Pular para o conteúdo principal

Retorno Solar e Profecções (por Valens)

A grosso modo, a Revolução Solar é um mapa anual usado para atualizar e detalhar as coisas representadas pelo mapa natal. Entre os astrólogos clássicos, essa técnica era também chamada de ingresso. O termo "revolução" se tornou mais popular a partir dos árabes.

Igualmente popular a partir dos árabes foi a maneira de se calcular o retorno solar como conhecemos hoje: Calcula-se o ingresso para o exato momento em que o Sol retorna a sua posição natal. No período helenístico da Astrologia, porém, desconhecia-se uma técnica capaz de encontrar a posição do Sol natal. O ingresso ensinado pelos Astrólogos daquela época se baseava num procedimento diferente e mais simples para eles, que será mostrado abaixo:
  1. Espere o Sol retornar ao seu signo natal;
  2. Espere a Lua retornar ao seu signo e grau natais;
  3. A Revolução Solar deve ser calculada no momento em que a Lua chega ao início do grau natal. Por exemplo, se a sua Lua natal está em 03' 56' de Virgem, calcule o instante em que ela estará a 0300'' de Virgem.
Para você comparar as diferenças, olhe a minha revolução Solar de 2007, calculada pelo método "tradicional"...


... e compare com a Revolução calculada pelo método de Valens. Observação: minha lua natal está em 02 graus e 32 minutos de Touro:


Não creio que seja necessário somente calcular de um modo diferente. Talvez a maneira de se interpretar essa segunda revolução seja diferente em alguns aspectos. Mesmo assim, considero o que temos disponível da Astrologia helênica ou helenística muito pouco e incompleto, gerando a necessidade de se misturar conceitos gregos com medievais. Essa mistura, segundo alguns autores, é autentica e não seria um anacronismo pois o principal autor árabe, Abu Mashar, era seguidor estrito de Vettius Valens. Desse modo, respondendo a essa questão, eu começaria a interpretar essa Revolução de um modo semelhante a técnica interpretativa do ingresso convencional.


Profecções (como descritas por Valens e Dorotheus)

Algumas Profecções dos gregos também são calculadas de um modo diferente daquelas encontradas nos registros do período medieval. Adicionando a minha experiencia pessoal com profecções, tenho percebido que as profecções mensais e diárias como ensinadas pelos árabes não são muito efetivas em descrever a realidade. Sendo assim, descobrir como os gregos faziam profecções pode ser útil e finalmente responder a nossos anseios.

A Profecção anual dos gregos é exatamente a mesma ensinada por Abu Mashar. A cada ano, o Ascendente pula para o signo seguinte. Os planetas que estiverem no signo da profecção serão importantes neste ano, bem como o regente domiciliar do signo e seu
Al-mubtazz (o planeta que possuir as maiores dignidades no signo em questão). Devemos analisar estes planetas na Revolução Solar, pois suas posições neste mapa complementam as interpretações do mapa natal.

A Profecção mensal e diária difere daquela ensinada pelos autores medievais. O procedimento é simples:
  1. Conte quantos signos há entre o sol natal e a lua natal
  2. Conte o mesmo número de signos obtido em 1, mas a partir do Ascendente da Revolução Solar como ensinada pelos gregos. A profecção mensal começará no signo onde cair o cálculo.
Exemplo: No meu mapa natal, contando os signos entre o sol e a lua (e dando o número 1 ao signo solar), há um total de 2 signos. Como o ascendente da Revolução Solar helenística para 2007 caiu no signo de Peixes, contando 2 signos a partir deste faz com que a profecção mensal comece meu ano pessoal no signo de áries.

Quando o sol completar 30 graus a partir da data do meu aniversário (27 de março), a profecção mensal entrará em outro signo, e assim sucessivamente com os outros meses.

A Profecção diária dos gregos obedece o mesmo esquema encontrado nas profecções mensais, apenas invertendo a ordem que se conta o Sol e a Lua.
  1. Conte quantos signos há entre a Lua natal e o sol natal.
  2. Conte o mesmo número de signos obtidos em 1, mas a partir do ingresso grego.
Exemplo: no meu mapa natal, contando os signos a partir da lua natal até o sol (contando o signo lunar como o primeiro) há um total de 12 signos, pois o sol está no signo anterior a Lua. Como o Ascendente do ingresso é Peixes, a profecção diária começa em Aquário décimo segundo signo.

Quando a Lua completar 30 graus a partir do seu grau natal, a profecção diária muda de signo. Como a lua está no terceiro grau de Touro, a profecção mudará de signo quando estiver no terceiro grau de Gemeos, e assim sucessivamente.

Interessante notar que essas profecções se baseiam unicamente em movimentos celestes e não obedecem a contagem de dias humana para definir os ciclos.


Trânsitos sobre as profecções.


Ao contrário do que vemos nos registros medievais, era importante entre os gregos a combinação dos trânsitos com as Profecções, mas essa mistura obedecia a algumas regras lógicas.

Saturno demora cerca de dois anos e meio para percorrer apenas um signo. Assim sendo, é óbvio que ele ficará o ano inteiro afetando o mesmo dia do mês lunar da profecção diária. Devido a isso, Valens recomenda que se considerem apenas o transito de planetas rápidos na profecção diária. As Profecções mensais a anuais são mais tolerantes e consideram quaisquer planetas.

No próximo artigo, vamos estudar um caso no qual testaremos essas técnicas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …