Pular para o conteúdo principal

Pra que serve uma lunação?

As Luas novas e cheias - chamadas na idade média de conjunção e prevenção, respectivamente - tinham um uso definido dentro da Astrologia Medieval, a saber, o da Astrometeorologia. Consiste em prever o tempo - palavra aqui empregada na sua acepção de "estado transiente do clima de uma região", e não "tempo" no sentido cronológico.

Na verdade, qualquer mapa de ingresso Solar em signos cardinais - seja ele anual, semestral ou trimestral - poderia prever as chuvas do ano. As Lunações apenas indicariam o mês com maior probablidade de chuvas dentro do trimestre. Para saber isso, usamos o mapa do momento em que a Lua faz uma conjunção (Lua Nova) ou oposição (Lua Cheia) exatas com o Sol. Felizmente todos os programas decentes de Astrologia fazem um mapa desse...

Nessa técnica, divide-se o mês lunar em duas metades : o período entre a Lua nova e a Lua Cheia e o período entre a Lua Cheia e a próxima Lua nova. No primeiro período, a Lua nova representará os primeiros 14 dias do mês Lunar, até que a Lua tome conta dos últimos 14 dias.

A dinâmica das previsões era relativamente simples: Examina-se o mapa da lunação de modo a observar os aspectos que a Lua faz com todos os cinco planetas. Aspectos com benéficos - principalmente Vênus - indicam chuvas. Aspectos com maléficos, tempo seco e quente. Há ainda um terceiro caso, mais complexo, no qual Vênus (ou outro benéfico) aspecta a Lua e um maléfico ao mesmo tempo. Se esse maléfico for marte, o tempo será nublado ou terá ventos fortes, trovões e relâmpagos, mas com pouca chuva. Se o maléfico for Saturno, haverá chuva.

Dentro do período estudado, o dia em que a chuva ocorrerá será indicado pelo momento em que a Lua passar por um signo aquoso ou úmido que aspecte o benéfico que ela aspectou no mapa da lunação. Simultaneamente, é provável que a Lua estará num ângulo - porám Masha'llah não define se esse ângulo é o do mapa da lunação ou o ângulo do dia em questão. De qualquer modo, a condição que indica muita chuva é dada abaixo:
  • Lua aspectando Vênus no mapa da lunação;
  • Lua em signo de água;
  • Vênus em signo de água;
  • O trânsito da Lua passando por um signo de água (Câncer, Escorpião e Peixes) e aspectando Vênus será o gatilho do toró...
No exemplo desse mês (ainda postarei o mapa...) veremos a lunação do dia 16 de agosto de 2008. Aqui, a Lua cheia está em Aquário, inconjunta a todos os cinco planetas... Estar inconjunto significa que a Lua não aspecta os signos nos quais se encontram os cinco planetas, o que nos dá a certeza de que não haverá chuvas até a próxima lua nova - isso na teoria...

Quando a Lua não aspectar planeta algum como no exemplo acima, Bonatti sugere que devemos prestar atenção na "Mansão" que ela percorre no momento da Lunação. O conceito de "mansão" está contido na Astrologia árabe e hindu e se baseia na criação de 28 (ou 27, se não me engano) constelações para a Lua em torno da eclíptica - as ditas "mansões lunares". Trata-se de um conceito confuso porque autores divergem na denominação das mansões - o que é essencial para se saber qual mansão predispõe a chuvas ou não. Sendo assim, não abordarei esse tema nebuloso hoje. Fica registrado aqui que Bonatti considera o grau 24 de Aquário como pertencente a uma mansão seca (página 1429, figura 36 do Book of Astronomy - tradução de Bonatti realizada por Benjamin Dykes).

Como não quero me valer das mansões, prefiro especular sobre a qualidade essencial do signo da lunação - Aquário - que é de ser quente e úmido. A quentura associada a umidade pode predispor a chuvas, porém Mashallah não diz que o signo lunar isento de aspectos produza chuvas. Normalmente é preciso ter um planeta benéfico para que as chuvas aconteçam. Se for para apostar, porém, no momento eu creio que até o dia 30 de Agosto - quando acontecerá a Lua nova - não teremos chuvas no Rio de Janeiro.

Esse post tem uma continuação. Clique aqui para acessá-la.

Comentários

  1. oi
    a lunacao é universal, entao, da maneira como voce está analisando, nao há aspectos ligando ao Rio de Janeiro.
    Em astrometeorologia se olha principalmente os planetas angulares e a casa 4, regente, e estrelas fixas.
    Y

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …