Pular para o conteúdo principal

Revolução Solar e os antigos

Temos vários modos de analisar uma revolução Solar mas este artigo vai se concentrar naqueles mais reconhecidos pela tradição. Fundamento minhas proposições no livro de Morin sobre o tema e o sexto livro de Ali Aben Ragel. Inicialmente, abro o artigo com uma reflexão sobre a nossa falta de conhecimento acerca de nossos próprios mapas.

A tradição clássica e medieval enfatiza que a Revolução Solar traz novos eventos ao nativo, porém deixa igualmente claro que esses novos eventos nunca entrarão em contradição com os significados natais. Essa frase é dificilmente questionada e eu a interpreto mais como um desafio do que um mandamento fácil de ser seguido. Ela me incita a mesma coisa que a famosa frase "conhece-te a ti mesmo". Para perceber se uma coisa contradiz o mapa natal, é preciso conhecer a figura natal em profundidade. Um bom trabalho preditivo implica estudar uma figura natal ad nauseum e isso muitas vezes fica fora das possibilidades de hoje em dia, quando temos cada vez menos tempo para cada vez mais atividades. Essa falta de tempo entra em contraste com o que uma disciplina como a Astrologia requer de nós.

Conhecer a figura natal é mais do que saber onde ficam e como estão suas partes árabes; implica eleger os melhores significadores de cada tema, as promessas que não são facilmente reveladas pelo simples olhar. Eu estudo Astrologia Medieval e sei de cor no meu mapa a posição de vários Lotes; mas confesso que nem sempre sei a importância deles na minha vida e tampouco ainda elegi o melhor significador para cada assunto.

Não sei se estou criando mistério onde não se deve; coincidentemente, a tradição astrológica é repleta de mistérios pela dificuldade na transmissão de conhecimento; há mistérios propositais e mistérios acidentais, sendo os últimos devido à perda de manuscritos que revelariam técnicas muito proveitosas. Esperemos por mais material: esse ano, Benjamin Dykes pode lançar um dos poucos livros com textos que discorrem sobre o tema da Revoluções Solares. Algumas lacunas serão preenchidas.

Em se tratando da técnica interpretativa, queria compartilhar alguns insights com o leitor. O primeiro é que a figura da Revolução sempre foi considerada como um apêndice do mapa natal. Em outras palavras, segundo Morin de Villefranche:

A Figura natal precede a Revolução Solar em tempo e em significância.


Logo, a RS tem de ser interpretada em função do mapa natal. Morin fala isso com base na lógica: se a Rs fosse mais importante que o mapa natal, então todos os anos haveria uma chance das nossas circunstâncias de vida mudarem radicalmente para sempre, padrão esse que não se sustenta ao vermos na prática o que acontece.

Dentro de uma RS, os planetas guardam uma memória do que eles significavam no mapa natal, mas essa memória se mistura com novas configurações do mapa revolucional, o que gera a simbologia de novos eventos.


Por exemplo, Marte no meu mapa natal rege o Ascendente e está na Casa 6; , portanto o meu envolvimento em doenças, miséria e trabalho árduo; a oposição ao Sol nos signos angulares promete acidentes, de acordo com Ptolomeu.


Na Revolução de 2007, Marte estava em Aquário na Casa 10 em oposição a Saturno. Diversos autores clássicos assinalam que Marte em oposição ou em conjunção a Saturno nos ângulos indica o risco de acidentes, principalmente se eles estão na Casa X e IV; em outros mapas, isso não seria verdade mas, como o Marte rege o meu Ascendente natal, os significados tendem a envolver o meu corpo físico. Outras pessoas poderiam ter o mesmo mapa Revolucional mas, não possuindo o mesmo Ascendente que eu, não tiveram as mesmas questões. O resultado de toda essa interpretação foi que eu fraturei a perna após uma queda de um muro de 3 metros de altura.

O segundo insight, ainda embrionário, deve ser pensado melhor e comprovado; em todo o caso, ei-lo aqui. Morin dizia que o retorno de um planeta (que não fosse o Sol, obviamente) ao seu signo natal na RS ratifica as promessas indicadas por esse mesmo planeta no mapa natal. Essa observação contém mais informações do que aparenta. Ela traz implícita o conceito de aspecto e testemunho, que já falamos por aqui. Sintetizando:

Para que um planeta tenha testemunho no signo, ele precisa aspectá-lo.


Isso carece de comprovação, mas vale a pena especular. O conceito de testemunho tem aparecido mais como um princípio universal da Astrologia do que uma técnica a ser aplicada em mapas específicos: se ela é empregada pelos autores medievais em horárias, mapas natais e mundiais, porque ela não funcionaria nas RSs? Com esse raciocínio, começo a questionar também o testemunho de um planeta na RS.

Talvez um planeta na RS em aspecto com o seu signo natal (ou seja, os domicílios que ele regia e ao mesmo tempo o signo que ele ocupava) seja um forte testemunho de que ele pode ser usado esse ano para representar a mesma coisa que indicava na natividade; caso contrário, seu testemunho é pequeno e ele deve ser desprezado. Considerar essa possibilidade - para em seguida confirmá-la com a prática - já facilitaria muito a interpretação.

Por exemplo, na minha Revolução de 2007, Marte em Aquário na Casa X não teve muita relação com a minha carreira. Tive demora para entrar no mercado de trabalho devido aos problemas com o atraso da minha formatura, mas conheço as manifestações marciais suficientemente bem para concluir que isso foi muito fraco em se tratando do que marte é capaz de fazer quando fica angular. Já vi casos de marte na X nos quais a pessoa se sente difamada por um escândalo ou fofoca de um superior, o que em seguida acarreta prejuízo profissional sério e sabotagens. No meu caso, não houve problema algum de infâmia e de queda de status, coisas comuns de se esperar com um maléfico fora de séquito na Casa X.

Poderíamos simplesmente crer que seria um erro de previsão contra o qual não há argumentos prever que esse Marte indicaria problemas profissionais, mas ainda acho que é melhor aprender com nossos erros. Marte na X funcionou muito mais para indicar a minha queda do que para os temas de infâmia e calúnia e uma justificativa para isso pode se encontrar no conceito de testemunho. Marte em Aquário não aspecta o décimo signo do meu Ascendente natal - Capricórnio - que trata das honras, logo, o testemunho para fama é pequeno. Em outras circunstâncias, quando marte estiver na X da Rs e ao mesmo tempo aspectar a X natal, talvez ele será uma indicação mais evidente de que posso sofrer infâmias. Por outro lado, Marte em Aquário está em sextil com Áries, em quadratura com Escorpião e em trígono com Libra, a maioria dos signos que guardam relação com ele no mapa natal por virtude de regência e de posição, sendo que todos os signos citados possuem relação com o corpo do nativo (Áries na 1), doenças (Libra, local natal de Marte) e angústia da mente (Escorpião na 8).

É claro que essas duas proposições não são suficientes, restando a nós levarmos em conta outras maneiras de se analisar a figura. Quando tiver em mente outras hipóteses, vocês saberão.

Comentários

  1. Eu só tenho até o quinto livro de Ben RAngel... se for em formato eletronico voce poderia me passar ?

    Se quiser, eu tenho uma nova teoria sobre RS, mas que nao estou pronto para publicar, mas que se voce quiser, podemos conversar em pvt. Concordo com várias coisas que voce disse, mas tenho minha propria tipologia.

    ResponderExcluir
  2. Ah, a proposito, em que dia mesmo que voce quebrou a perna e depois que dia voce fez as cirurgias ?

    O timing de RS sempre me escapam...

    ResponderExcluir
  3. eu estou curiosa com a RS de 2009?
    Mas , eu as vezes dou uma certa travada nos meus estudos justamente por conta
    das interpretações.....vai que não sejam boas ,aí vem aquela espera maldita ...tipo: vai acontecer! !entende?
    Sabe esse papo da tua perna quebrada pq Marte estava em Aquário na Casa 10 em oposição a Saturno,eu não sei como vc conviveu com essa possibilidade,talvez vc seja mais
    "VER PARA CRER" será?sei lá...
    Eu só sei que nada sei.......
    um abraço

    ResponderExcluir
  4. Olha sandra, se eu soubesse de tudo que sei hoje em 2007, mesmo assim eu não conseguiria prever com detalhes o que aconteceu, mas eis a diferença: seu poderia ter mais certeza de que as significações de marte seriam em torno do corpo físico.

    Se você não tem nervos de aço para ver o seu próprio mapa natal, estude de alguém próximo. Deve doer menos. Comigo é o contrário, eu prefiro olhar o meu sem nenhum grande abalo emocional. Acho que isso depende do temperamento da pessoa.

    ResponderExcluir
  5. Uma coisa q tenho tido muita dúvida é sobre como usar a RS em conjunto com a Profecção. Imagino que o ideal preditivo seja vc ver a promessa se concretizando de alguma forma tanto na RS, quando na Direção Primária, P. Secundária, Profecção e finalmente pegar o tempo aparente do evento e olhar os trânsitos, para concluir os acontecimentos. Entretanto, o que levar e o que não levar em consideração é uma baita dor de cabeça. Tenho tido dificuldades especiais com a Profecção, e o metódo que tenho usado é comparar aspectos prometidos na RS que aspectem a Profecção (respeitando a proporção de tempo de cada obviamente) para concluir que trânsitos serão importantes, mas não sei se esse metódo é "sound" o bastante para astrologia preditiva (olho as progressões secundárias para conseguir uma idéia dos planetas que estão na crista da onda tb).

    ResponderExcluir
  6. Rodolfo, bom dia,

    Apreciei muito o seu texto e aprendi.

    Espero que você aceite que eu o coloque no nosso site «Escola de Astrologia Nova-Lis».

    Já o guardei completo e ilustrado na sua página pessoal dentro do nosso site para você poder ver:

    http://www.nova-lis.com/index.php?option=com_content&view=category&id=133:rodolfo-veronese&Itemid=247&layout=default

    Se autorizar, confirme aqui no seu blog para eu então colocar o seu texto na página de entrada do nosso site.

    Abraço

    António Rosa

    ResponderExcluir
  7. Rodolfo

    Muito agradecido. O seu artigo já se encontra na página inicial do nosso site.

    http://www.nova-lis.com

    Abraço

    António Rosa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…