Pular para o conteúdo principal

A Firdaria e suas surpresas

A Firdaria consiste numa divisão de 75 anos de vida a cada um dos sete Planetas e os nodos lunares. Uma vez completada essa divisão, repete-se o esquema desde o início até a morte da pessoa.

A diferença entre a Firdaria e os outros tipos de divisões dos tempos é que a nela há uma ordem fixa para dois tipos de mapa:

  • Para mapas diurnos (Sol acima do Horizonte), inicia-se a disposição dos anos com o Sol.
  • Para mapas noturnos (Sol abaixo do Horizonte), inicia-se a disposição dos anos com a Lua.

Depois de cada um dos luminares dispor da infância, a disposição planetária se segue nessa ordem:

  • Mapas Diurnos: Sol > Vênus > Mercúrio > Lua > Saturno > Júpiter > Marte > Nodo Norte > Nodo Sul.
  • Mapas Noturnos: Lua > Saturno > Júpiter > Marte > Sol > Vênus > Mercúrio > Nodo Norte > Nodo Sul.

Perceba uma coisa: a ordem dos planetas é fácil de ser entendida: eles aparecem numa ordem decrescente de velocidade e de distância da Terra - o que é tradicionalmente chamado de "ordem Caldaica". Quando a divisão chega no astro mais rápido - a Lua - ela imediatamente segue com o astro visível mais distante da Terra, Saturno.

Há uma outra distribuição além desta, mas eu optei pela Firdaria acima ensinada por Abu Ma'shar. De qualquer forma, aí vai as duas:

  • A Firdaria ensinada por Bonatti tem sempre os períodos do nodos lunares fixados depois de Marte.
  • A Firdaria ensinada por Abu Ma'shar coloca os nodos sempre no final de cada distribuição dos outros planetas. em outras palavras: os nodos só assumem sempre depois que todos os planetas visíveis já foram ativados.
Mais uma coisa: cada grande período de um planeta é dividido em subperíodos, que seriam melhor chamados de participantes. O primeiro participante sempre é o regente principal da Firdaria, e os outros planetas se seguem na ordem caldaica. Por exemplo: o período de Marte inicia-se com o Mesmo Marte sendo ao mesmo tempo Principal e Participante. Quando esse subperíodo se acaba, quem assumirá a Firdaria de Marte é o Sol, imediatamente inferior a ele na tal ordem Caldaica, e assim sucessivamente até Marte acabar com a distribuição. Pra você entender, ficaria mais ou menos assim:
  1. Marte-Marte
  2. Marte-Sol
  3. Marte-Vênus
  4. Marte-Mercúrio
  5. Marte-Lua
  6. Marte-Saturno
  7. Marte-Júpiter
Já deu pra ver que os nodos lunares não entram como participantes... Eles só entram como Regentes Principais.

Com base no que foi exposto, só nos resta entender como a Firdaria funciona, a parte mais difícil do texto.

Como isso tudo funciona? É o que veremos no próximo post.

Comentários

  1. nos 2 ciclos dos nodos, com que planeta começa cada um deles, para quem nasceu de dia e quem nasceu de noite?

    fisico.duck@gmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …