Pular para o conteúdo principal

Um planeta, vários assuntos

Quero compartilhar com o leitor um problema que acontece muito comigo. Às vezes, dá um branco na minha cabeça na hora de interpretar um mapa. As coisas se misturam e fica difícil começar do zero a interpretação de uma área diferente do mapa só porque ela era regida pelo planeta anterior. Terei mais êxito em explicar do que se trata a minha dificuldade com um exemplo, então vou postar meu mapa natal:


Na figura acima, a Lua rege as Casas 4 e 2 e está posicionado na primeira Casa e no Segundo Signo. Temos um planeta para duas casas sem aparente relação. A primeira impressão do leigo interessado na Astrologia é estranhar essa dinâmica. Se tivesse um planeta diferente para cada casa, teríamos coisas diferentes a dizer de cada Casa, e a Astrologia seria mais verossímil, pois na vida acontece a mesma coisa, não?

Você está certo. Enxergar a Astrologia dessa forma faz com que ela nada tenha a ver com a vida, e isso é uma contradição porque o objetivo desse sistema é descrever nos céus o que acontece na Terra! O grande problema, meu caro, é que você está vendo as coisas de uma forma um pouco simplista... demais!

Receio que muitos praticantes da Astrologia moderna devam pensar dessa mesma forma, caso contrário não teríamos tanta gente querendo introduzir no mapa vários corpos celestes além dos sete planetas tradicionais. Como eles devem pensar que o planeta representa apenas uma coisa, é necessário ter muitos planetas para descrever todas as áreas da vida. Essa hipótese é sustentada pelo número considerável de Astrólogos cujas leituras se resumem apenas a interpretar a posição dos planetas nas Casas e mais nada! Por isso que muita gente sofre quando pega um mapa com stellium, que consiste numa conjunção de três ou mais planetas num mesmo Signo e numa mesma Casa. Imagina só interpretar tudo somente em função da casa onde cai o stellium, que horror! Se uma pessoa nascesse com um stellium na Casa V então, tudo na vida dela giraria em torno de crianças e sexo? É assim mesmo? Não vou negar que um stellium na V põe essa Casa com grande ênfase, mas uma pessoa com esse stellium tem toda uma vida além de fazer sexo e ter problemas com crianças!

Como podemos tornar a nossa leitura do mapa mais verossímil, compatível com o que acontece ao nosso redor? Não vou esconder de vocês que eu pensava da mesma maneira que critiquei antes; demorei muito para perceber uma coisa fundamental: na Astrologia, devemos analisar os planetas em função das Casas e os Lotes, e não o contrário!

A condição de um planeta pode ser usada para descrever qualquer objeto, situação, pessoa ou contexto na Terra. Como temos apenas sete planetas na Astrologia Medieval e assuntos intermináveis debaixo do Sol, não é estranho pensarmos que um planeta comumente administrará vários assuntos desconexos simultaneamente. Por isso, os planetas representam várias coisas ao mesmo tempo, e o fato de duas coisas serem regidas pelo mesmo planeta não implica uma relação entre elas. Pode haver ou não.

Obviamente, extraímos da condição que um planeta tem no mapa aquilo que importa para descrever o assunto que analiso no momento. Se uso o planeta para descrever um animal, eu não vou me preocupar se o planeta que o representa está na Casa II, X ou XII, pois animais não tem inimigos secretos, carreira nem dinheiro. (Algumas pessoas discordarão de mim dizendo que a Casa II é a ração do animal, mas deixa pra lá...) Em certos assuntos mais complexos, porém, é importante usar toda a descrição do planeta, a fim de que possamos descrever a situação com riqueza de detalhes: o signo do planeta, seu movimento, a casa onde se encontra e sua posição relativa ao Sol, o sect do qual ele pertence (se o planeta é diurno ou noturno).

Voltando ao estudo da minha Lua natal: qualquer aprendiz consideraria que a Lua em Touro, por reger a 2 e a 4, ligaria essas duas Casas, então pode haver uma ligação estreita na minha vida entre dinheiro e família, mas se eu quisesse analisar tudo que a Lua do mapa rege ao mesmo tempo, eu sofreria horrores à medida em que a minha interpretação ficasse mais complexa. A Lua rege nesse mapa a Parte da Substância, a Parte da Morte, a Parte dos Irmãos, e por aí vai... Rapaz, interpretar isso tudo junto é complicado demais! Quer um conselho? esqueça. Comece do zero, respire fundo e veja se eu lhe convenço.

Para que as coisas dêem certo, devemos interpretar a Lua em função de cada ponto sobre o qual ela tenha regência isoladamente, sem ligar os pontos paralelos. Quando eu quiser delinear a Parte dos Irmãos que cai no signo de Touro, eu esqueço que a Lua rege a Parte da Morte, a Casa IV, a Casa II, a Parte do Adultério, a Parte das Azeitonas, a Parte do Periquito e a Parte do Cachorro Molhado. Naquele momento da leitura, eu tão somente interpretarei a Lua em função da Parte dos Irmãos, ou seja: a Lua descreverá meus irmãos! Neste momento, Faça o favor a si mesmo de ter uma amnésia temporária e esquecer os outros assuntos relacionados à Lua, ou você vai enlouquecer com tanta informação!

Quando você tomar essa postura perante o mapa, as coisas começarão a ficar divertidas. Perceba que a Lua está exaltada e compromete sua disposição e virtude a Júpiter. Júpiter está retrógrado, o que faz com que as coisas demorem para acontecer, mas sua angularidade em signo fixo mostra que de qualquer forma as coisas serão boas no final. O grande benéfico rege nesse mapa as Casas IX e XII, que para o irmão são as Casas VII e X (contando essas Casas a partir da III). Ou seja, o futuro do meu irmão parece ser muito bom, com uma carreira de sucesso e um Casamento feliz, que contudo podem demorar para ocorrerem. Neste exemplo, eu esqueci todas as coisas que a Lua regia e me focalizei no mapa em função da Casa III. Dessa forma, eu interpretei Júpiter sob o ponto de vista dos irmãos.

Devemos aprender a encarar o mapa como uma estrutura aberta, na qual vários assuntos podem ser vistos com os mesmos planetas, mas sob perspectivas diferentes. Caso contrário, nem a descoberta de Sedna nos será suficiente...

Comentários

  1. OLá Rodolfo
    Li seu texto Um planeta vários assuntos e clareou como devo analisar um planeta. Sou iniciante no estudo da astrologia e não consigo sair do lugar exatamente pelo que voce colocou começo com uma coisa e paralelamente uno várias e depois não chego a lugar nenhum dá um nó monstro. Vou tentar por em pratica o que acabei de aprender
    Obrigada pelo texto claro e objetivo
    Thais

    ResponderExcluir
  2. Existe uma coisa importante que é ensinada em Astrologia Horária: Quando um planeta reger ao mesmo tempo a Casa do querente e a Casa do tema desejado (quesito), o querente só conseguirá o que deseja se o planeta regente dos dois locais for recebido. Caso contrário, não se relizará.

    Eu fico a pensar acerca dos mapas natais. Um mapa natal tem regras mais flexíveis do que uma natividade, mas isso não implica descartar tudo que se diz acerca de horárias! O que quero dizer é que se um planeta dentro de um mapa natal rege vários assuntos, não significa que todos tenham uma ligação e uma realização positiva a menos que esse planeta seja recebido! Como isso não ocorre na maioria dos casos, devemos pensar que os assuntos regidos pelo mesmo planeta sem recepção não terão uma ligação clara!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…