Pular para o conteúdo principal

Aspectos: ame-os ou deixe-os.

Para mim, os aspectos astrológicos sempre foram como um flerte com uma mulher. Seus sinais me eram difíceis de serem decifrados. Hoje nem tanto, mas ainda persistem dificuldades nesse jogo de sedução. Digamos que eu esteja numa certa altura da noite na qual já sei que foi uma cantada e consegui beijar a moça, mas ainda não sei até onde devo ir no primeiro encontro: essa é a minha principal pergunta hoje, mas creio que pouco-a-pouco essa dúvida não persistirá.

Saltando do erotismo para a dúvida de um nerd Astrológico: é relevante considerar numa leitura aspectos com orbe (muito) larga?

Há uma resposta fácil para essa pergunta: sim. O grande problema é saber como. Muitas respostas não acabam com os problemas que as originaram...

Em primeiro lugar, deixe-me ser bem claro: falo de aspectos daqueles encontrados em natividades. Se você pensa que os aspectos são tratados mesma forma tanto em horária quanto em natal, pode estar perdendo uma boa oportunidade de explorar as curvas dessa mulher que é o mapa natal.
Nessa altura do campeonato, percebo que o post está bem chauvinista. Desculpas às leitoras (e leitores gays) fiéis. Tentem inverter o gênero ao lerem, por favor.
Pode ser absurdo para muita gente mas alguns autores interpretam os mapas natais de um modo diferente das horárias, especialmente no que tange ao tema dos aspectos. Em comunicação recente com Steven Birchfield, (após oferendas e preces a Lorde Ganesha para que Steven tire um tempinho livre para tirar uma dúvida) ele deu uma olhadinha no meu mapa e interpretou aspectos de um modo curioso.

Talvez o leitor esteja se indagando porque cito tanto o nome de Steven nesse blog. Na verdade, ele é um dos Astrólogos mais generosos e mais práticos que existem na cena da Astrologia Tradicional atual. Ele aplica teorias de livros de mil anos atrás nos mapas de pessoas que vivem hoje em dia e quase tudo funciona tão claro como cristal. Não seria insensato eu me refendar a ele nos meus momentos de dúvida...

Mais uma vez, minha natividade.


Minha dúvida se originara de uma confusão. Eu queria interpretar meu mapa como se fosse uma horária: só a aplicação mais imediata de um planeta para o outro era válida. Por esse viés, vejamos como seria.

Comecemos pela minha Lua em Touro, que nunca me decepcionou. A aplicação mais imediata da minha Lua seria com Júpiter em Escorpião. Como Júpiter está retrógrado, ele retorna a luz da Lua a ela mesma e, como o retorno ocorre nos ângulos, ele é com benefício.

Depois de Júpiter retornar sua luz, a Lua continua sua trajetória à procura da próxima aplicação. Antes de conversar com Steven, eu já fazia isso porque considerava que o retorno de luz nos ângulos como algo que possibilitasse um novo encontro. de planetas . Depois de Júpiter, a lua lançará seus raios a Vênus, que a receberá em seu signo, Touro.

Após a recepção de Vênus à Lua, eu achei que a questão acabava por aqui. De acordo com Steven, não. Como sou nada imprevisível, talvez você esteja pensando que eu concordei com ele. Na verdade, eu não sabia no que acreditar, até que, um dia desses, meditabundo como eu, tive um insightzinho mixuruca que talvez tenha valido a pena.

Quando nós estudamos uma horária, há uma finalidade clara no mapa em questão. Se eu quero saber se vou me casar, o mapa deve responder claramente. Essa resposta clara implica interromper em algum momento a análise da figura horária! Caso contrário, observe como seria a consulta:

Astrólogo: Bom, você é a Lua. Ela se aplica ao regente da casa 5 em mal estado: não há casamento...
Cliente: (snif).
Astrólogo:... Mas depois da Lua se aplicar ao regente da Casa 5, ela se separa dele e se aplica ao regente da Casa 7! Você vai se casar!
Cliente: Nossa! Que bom!
Astrólogo: Mas, espere! Após se separar do regente da Casa 7, a Lua muda de signo e se aplica ao regente da Casa 12, então você não se casará!
Cliente: (visivelmente aborrecido).

Por questões de espaço, a conversa foi editada e acaba por aqui.

No julgamento de uma horária, os Astrólogos Clássicos procuravam por métodos de finalizar uma questão. Caso contrário, eles nunca saberiam qual seria a resposta certa para a pergunta do cliente - coisa que poderia render pena de morte em alguns reinos...

Eis que encontro Steven interpretando aspectos mapas natais de um modo diferente. Demorei a perceber o porquê, mas agora ficou mais claro. Depois da Lua ter sido recebida por Vênus, ela vai se aplicar a Mercúrio.

Interpretar tudo isso pode ser até fácil. No meu caso, a Lua tem a ver - dentre outras coisas - com finanças. Suas sucessivas aplicações a Júpiter, Vênus e Mercúrio refletem momentos diferentes nos quais meu dinheiro pode ter aumento ou diminuição. Tudo depende dos planetas envolvidos. No último caso, Mercúrio em Peixes em queda e em detrimento na Casa 12 é ruim para meu dinheiro. Posso ter muitos gastos com internações (casa 12), mas também com irmãos, vizinhos e a aplicação da Lei (casa 3, regida por mercúrio), doenças e pessoas pobres (casa 6).

Apesar dessa técnica levemente diferente, Steven e muitos outros astrólogos ainda usam a aplicação mais evidente - aquela que vai acontecer logo no céu - entre dois planetas como sendo a mais importante da vida de uma pessoa. Essa técnica exposta mostra apenas todas as aplicações possíveis que um planeta pode fazer ao longo da vida de alguém.

Uma horária tem uma finalidade clara. Um mapa natal, não. Aliás, saber qual é a finalidade do mapa natal é tarefa do Astrólogo, e pode demorar a vida inteira para que o dono do mapa descubra...

Comentários

  1. Alguns comentarios:
    1- maldito. Pra mim ele tem respondido com 3 semanas de atraso na base do sim/nao e as duas tias ai tricotando ?

    2 - nao tenho tanta certeza que o retorno de luz de jupiter seja benefico. Claro, jupiter é benefico natural, mas está no oitavo signo e em escorpiao, que sao inimigos da lua. Alem do mais, no retorno solar do ano q vc quebrou a perna tinha o eixo lua-jupiter ressaltado nos angulos.

    3 - que ele continue até venus tudo bem, mas ja que ela pode resolver os assuntos da lua me surpreende que ele quis ir até mercurio.

    4 - e tudo isso ele está vendo a lua como qualquer outro planeta ? ou está vendo ela no seu papel especial ?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…