Pular para o conteúdo principal

De volta a ativa... Uma pequena dica por hoje

Tenho o prazer de informar aos amigos leitores que estou em casa novamente. Não tive osteomielite. Sinto dores em toda a minha cintura escapular devido às muletas, pois perdi o costume de usá-las. Devido a isso, caminhar pequenas distâncias é difícil porque minhas costas doem. Nada que um relaxante muscular não dê jeito. Longe disso ser uma reclamação, apenas expressa meu alívio em perceber que a área da cirurgia está livre de qualquer complicação terrível. Assim que puder, postarei uma foto para que vocês entendam que diabos foi a minha cirurgia.

Vivo um período da minha vida que serve para aprender o quão difícil pode ser um período planetário de dois planetas maléficos em detrimento e cadentes dos ângulos. Vivo a Firdaria Mercúrio-Marte e senti no rasgar da minha carne o quanto a Astrologia Medieval é competente para descrever as circunstâncias de vida e do meu corpo físico. Essa Firdaria terminará aproximadamente em junho. Do jeito que as coisas funcionaram, talvez acabará com ela o meu martírio de internações, antibióticos e junto disso tudo toda minha lassidão - provocada, segundo a medicina chinesa, por quatro cirurgias em um ano aproximadamente.

O que gostaria de falar é uma dica rápida - que poderia ser dada pelo podcast - mas tenho vontade de escrevê-la.


O mapa todo está certo.

Quando comecei a estudar Astrologia Clássica, percebi inúmeras indicações contraditórias da mesma coisa. Num mesmo mapa, percebi que Vênus dava apenas um Casamento, enquanto a Lua ou o regente da Casa VII possibilitavam três. Diante desse quadro, vinha a mim a pergunta: qual sinal é o mais correto? Da Lua, de Vênus, do Regente da VII ou do regente da Parte do Casamento?!

Eu demorei a perceber que todos os sinais eram corretos! Uma pessoa com todas as configurações acima não se restringirá a apenas um Casamento!

Interpretar o mapa assim fica mais divertido porque nós gastamos considerável energia mental em perceber o que é o correto. O grande problema nisso é que o mapa todo é correto, e não apenas um pedacinho dele. Não devemos crer que o mapa é contraditório porque tudo que estiver escrito nele há de acontecer, ainda que por pouco tempo. Pensando desse modo, a neurose obsessiva de "filtrar a informação correta" vai embora. A interpretação vira um passeio no parque.

Vejamos um exemplo. Uma pessoa pode ter Vênus em signo fixo, mas cadente e aflita por maléficos; por outro lado, ela pode ter o regente da Casa VII em bom estado e numa Casa angular. Longe de termos de escolher entre um e outro, Vênus dirá acerca de um relacionamento (pois está em signo fixo) que pode durar pouco tempo (signo cadente) e que não foi oficial (maléficos em aspecto com Vênus em Casa cadente). Por outro lado, o regente da Casa VII em excelente estado sugere que, em algum momento da vida desse nativo, houve um casamento bom e lucrativo. Um casamento nos moldes ditos "oficiais" da sociedade e com o qual ele lucrou e foi feliz, posto que o regente da Casa VII está numa Casa angular e domiciliado/exaltado.

Na verdade, essa combinação aparentemente "contraditória" pode se manifestar de um modo diferente na vida do cliente mas, só de você percebê-la valerá a pena. Com o tempo, os clientes lhe revelarão como posicionamentos como esses podem acontecer, mas em tempo algum você fará "previsões depois do fato" se levar em conta que todos os fatores acontecem sem se anularem. Essa pessoa pode ter um bom casamento mas em alguma época da sua vida ter cometido adultério, ou simplesmente ter passado por um período com um relacionamento polêmico que não durou muito.

Perceba nessa abordagem que todos os planetas representam alguma coisa em algum tempo da vida. Para saber quando eles acontecerão, usamos de alguns parâmetros. Um planeta oriental ao Sol geralmente representa coisas mais cedo na vida. Um planeta ocidental ao sol, coisas mais tardias. Com esse simples método podemos posicionar grosseiramente quando os planetas acontecem na vida da pessoa. A "sintonia fina" do método é dada pelas técnicas preditivas.

Falamos de Casamento, mas a mesma coisa pode ocorrer em se tratando de crianças. Ptolomeu e Paulus Alexandrinus propõem que benéficos nas Casas IV, V, X e XI representam crianças para o nativo se estiverem em signos férteis, mas isso não acontece em vários mapas de pessoas com filhos. Nesse caso, o que ocorre? Simplesmente existem outras técnicas além dessa... A seguir, apresento algumas alternativas:
  • A Parte dos Filhos pode fazer aspecto com algum planeta benéfico, ainda que este não esteja numa das Casas citadas (IV, V, X, XI). Já vi benéficos na 12 representarem filhos para uma pessoa porque todos eles faziam uma quadratura com a Parte dos Filhos. Como eles estavam numa das piores Casas do mapa, o nativo viu a morte de alguns filhos. Sinais aparentemente contrários revelam uma história muito mais complexa do que simplesmente dizer que um anula o outro!
  • O regente da Casa V (que representa crianças) pode simplesmente fazer aspecto com um benéfico. Quanto mais fértil o benéfico for (e isso depende do signo no qual ele se posicionar), mais filhos ele representará. Benéficos em signos de água geralmente dão filhos pra caramba, principalmente se for Júpiter. Aliás, Júpiter é exceção a regra: na maioria dos signos, ele dá filhos pra caramba. Certo professor meu tem Júpiter em trígono com a Parte dos Filhos e tem cinco filhos, um número crítico pra nossa sociedade de natalidade controlada.
Essas foram algumas dicas que podem ser usadas para qualquer área da vida. Quando você pegar um bom livro de Astrologia Medieval, há de entender o porquê desse post. Os autores costumam usar de várias técnicas e significadores para o mesmo assunto. Apenas faça como eles e não se restrinja.

Comentários

  1. Interessante comentário.
    A convalescencia te fez bem
    :-P

    ResponderExcluir
  2. Que Deus ajude para que vc melhore bem rápido e sem seqüela.
    AnA

    ResponderExcluir
  3. que bom q vc voltou , graças a Deus ! foi melhor o post escrito do q no pod pois fica mais fácil para se tomar nota . A firdaria não deveria acabar no final do mês , no seu niver ? grande abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…