnada no luminar. Se o planeta anterior for um maléfico, aí não é nada bom, uma vez que a pessoa cujo mapa tem uma kenodromia ficará anos e anos sem mudar suas circunstâncias adversas.

Eu mesmo nunca vi nenhum mapa com Kenodromia. Será que a pessoa não resistiu?! Para manter o mito de que a Astrologia Medieval é macabra... hehehe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …