Pular para o conteúdo principal

Voltando do Leste Europeu...

Não deu tempo de avisar aos leitores, mas no dia 11 de abril eu me casei e logo em seguida parti para uma lua de mel pelo leste europeu. Vi, de um modo bem en passant, Viena, Budapeste e Praga. Nesta última cidade, há um objeto de grande interesse meu cuja foto será postada aqui para que entendamos um conceito astrológico importante. Antes disso, uma introduçãozinha sobre aquela estonteante cidade.

É impossível não me identificar com Praga. Um dos seus reis tem o mesmo nome que eu. Não bastasse isso, ele tinha grande afinidade pela Astrologia e pela Alquimia. Rodolfo II, imperador do Sacro Império Romano-Germânico, que transferiu a capital do império de Viena para Praga.

O rei místico foi conhecido pelos ataques de melancolia e pela falta de experiência política - perdeu a Áustria, a Morávia e a Hungria em 1608 para o Arquiduque Matias, vencedor dos Turcos. De educação católica, Rodolfo II era tolerante ao culto protestante, dando a eles liberdade de culto com algumas restrições. Tudo isso você pode ler na Wikipedia.





Depois de 1597, sua saúde declinou e o rei se trancou em Hradcany (o castelo de Praga, uma coleção de prédios e a Catedral de São Vitor. Pronuncia-se Rádtchani), começando seu fascínio pela Astrologia e Alquimia. Patrocinou Tycho Brahe e Johannes Kepler (com seus trocentos tipos de aspectos astrológicos além dos Ptolomaicos...).


Na corte ao redor do castelo, construiu umas casinhas para abrigar servos e alquimistas, que perseguiam com avidez fórmulas para fabricar ouro de metais e para o elixir da Longa Vida. Tempos depois, uma dessas casas abrigou Franz Kafka, que nela escreveu alguns contos e poemas. Hoje a casa vende pilhas para máquinas fotográficas, livros e lembrancinhas do Kafka para turistas.




Praga tem muita coisa interessante a ser vista, mas a que tem maior importância para o blog é o Relógio Astronômico. Apesar da evidente inspiração astrológica, o relógio não é criação de Rodolfo II, precedendo-o alguns séculos. Até hoje, o relógio sofreu inúmeras reformas e implementações. Sofreu avarias na Segunda Guerra Mundial, em seguida o seu mecanismo foi finalmente desvendado e ele funciona ininterruptamente desde 1948.


Originalmente, o relógio era composto apenas pelo mostrador das horas (foto acima), com os signos e os luminares. Mais tarde, adicionaram acima do mostrador os doze apóstolos (que aparecem nas duas janelinhas toda vez que uma hora se completa) e abaixo uma "mandala" com os doze meses do ano.

Talvez você esteja notando que os signos têm tamanhos diferentes no mostrador. Perceba que de Virgem a Peixes, os tamanhos de cada signo diminuem, enquanto de Leão a Áries eles são maiores. Isso é um conceito astrológico muito importante. Se você entendê-lo, vai começar a ver o céu como ele realmente é, e não como está nos mapas impressos pelos softwares de Astrologia. Humildemente, eu tentarei mostrar no próximo post as Ascensões dos signos, mas agora eu direi algumas palavras breves para vocês meditarem sobre o tema.

Quanto mais perto do Equador Terrestre, mais "iguais" são os tamanhos dos signos: eles ficam mais parecidos com os signos que você vê nos mapas que eu posto no blog e que são produzidos com o software Solar Fire. Quanto mais longe do Equador, maior a diferença de tamanho dos signos, o que faz com que eles se apresentem de forma semelhante aos signos do relógio de Praga. Isso acontece porque as estações do ano mudam a duração dos dias e das noites, mas no Equador essa diferença inexiste. Perceba que os signos que marcam o outono e o inverno em Praga (de Libra a Peixes) são menores que os signos que marcam a primavera e o verão (Áries a Virgem) . Isso acontece porque quando o Sol está neles e se encontra acima do horizonte, os dias são menores do que as noites. Por conseguinte, o "arco" que o Sol completa acima do horizonte durante os dias de outono e inverno tem de ser menor. Como o arco que o Sol faz ao longo do ano nada mais é do que o Zodíaco, então temos de dar um tamanho menor aos signos que o Sol percorre durante o inverno.

Enfim, eu vou tentar dizer mais coisas sobre isso no próximo post porque esse conceito é muito interessante e pode ser usado em previsão. Até!

Comentários

  1. Parabéns pelo seu casamento. :)

    A matéria que postou é muito interessante e gostei da história.

    ResponderExcluir
  2. Obriago pelo retorno, caríssimo António. Eu e você continuaremos a repsponder os comments, ;)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Rodolfo! Que ótimo isso! Eu tenho loucura para conhecer a Europa do Leste. Vejo que ainda carrega a muleta (ou ela te carrega!). Quando vai sarar completamente?

    Fiquei feliz em saber das novidades. Todos sentiram falta dos teus posts! Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá Rodolfo

    Muito interessante voltar a Praga, fui lá há cerca de 12 anos e a minha ligação com a Astrologia não era tanta ao ponto de reparar nos pormenores que referiu.

    Ficou muito bem na Golden Gasse, é das minhas ruas preferidas em Praga.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Gi e Samsara, obrigado pelos comments. Não sei se a minha ração foi igual a de vocês, mas eu fiquei com vontade de morar por lá mesmo, rs.

    Quanto a minha perna, ela está melhor, mas apenas coloquei um fixador externo que me impede de andar sem ela no momento. Em maio eu o retiro, se Deus quiser.

    ResponderExcluir
  6. se me permite a indiscricao...

    a que horas foi o casorio?

    ResponderExcluir
  7. hahaha... foi 17:30, no dia 11 de abril em Passos - MG

    ResponderExcluir
  8. Então Rodolfo! No fim, acabou em casório mesmo. Parabéns! Felicidades!

    ResponderExcluir
  9. dito e feito, Acuio, obrigado pelo prognóstico!

    ResponderExcluir
  10. Oi Rodolfo ! parabéns pelo casamento , que sejam muito felizes!! q bom q vc retornou ao blog ; ah, sim, até q a muleta tem seu charme ...

    ResponderExcluir
  11. Nossa Rodolfo a minha família é toda de Passos -MG,achei interessante vc se casar lá na terrinha....rs
    outra coisa interessante é que o rei de Praga tem o mesmo nome que vc Rodolfo II e tb tinha interesses em astrologia...bacana!
    Realmente esse mundo é pequeno!
    Felicidades pra vc e sua esposa nessa nova jornada da vida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …