Pular para o conteúdo principal

Aspectos segundo a Astrologia Helênica

Nesse post, eu falarei acerca do modo como os Astrólogos Helênicos analisavam aspectos. Você, que acompanha o blog, perceberá que eu entrarei em contradição clara com as minhas afirmativas dos artigos anteriores, mas não fique pensando que mudei de idéia. Aqui, estou na posição de mostrar diferentes pontos de vista, mais do que fazer uma escolha precipitada. Afinal de contas, como dizia o apóstolo Paulo (com as minhas palavras):

Examine tudo, e retenha o que for bom.

É com esse espírito que vamos começar a perceber como os helenistas viam os aspectos. O autor mais importante e claro desse tema é Antíoco de Atenas. Eu não tenho nenhum livro dele, mas fuçando um ou outro texto na internet de Robert schmidt - a principal "figuraça" do estudo da Astrologia Grega na contemporaneidade - você aprende algumas coisinhas bem interessantes.

Em primeiro lugar, vamos nos acostumar com toda a terminologia que eles usavam - e que foi traduzida por Schmidt de um modo bem cuidadoso, para tentar preservar o sentido mais perto possível do intento original. Eu não poderia começar esse estudo de uma forma diferente senão apontando o significado do termo em inglês "figure"

Figure ("figura")
Os planetas que fazem uma figura são aqueles que estão em signos que formam figuras geométricas exatas - quadrados, triângulos equiláteros, hexágonos e a oposição, que é uma exceção a esse raciocínio - , sendo que um planeta se aplica ao outro, ou seja, o planeta mais rápido tem menos graus do que o planeta mais lento. É importante frisar que a aplicação é uma condição sinequanon para que ocorra uma figura, pois isso indica que os planetas hão de se encontrar um dia, aí sim completando um aspecto.

Exemplo: Venus em 02 Sagitário, Saturno em 22 de Peixes. Aqui, Vênus e Saturno estão em signos que fazem uma quadratura. Como Vênus é o planeta mais rápido e tem menos graus, ele se aplica a Saturno. Como Sagitário e Peixes são signos que formam o lado de um quadrado (pois ficam distantes 90 graus um do outro), temos então uma figura. Essa figura, porém, não pode ainda ser chamada de aspecto. Vejamos o por quê disso na explicação do termo "aspectos"

Aspectos
Para que uma figura seja chamada de aspecto, é necessário uma distância mínima de 3 graus entre os dois planetas. Isso se aproxima enormemente do que chamaríamos de "orbe da Astrologia Moderna", que dá uma distância média para a configuração entre dois planetas. Na Astrologia Medieval, essa distância depende da orbe de luz dos dois planetas.

Exemplo: Vênus em 20 de Sagitário, Saturno em 22 de Peixes. Aqui sim, podemos dizer que Vênus aspecta Saturno, e vice-versa, pois a distância entre ambos é menor ou igual a 3 graus absolutos. No outro exemplo, eles apenas formavam a figura de um quadrado. Além do mais, o aspecto é aplicativo. Veremos mais a frente que os autores helênicos puristas não consideravam aspectos separativos. Sendo assim, toda vez que eu me referir a "aspecto" nesse artigo, eu estarei me referindo aos aspectos aplicativos com orbe de 3 graus.

Finalizando a explicação do termo "aspecto", vou abordar sobre o que seria uma heresia há alguns anos atrás. Segundo Schmidt, os autores toleravam aspectos entre signos que não formavam figuras! Esse seria o moderno "aspecto fora de signo" ou "trígonos fora de elemento". Em outras palavras: Touro sempre faz trígono com Capricórnio e ambos são signos de Terra, mas um planeta em 00 Touro pode fazer um aspecto com outro planeta em 29 de Sagitário, mesmo que estejam "fora de elemento", se - e somente se - fosse respeitada a orbe de 3 graus. O que eu disse para o trígono se aplica a outros aspectos. Nada de novo para Astrólogos Modernos, não?!

Tudo que foi escrito acima é usado para dizermos que um planeta testemunha outro. E esse será o último termo que tentaremos descrever abaixo.

Testemunho
A noção de testemunho foi abordada em diversos artigos desse blog. O significado de 'testemunho' que eu darei aqui será aquele que podemos encontrar nas obras de Astrólogos Helênicos, principalmente de Antíoco de Atenas. Nos meus outros artigos, ela pode diferir um pouco do que pretendo dizer aqui. Clique no marcador "testemunho" abaixo e você me entenderá.

A noção de testemunho é simples. Quando um planeta aspecta ou faz uma figura com o outro, dizemos que um testemunha o outro. Se estou analisando Saturno, e percebo que Vênus faz uma quadratura aplicativa a ele, então eu digo que há um testemunho de Vênus sobre Saturno, e vice-versa (dependerá se estou analisando Vênus ou Saturno).

O testemunho apenas significa que um planeta tem algo a dizer sobre o outro. Assim sendo, Vênus diz que, nas questões saturninas, há algum elemento sexual, feminino ou artístico - significados Venusianos.

Os testemunhos podem ser fortes ou fracos. Quando um planeta faz uma figura com o outro, temos aí um testemunho fraco. Quando há um aspecto (atenção! sempre aplicativo!), o testemunho é forte. O tipo de aspecto (quadratura, oposição, etc) apenas diz como há a interação entre ambos os planetas - e aqui há pouquíssima diferença do que os árabes e modernos dizem, portanto não discorrerei sobre o óbvio ululante. O que vale a pena ser dito é enfatizar o que é um testemunho do que não é - e aí, quem pegar livros de Astrologia Helênica com mais de 3-4 anos vai estar out to date do que é dito hoje!

Quando começou todo o frisson sobre Astrologia Helênica, todos achavam que Astrólogos como Valens e Antíoco consideravam qualquer tipo de aspecto - bastaria que os planetas estivessem em signos que se aspectassem para considerá-los. Hoje em dia, a comunidade Astrológica que é encabeçada por Robert Schmidt - principal tradutor vivo dos autores gregos - discorda dessa abordagem. Atualmente, eles defendem que um planeta está em testemunho quando ele faz uma figura ou um aspecto aplicativo, desconsiderando os aspectos separativos. Dessa forma, não será qualquer aspecto que seria considerado, o que é um alivio para nós, já que isso reduz em muito o número de aspectos válidos.

Vamos dar um exemplo de aspecto que não são considerados testemunhos (segundo as leituras de Schmidt): Vênus 23 Sagitário, Saturno 20 de Peixes. Apesar de estarem próximos, o aspecto é separativo e isso não conta como um testemunho.

Okay, esse último exemplo foi polêmico. Talvez você esteja pensando: mas eu já vi pessoas com aspectos separativos próximos como o anterior que funcionam! Essa é também a minha dúvida. Não darei uma resposta definitiva para isso agora. Apenas direi que os gregos não estavam muito preocupados com efeitos psicológicos (embora alguns aspectos indicassem predileção comportamental do nativo por uma ou outra atividade, como Lua-mercúrio representando a busca por atividades intelectuais). A astrologia deles era preditiva, não comportamental. Lembre-se de que, na Astrologia Horária, os aspectos separativos não contam como realizadores de uma questão. Eles indicam eventos que já aconteceram.

Comentários

  1. Rodolfo,

    Gostei muito. Um texto escrito com clareza, boa exposição, didáctico. Foi uma boa aprendizagem.

    Posso publicar no site da Escola Nova-Lis ao longo desta semana?

    Abraço

    António

    ResponderExcluir
  2. eu tb tinha lido isso e minha sugestao é que nao leve muito a sério
    Y

    ResponderExcluir
  3. Na verdade funciona muito bem !
    o que eu tenho desconfianca é da súbita mudanca de opiniao e da atribuicao desse conceito aos gregos!

    ResponderExcluir
  4. Ok, então, basicamente oq é dito é que os eventos mais importantes da vida da pessoa estão contidos naqueles aspectos cuja orbe é de 3º em caráter aplicativo, e são esses os eventos que ocorrerão com absoluta certeza?

    Daí, caberia ao astrólogo apenas se dar ao trabalho de calcular o momento de quando isso irá ocorrer?

    Claro que a delineação estaria sujeita a condição geral dos planetas e as casas onde eles caíram, correto?

    Essa abordagem é confiável na opinião de vcs?

    ResponderExcluir
  5. Poderia-me indicar as fontes deste texto?

    Obrigado

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…